Siga o OTD

Afeganistão

Laguna Olímpico

Com ‘operação-resgate’ no Afeganistão, COI ganha a sua medalha de ouro

Comitê olímpico encabeçou retirada de mais de 100 atletas, técnicos e outras pessoas ligadas ao esporte do país, fugindo dos radicais do Talibã

A pequena delegação do Afeganistão desfila na cerimônia de abertura da Olimpíada de Tóquio (Reprodução/Reuters)

Com ‘operação-resgate’ no Afeganistão, COI ganha a sua medalha de ouro

Entre tantos erros cometidos ao longo de sua história, incluindo decisões autocráticas contra atletas e uma certa complacência com regimes autoritários, o COI (Comitê Olímpico Internacional) acertou em cheio ao interferir em favor dos atletas do Afeganistão.

Na última quarta-feira (8), durante uma entrevista coletiva virtual, o presidente Thomas Bach admitiu que a entidade trabalhou em segredo para a retirada de mais de 100 pessoas ligadas ao movimento olímpico afegão. Desta forma, eles escaparam do controle do grupo radical do Talibã, que tomou o poder no país no mês passado.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Siga

Não se pode ignorar que o COI era contra a presença feminina nas Olimpíadas. Ou que fechou os olhos para ter os Jogos organizados pelo regime nazista de Adolph Hitler em Berlim-1936. Nada disso será apagado da história. Mas a interferência que a entidade realizou para tirar atletas, treinadores, dirigentes e seus familiares do caos que virou o Afeganistão é digna de uma medalha de ouro.

“Um número significativo de membros da comunidade olímpica do Afeganistão recebeu vistos humanitários e pôde deixar o país. Todos os atletas que participaram dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio estão fora do país. Além deles, há dois atletas de esportes de inverno que continuam treinando na esperança de se classificarem para a Olímpiada de Pequim”, disse Bach durante a coletiva.

A ação do COI foi motivada após Samira Asghari, membro do COI no Afeganistão, ter feito um apelo no Twitter para que os atletas fossem retirados do país. Posteriormente, a postagem foi deletada.

Importante lembrar que, segundo o cartola alemão, esta foi uma primeira fase de pessoas retiradas do país. Outros órgãos esportivos também estão ajudando para a transferência de pessoas para outros locais. Bach acrescentou que há uma preocupação especial nas mulheres e meninas, que são as mais perseguidas pelo Talibã.

Pelo menos nesta aí, os fanáticos levaram a pior para o esporte olímpico.

Clique no link e seja você também um apoiador do blog. Ajude a combater a monocultura esportiva no Brasil

Mais em Laguna Olímpico