Siga o OTD

Italo Ferreira campeão Jogos Olímpicos Tóquio 2020 surfe

Os Olímpicos

Balanço Tóquio-2020 – Medalhas Brasileiras

Balanço Tóquio-2020 – Medalhas Brasileiras

Há pouco mais de um ano, fiz um post com dados sobre todas as 129 medalhas olímpicas brasileiras da história até então. O texto original está aqui.

Nada mais justo do que começar os balanços pós-olímpicos atualizando este texto com as 21 medalhas conquistadas em Tóquio. O que foi atualizado, está em negrito

Geral

  • O Brasil conquistou na história olímpica 150 medalhas olímpicas, sendo 37 de ouro, 42 de prata e 71 de bronze;
  • A 1ª medalha brasileira foi conquistada em 2 de agosto de 1920 por Afrânio Costa, prata na pistola de tiro de livre 50 m, na Antuérpia, Bélgica. Na mesma prova veio o bronze por equipes;
  • A 1ª medalha de ouro veio no dia seguinte, em 3 de agosto, com Guilherme Paraense na pistola militar 30 m, prova equivalente à atual pistola de fogo rápido 25 m;
  • A 1ª medalha feminina brasileira veio junto com a 2ª. Foi apenas em 27 de julho de 1996 que uma mulher brasileira subiu ao pódio. Jaqueline Silva e Sandra Pires venceram Adriana Samuel e Mônica Rodrigues na final do vôlei de praia, na estreia olímpica da modalidade. Foram a 45ª e 46ª medalhas do Brasil na história.
  • A 50ª medalha veio apenas em Atlanta-1996, em 1º de agosto, com o bronze na prova de salto por equipe de hipismo;
  • A 100ª medalha tem um asterisco. Cronologicamente, ela veio em Londres-2012, em 8 de agosto, com o bronze de Adriana Araújo no peso leve do boxe, ao perder a sua semifinal para uma russa. Só que em agosto de 2016, a equipe russa de atletismo do 4x100m feminino de Pequim-2008 foi desclassificada e o Brasil, que tinha ficado em 4º, herdou o bronze. Em janeiro de 2017, foi a vez da equipe jamaicana do 4x100m masculino de Pequim-2008 ser desclassificada por doping e o Brasil também herdou o bronze. Sendo assim, a 100ª medalha seria de Robert Scheidt e Bruno Prada, bronze na Classe Star em Londres.
  • A 150ª medalha foi a última conquistada em Tóquio, a prata da seleção feminina de vôlei, ao perder a final para os Estados Unidos.
  • A edição em que o Brasil mais conquistou medalhas foi em Tóquio-2020, com 21 (7-6-8), seguida da Rio-2016 (19, sendo 7-6-6), Londres-2012 (17, sendo 3-5-9), Pequim-2008 (também 17, sendo 3-4-10) e de Atlanta-1996 com 15 (3-3-9);
  • O dia em que o Brasil mais venceu medalhas foi em 22 de agosto de 2008, em Pequim, com seis. Ricardo e Emanuel venceram a disputa de bronze no vôlei de praia, depois Márcio Araújo e Fábio Luiz perderam a final do vôlei de praia, ambas pela manhã. À noite, Maurren Maggi levou o ouro no salto em distância. Logo após a sua final, terminava a partida que deu o bronze no futebol masculino. Para fechar, tivemos as duas medalhas dos revezamentos 4 x 100 m do atletismo, que só foram realmente dadas ao Brasil anos depois. Em 30 de setembro de 2000, em Sydney, foram quatro medalhas: bronze do basquete feminino, bronze do vôlei feminino, bronze de Torben Grael e Marcelo Ferreira na Classe Star e prata no revezamento 4 x 100 m masculino no atletismo. Também foram 4 medalhas em 3 de agosto de 2021: começou com o bronze de Alison dos Santos nos 400m com barreiras, o ouro de Martine Grael e Kahena Kunze na vela, Classe 49erFX, bronze de Abner Teixeira no boxe e o bronze de Thiago Braz no salto com vara.

