Siga o OTD

Maratona Aquática

Argentino é punido por doping e Victor Colonese herda bronze

Doping por causa de transfusão sanguínea modifica pódio da maratona aquática de Lima-2019 e beneficiou o brasileiro

Victor Colonese, maratona aquática (Divulgação)

Argentino é punido por doping e Victor Colonese herda bronze

Depois de quase um ano, Victor Colonese ganha o bronze na prova da maratona aquática dos Jogos Pan-Americanos de Lima-2019, no Peru. O argentino Guillermo Bertola, dono da medalha de prata, acabou sendo punido por doping, no início desta semana. Com isso, Colonese subiu para a terceira posição.

A prova foi vencida pelo equatoriano Esteban Enderica, com Bertola em segundo e o americano Taylor Abbott em terceiro. O brasileiro Victor Colonese chegou na quarta colocação apenas um segundo atrás de Abott.

+ Conheça o CT em Portugal que deve receber atletas do Brasil

Festa brasileira

“Hoje é um grande dia. A gente ficou sabendo no final de janeiro, início de fevereiro, sobre a possibilidade dessa reviravolta na medalha do Pan. Independente de qualquer coisa, eu fiz o meu melhor na prova. Saí de lá com a cabeça sabendo que eu tinha feito o meu melhor. Fiz a prova que eu queria, cometendo alguns erros, mas, analisando a minha prova, eu não mudaria nada”, disse o baiano.

Victor Colonese, maratona aquática bronze lima-2019
Victor Colonese, da maratona aquática (Divulgação)

“A quarta colocação era o segundo melhor resultado do Brasil na história do Pan (o melhor era o terceiro lugar de Allan do Carmo, em 2007). Agora igualei e estou muito feliz. Essa medalha de bronze veio em um momento difícil pelo qual estamos passando, então dá uma motivação a mais para a gente treinar e lembrar do nosso foco”, concluiu.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Além do Pan, em 2019 Colonese também representou o país no Mundial de esportes aquáticos, na Coreia do Sul. Neste ano, ele iria disputar a seletiva para a Olimpíada de Tóquio.

Punição

O nadador argentino Guillermo Bertola recebeu a punição máxima de quatro anos por ter feito uma transfusão de sangue em 2018. Bertola estava num estado anêmico e se sentindo muito mal. Por indicação, decidiu fazer uma transfusão de sangue, que é considerada ilegal se for feita sem a orientação e necessidade médica. O argentino confirmou que realizou o procedimento ilegal.

maratona aquática lima-2019 argentino bertola doping
Pódio original da maratona aquática em Lima-2019 – (Instagram/guillermobertola)

Por causa do doping, Bertola perde todos as suas medalhas e prêmios acumulados nos anos de 2018 e 2019 e ainda fica suspenso de janeiro de 2020 a janeiro de 2024.

Mais em Maratona Aquática