Siga o OTD

Jaqueline Mourão é uma das cotadas para representar o Brasil nos Jogos de Inverno de 2022

Brasil Zero Grau

Conheça as prováveis vagas do Brasil nos Jogos de Inverno de 2022

Delegação do Time Brasil chega na reta final do pré-olímpico dos Jogos Olímpicos de Pequim com chances de estabelecer novo recorde na delegação

Jaqueline Mourão segue na briga pela oitava participação olímpica no esqui cross-country (Divulgação/COB)

Conheça as prováveis vagas do Brasil nos Jogos de Inverno de 2022

Mal acabou a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio com recorde de medalhas para o país e a delegação brasileira busca um novo recorde – agora na disputa do inverno! A participação do Brasil nos Jogos de Inverno de 2022 pode representar um novo recorde de atletas e de esportes classificados.  

Atualmente, esta marca pertence à participação brasileira nos Jogos Olímpicos de Sochi, em 2014. Na ocasião, foram 13 atletas (mais dois reservas no Bobsled) e sete modalidades disputadas. O desempenho foi impulsionado pelas classificações inéditas da dupla feminina no bobsled, do esqui freestyle aerials, do biatlo e da patinação artística.

Agora, em uma projeção bem otimista, o Time Brasil tem chances de levar até 20 competidores em até 12 categorias distintas. Já a previsão pessimista indica 10 atletas em cinco esportes. A tendência, contudo, é levar entre 12 e 15 atletas, excluindo possíveis reservas em modalidades coletivas.

Mas quais são as chances de classificação do Brasil nos Jogos de Inverno de 2022? O período pré-olímpico de inverno termina em 16 de janeiro de 2022, mas alguns esportes definem seus classificados bem antes – a Cerimônia de Abertura em Pequim vai ser no dia 4 de fevereiro. Confira todas as chances dos brasileiros nas próximas semanas:

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

> Esqui Alpino

O atleta precisa obter menos de 160 pontos FIS em cinco provas oficiais no Slalom ou no Slalom gigante e menos de 80 pontos FIS no Downhill e no Super G para concorrer a uma das vagas. Além disso, ele precisa ficar entre os 500 melhores da modalidade na lista que será divulgada em 17 de janeiro.

Hoje, o Brasil tem três atletas habilitados no masculino, o que dá direito a uma vaga – Michel Macedo, presente em PyeongChang/2018, é favorito à vaga. No feminino, Isabella Springer retorna ao circuito para recolocar o Brasil na disputa entre as mulheres após oito anos.

> Esqui Cross-Country

Um fato inédito para o Brasil nos Jogos de Inverno de 2022: a delegação vai levar três atletas no esqui cross-country. Isso é possível porque, além da cota básica por gênero (menos de 300 pontos FIS em provas distance), a federação internacional concedeu vagas adicionais de acordo com o ranking das nações realizado na temporada 2020-2021.

Como a equipe feminina ficou entre a 21ª e 30ª colocação, ganhou uma vaga a mais e, portanto, vai levar duas atletas – os nomes serão definidos apenas em janeiro por conta da disputa interna na CBDN (seis mulheres têm o índice necessário). Entre os homens, dez atletas estão habilitados e disputam uma cota já conquistada.

Há uma chance remotíssima do Brasil levar mais competidores no esqui cross-country. Para isso, a lista de realocações deveria rodar bastante. Atualmente estamos na 16ª posição da “lista de espera” entre as mulheres e na 37ª colocação na disputa masculina.

> Esqui Freestyle

Sabrina Cass, campeã mundial júnior no Moguls em 2019, conseguiu cidadania brasileira e, com isso, o Time Brasil tem boas condições de confirmar uma vaga na modalidade. Ela já atingiu todos os requisitos necessários e, atualmente, já está no ranking pré-olímpico.

Além dela, os irmãos Dominic e Sebastian Bowler buscam a classificação no slopestyle e halfpipe. Os requisitos mínimos envolvem 50 pontos FIS e Top 30 em uma etapa da Copa do Mundo. Dominic, 20 anos, já possui mais de 60 pontos FIS no slopestyle e vai participar do circuito internacional para alcançar uma cota para o Brasil nos Jogos de Inverno de 2022.

> Snowboard

Dois jovens atletas tentam a classificação no Snowboard. Noah Bethonico, 17 anos, participa do Snowboard Cross. Ele precisa ter um mínimo de 100 pontos FIS e um top 30 em Copa do Mundo para entrar no ranking pré-olímpico. Atualmente, ele possui 85 pontos FIS e uma 49ª em uma etapa da Copa do Mundo.

