Siga o OTD

Crônicas Olímpicas

Esporte para criança tem que ser lazer e não obrigação!

Todos os meus colegas de escola adoravam as aulas de educação física, menos eu. O professor Fábio é o culpado pelo meu ranço. No lugar do tradicional futsal, para os meninos, e vôlei, para as meninas, ele quebrou as regras e incluiu outras modalidades. Não bastava inventar moda, correr ao redor das quadras de futsal durante 30 minutos foi a avaliação do bimestre. A sessão de tortura começou da pior forma possível: com alongamento.

Elasticidade nunca foi o meu forte, confesso. Além do mais, não conheço ninguém que gosta de alongamento. Eu, um grande jogador de futebol no PlayStation, comecei a sentir dor nas pernas, nas duas ao mesmo tempo, ainda nos primeiros minutos de corrida. Sempre fui aquele aluno cansado, que não aguentava nem a metade do primeiro tempo de jogo de futsal.

Não demorou para sentir a dor desviada (aquela dor no baço que você passou a vida inteira achando que se chamava “dor de veado”). Sentia menos ar no pulmão a cada passada, igual ao jogador brasileiro em partida na altitude da Bolívia. Na verdade, andei mais do que corri. Se demorasse mais cinco minutos, seria o primeiro caso no mundo de infarto aos 12 anos de idade. Foi naquele momento, de vida ou morte, que percebi que a aula de educação física serve para fazer com que os alunos odeiem esportes.

Nem todo mundo que escreve vai ter vontade de se tornar um escritor. Nem todo mundo que gosta de música deseja se tornar um astro musical. Nem todo mundo que corre quer se tornar um atleta. E eu estou na turma que não nasceu com aptidão para atividade física. 

Tem quem ame e tem quem odeie a aula de educação física. Tem aqueles que têm medo de levar bolada e outros que tentam de tudo para burlar as aulas apresentando atestado médico. Lembro que na minha escola, as aulas estavam mais para uma extensão do recreio do que uma classe propriamente dita.

A escola é um lugar de estímulos. O esporte é leve e descontraído. É bem diferente das ciências exatas. A motivação tem que ser na medida correta, agradável, para não assustar.  Nada pior do que forçar uma criança a fazer o que não gosta. As pessoas são diferentes umas das outras e não podemos simplesmente generalizar.  

Não sou bom em fazer as coisas que outras pessoas mandam. Desde o primário até a segundo grau eu detestava as aulas de educação física. Era um sofrimento ser obrigado a ir à quadra e praticar exercícios que eu não queria. Deve ser por isso que eu não me dava bem com esportes. Mas, quando comecei a trabalhar e fui praticar atividade física por conta própria, adorei a experiência. Esporte tem que ser experiência prazerosa e não obrigação.

APOIE O OLIMPÍADA TODO DIA

Desde setembro de 2016, o Olimpíada Todo Dia não deixa você ter saudade dos Jogos nunca. É o único veículo de comunicação que todos os dias traz a trajetória dos atletas olímpicos e paralímpicos, combatendo a monocultura do futebol e na busca de ajudar a mudar a cultura esportiva do Brasil. Gosta do nosso trabalho? Nos apoie! Faça um pix para [email protected]

Outra alternativa para nos apoiar é usando o cupom OTD em compras na Centauro. Com o cupom, você ganha 10% de desconto na compra de equipamentos esportivos e parte do valor será revertido para o Olimpíada Todo Dia. Vale lembrar que os descontos não são cumulativos. Se alguma peça já estiver em oferta, você não conseguirá aumentar o desconto, mas se colocar o cupom OTD, parte do valor vai ajudar o portal do mesmo jeito. Você pode comprar também pela vitrine do OTD no site das Centauro.

Breno Barros, 33 anos, gosta de olhar os diferentes esportes olímpicos de forma leve. Participei da cobertura dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio 2016, dos Jogos Olímpicos da Juventude de Argentina 2018 e da China 2014, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012, dos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019, de Toronto 2015 e de Guadalajara 2011. Estive também nas coberturas dos Jogos Sul-Americanos da Bolívia 2018 e do Chile 2014.

Mais em Crônicas Olímpicas