Ouros

  • A 2ª medalha de ouro veio 32 anos depois da 1ª, em 23 de julho de 1952, com a primeira vitória de Adhemar Ferreira da Silva no salto triplo, em Helsinque. Ele conquistaria o seu 2º ouro em Melbourne-1956, em 27 de novembro;
  • O 4º ouro brasileiro levou 24 anos para chegar. Foi na Classe Tornado da Vela, em Moscou-1980 com Alexandre Welter e Lars Björkström, garantindo o título com uma regata de antecedência, em 28 de julho;
  • No dia seguinte, veio mais um ouro, também na vela, na Classe 470, com Marcos Soares e Eduardo Penido. Apesar das definições terem sido em dias diferentes, elas foram entregues no mesmo dia, em 29 de julho de 1980. Esta foi a primeira vez que o hino brasileiro foi tocado duas vezes no mesmo dia;
  • O dia 18 de agosto de 2016 poderia ter ocorrido o mesmo. Martine Grael e Kahena Kunze levaram o ouro na 49erFX numa final sensacional à tarde e Bruno Schmidt e Alison Cerutti venceram a final do vôlei de praia à noite, mas a partida terminou depois da meia-noite, então, tecnicamente, o ouro foi definido só no dia 19;
  • No dia 7 de agosto de 2021, o Brasil conquistou 3 ouros, um fato inédito. Isaquias Queiroz venceu o C-1 1.000m na canoagem, Hebert Conceição venceu na categoria peso médio do boxe com nocaute e a seleção masculina venceu a Espanha na prorrogação do futebol.
  • O maior número de ouros para o Brasil em uma única Olimpíada, 7, veio no Rio-2016 e em Tóquio-2020;
  • O 1º ouro individual masculino veio com Guilherme Paraense no tiro na Antuérpia-1920 enquanto o 1º ouro individual feminino foi com Maurren Maggi, em Pequim-2008, 88 anos depois.
  • 15 atletas possuem dois ouros olímpicos, sendo sete homens (Robert Scheidt, Serginho, Torben Grael, Marcelo Ferreira, Adhemar Ferreira da Silva, Giovane Gávio e Maurício Lima) e oito mulheres, sendo seis do vôlei (Fabiana Claudino, Fabiana de Oliveira, Jaqueline Carvalho, Paula Pequeno, Sheilla Castro e Thaísa Menezes) e duas da vela (Martine Grael e Kahena Kunze). Nunca um brasileiro foi tricampeão olímpico.

Pratas e Bronzes

  • O Brasil venceu o maior número de pratas em uma edição em Sydney-2000, no Rio-2016 e em Tóquio-2020, todas com seis;
  • O máximo de pratas que o Brasil conquistou em único dia é duas, o que ocorreu por quatro oportunidades: 11 de agosto de 1984 em Los Angeles (vôlei masculino e futebol masculino), 21 de agosto de 2008 em Pequim (Robert Scheidt e Bruno Prada na Classe Star e futebol feminino), 11 de agosto de 2012 em Londres (futebol masculino e Esquiva Falcão no boxe peso médio) e 8 de agosto de 2021 (Beatriz Ferreira no boxe e vôlei feminino);
  • 23 brasileiros tem duas pratas olímpicas na carreira. Ninguém conquistou três pratas.
  • O maior número de bronzes em uma mesma edição foi em Pequim-2008, com dez;
  • O máximo de bronzes conquistado em um dia é quatro, em 22 de agosto de 2008, em Pequim, com Ricardo e Emanuel no vôlei de praia, o futebol masculino e os dois revezamentos 4 x 100 m no atletismo;
  • Mayra Aguiar, do judô, é a única com 3 bronzes: Londres-2012, Rio-2016 e Tóquio-2020;
  • 25 brasileiros tem dois bronzes olímpicos na carreira.