Augustinho Teixeira, 16, compete no halfpipe e no slopestyle. Em ambos, precisa de 50 pontos FIS e um Top 30 na Copa do Mundo ou Mundial. No Slopestyle, o jovem já possui 79.33 pontos FIS, mas foi apenas o 34º no Mundial. No halfpipe é o contrário: foi o 24º no Mundial, mas possui 31.60 pontos FIS até o momento.

> Bobsled

O Bobsled brasileiro não competiu na temporada 2020/2021 por conta da pandemia de covid-19. Mas isso não deve complicar a busca pela vaga no 4-man. A equipe precisa atingir os critérios mínimos: oito provas em três pistas diferentes, o que vai ser alcançado com a Copa América. Das trinta vagas disponíveis, oito são para países com apenas um conjunto.

O desafio é tentar classificar o 2-man novamente. Novamente são trinta vagas e dez países poderão levar um conjunto. O time precisa somar pontos nas provas da Copa América para alcançar o ranking. Em caso de necessidade, não está descartado participar de provas na Europa entre dezembro e janeiro de 2022 para garantir a vaga do Brasil nos Jogos de Inverno de 2022.

> Skeleton e Monobob

Nicole Silveira teve uma temporada histórica, com resultados no Top 20 em etapas da Copa do Mundo e no Mundial – ela foi a 22ª na classificação final da competição mesmo sem disputar três provas. Ao todo, são 25 vagas e 11 países poderão levar uma atleta. Se mantiver o desempenho, certamente alcança a classificação com sobras.

No monobob, são apenas 20 vagas e 12 cotas para levar uma atleta. Marina Tuono foi a terceira na Série Mundial, mas a disputa não contou com todas as competidoras do Bobsled que se dedicam às duplas. Em todo o caso, ela também está próxima de confirmar uma vaga na modalidade que estreia em Pequim.

nicole silveira mundial de skeleton
Nicole Silveira busca a classificação olímpica inédita no Skeleton (Divulgação/IBSF)

> Patinação Artística e de Velocidade

Isadora Williams tentará uma das seis vagas olímpicas restantes na patinação artística durante o Troféu Nebelhorn entre 22 e 25 de setembro. A regra é simples: ela precisa ficar entre as seis primeiras do grupo de atletas que tentarão a classificação (quase todas). Há dez competidoras que já alcançaram notas melhores que a da brasileira, mas ela está na disputa.

O Brasil nos Jogos de Inverno de 2022 também pode ter atletas na patinação de velocidade. João Victor e Larissa Paes conseguiram passar o primeiro obstáculo e alcançaram o índice para a disputa da Largada em Massa nas etapas da Copa do Mundo. Eles ainda precisam atingir o tempo mínimo exigido nos 1500 metros (1min57seg50 para ele e 2min10seg00 para ela) e somar os pontos nas etapas da Copa do Mundo entre novembro e dezembro para alcançarem boas posições no ranking pré-olímpico.

> Curling

O caminho do Curling é longo, mas o Brasil segue com chances. No início de outubro, o país disputará a classificatória para o Pré-Olímpico com suas equipes masculina e feminina e a dupla mista. Apenas as duas melhores seleções na disputa por equipes e as três melhores duplas avançam para o Pré-Olímpico, que acontecerá em dezembro, na Holanda.

É neste evento que serão definidos os últimos países classificados na modalidade. Há duas cotas disponíveis para as duplas e mais três para as equipes nos Jogos Olímpicos de Pequim. A vaga olímpica é improvável, mas ainda há chances.

+ O BRASIL ZERO GRAU TAMBÉM ESTÁ NO TWITTER, NO FACEBOOK E NO INSTAGRAM! SIGA!

Quais as chances do Brasil nos Jogos de Inverno de 2022?

É improvável que todos os atletas conquistam as vagas olímpicas. Mesmo assim, as perspectivas do Brasil nos Jogos de Inverno de 2022 são boas. A projeção pessimista indica delegação de dez atletas em cinco esportes distintos – muito acima dos cinco classificados em três esportes na edição de 2010, por exemplo!

Mas particularmente acredito que o número ficará entre 12 e 15 competidores. Além disso, alguns atletas chegam com chances de alcançarem bons resultados para o país. Bobsled e Skeleton, por exemplo, brigarão por Top 20. Sabrina Cass pode alcançar resultado ainda melhor. No Esqui Cross-country, a expectativa é pelo recorde brasileiro.

A disputa olímpica em Pequim ainda está distante, mas o Brasil já se prepara para fazer história mais uma vez.

Mais em Brasil Zero Grau