Medalhistas

  • 419 atletas brasileiros conquistaram medalha olímpica. Desses, 296 são homens e 123 mulheres. Eles tem ao todo 543 medalhas;
  • Apenas 64 atletas conquistaram medalha em provas individuais. Apenas treze mulheres conseguiram este feito: Adriana Araújo (boxe 1B), Ana Marcela Cunha (maratona aquática 1O), Beatriz Ferreira (boxe 1P), Ketleyn Quadros (judô 1B), Maurren Maggi (atletismo 1O), Mayra Aguiar (judô 3B), Natália Falavigna (taekwondo 1B), Poliana Okimoto (natação 1B), Rafaela Silva (judô 1O), Rayssa Leal (skate 1B), Rebeca Andrade (ginástica 1O e 1P), Sarah Menezes (judô 1O) e Yane Marques (pentatlo moderno 1B). Mayra Aguiar é a única brasileira com duas medalhas em provas individuais.
  • Ao todo, o Brasil conquistou 85 medalhas em provas individuais, sendo 21 ouros, 21 pratas e 43 bronzes. Robert Scheidt (2O e 1P), Isaquias Queiroz (1O, 1P e 1B), César Cielo (1O e 2B) e Gustavo Borges (2P e 1B) são os únicos com três medalhas individuais. 11 atletas tem duas medalhas individuais.
  • O Brasil conquistou 25 medalhas em esportes coletivos, sendo 7 ouros, 10 pratas e 8 bronzes, todos no futebol, vôlei ou basquete.
  • 290 atletas conquistaram ao menos uma medalha como parte de uma equipe de esporte coletivo.
  • Serginho é o único com quatro medalhas em coletivos, sendo 2 ouros e 2 pratas. Bruno Rezende, Dante Amaral, Giba, Rodrigão e Fofão conquistaram três medalhas, sendo os homens 1 ouro e 2 pratas e ela 1 ouro e 2 bronzes. 60 atletas tem ao menos duas medalhas em coletivos.
  • 17 jogadores de futebol tem duas medalhas olímpicas, sendo 10 mulheres e 7 homens. Os homens que tem duas medalhas olímpicas são: Neymar (1O e 1P), Ademir Kaefer (2P), Luis Carlos Winck (2P), Alexandre Pato (1P e 1B), Bebeto (1P e 1B), Marcelo (1P e 1B) e Thiago Silva (1P e 1B);
  • Robert Scheidt e Torben Grael são os únicos com 5 medalhas olímpicas, sendo que Scheidt tem 2 ouros, 2 pratas e 1 bronze e Torben 2 ouros, 1 prata e 2 bronzes. Com 4 medalhas, apenas Serginho (2O e 2P), Isaquias Queiroz (1O, 2P e 1B) e Gustavo Borges (2P e 2B). 11 atletas tem três medalhas, 85 tem duas e 318 com uma medalha.
  • Isaquias Queiroz é o o único brasileiro a conquistar 3 medalhas em uma mesma Olimpíada: prata no C1 1.000m, prata no C2 1.000m e bronze no C1 200m no Rio-2016. Rebeca Andrade é a única mulher brasileira a conquistar 2 medalhas em uma mesma Olimpíada: ouro no salto e prata no individual geral, em Tóquio-2020;
  • A atleta mais jovem a ganhar uma medalha foi Rayssa Leal, que tinha 13 anos e 203 dias em 26 de julho de 2021, quando foi bronze no skate street em Tóquio. Apenas outras duas atletas conseguiram medalha com menos de 18 anos: Ana Cristina de Souza, prata no vôlei feminino em Tóquio-2020, com 17 anos e 123 dias, e Rosângela Santos, bronze no revezamento 4x100m do atletismo em Pequim-2008, com 17 anos e 246 dias;
  • Já o mais velho foi Sebastião Wolf, bronze na pistola tiro livre 50m por equipes na Antuérpia-1920. Ele tinha 51 anos e 179 dias.
  • Apenas sete atletas conquistaram medalha com mais de 40 anos: Sebastião Wolf, Nelson Falcão, Luiz Felipe de Azevedo, Torben Grael, Bruno Prada, Serginho e Carol Gattaz. Luiz Felipe de Azevedo e Torben Grael conseguiram duas medalhas com mais de 40 anos. Carol Gattaz é a única mulher com mais de 40 a medalhar, com a prata no vôlei em Tóquio-2020, aos 40 anos e 12 dias. A mais velha antes era Fofão, quando conquistou o ouro em Pequim-2008 aos 38 anos e 166 dias;
  • Apenas dois atletas brasileiros conquistaram medalhas em Jogos Olímpicos da Juventude e em Jogos Olímpicos: Thiago Braz, do salto com vara (prata nos Jogos da Juventude de Singapura-2010, ouro no Rio-2016 e bronze em Tóquio-2020) e Felipe Wu, do tiro (prata nos Jogos da Juventude de Singapura-2010 e prata no Rio-2016).

Origens

  • Apenas quatro estados brasileiros não tem medalhistas olímpicos: Amapá, Mato Grosso, Rondônia e Tocantins;
  • Dez medalhistas nasceram fora do Brasil: Sebastião Wolf (tiro, Alemanha), Antônio Sucar (basquete, Argentina), Victor Mirshawka (basquete, União Soviética, atualmente Belarus), Burkhard Cordes (vela, Alemanha Ocidental), Chiaki Ishii (judô, Japão), Lars Björkström (vela, Suécia), Rodrigo Pessoa (hipismo, França), Kátia Lopes (vôlei, Colômbia), Flávio Canto (judô, Grã-Bretanha) e Rosângela Santos (atletismo, Estados Unidos);
  • O estado com maior número de medalhistas é São Paulo, com 151 atletas, seguido de Rio de Janeiro com 73, Rio Grande do Sul com 38, Minas Gerais com 35 e Paraná com 26;
  • A cidade com o maior número de medalhistas é São Paulo capital, com 69 nomes, seguida de Rio de Janeiro com 60, Porto Alegre com 18, Belo Horizonte e Salvador empatados com 12. Guarulhos, Londrina e Niterói são as cidades não-capitais com maior quantidade de medalhistas olímpicos: quatro cada;
  • Os medalhistas nasceram em 176 cidades, sendo 166 no Brasil;
  • O ano de nascimento mais comum entre os medalhistas é 1973, com 18 atletas, e também é o ano com mais medalhas: 28. É o ano, por exemplo, de Robert Scheidt, Emanuel Rego, Shelda Bede e Doda. Na sequência, é o ano de 1985, com 15 medalhistas, e 1964, 1974 e 1989 empatados com 14;
  • São quatro datas com dois medalhistas nascendo no mesmo dia: 10/04/1973 (Maravilha e Roberto Rocha, ambos do futebol), 15/04/1973 (Emanuel, do vôlei de praia, e Robert Scheidt, da vela), 09/11/1974 (Carlos Honorato, do judô, e Marcelo Elgarten, do vôlei), 24/01/1985 (Fabiana Claudino, do vôlei, e Renan Soares, do futebol) e 01/04/1999 (Brenno Costa e Bruno Fuchs, ambos do futebol);
  • O medalhista brasileiro mais novo é Rayssa Leal, que nasceu em 04/01/2008;
  • O Brasil tem 10 atletas que nasceram nos anos 2000, todos medalhistas em Tóquio: Rayssa Leal (skate), Alison dos Santos (atletismo), Ana Cristina de Souza (vôlei), Antony, Abner, Gabriel Menino, Reinier, Paulinho, Martinelli e Lucão (todos do futebol).

Mais em Os Olímpicos