Siga o OTD

Basquete

Damiris lamenta não ir à Tóquio, mas está feliz com retomada

Apesar de perder a vaga olímpica, Damiris acredita que o basquete feminino deixou o abismo e está em processo de evolução sob o comando de José Neto

Damiris Tóquio Retomada José Neto
O Brasil não se classificou para os Jogos de Tóquio em Pré-Olímpicos disputado em fevereiro de 2020 (Fiba Américas/Divulgação)

O basquete feminino do Brasil ressurgiu com o título da seleção brasileira nos Jogos Pan-Americanos de Lima-2019. A ala/pivô Damiris não participou da conquista porque estava atuando pelo Minnesota Lynx, na WNBA. Porém, ela esteve em quadra na AmeriCup e nos Pré-Olímpicos continental e mundial. Mesmo sem a vaga aos Jogos Olímpicos de Tóquio, a atleta está feliz com a retomada e otimista com o trabalho do técnico José Neto.

+ Pai pela primeira vez, Varejão aproveita todos os momentos

“Considero uma retomada. Vejo o basquete feminino com mais visibilidade do que tinha há um tempo, a CBB (Confederação Brasileira de Basquete) apoiando mais e nós jogadoras também mais interessadas, disponíveis e treinando mais. Acredito que estávamos no abismo e sem bons resultados, mas viramos a chavinha e agora estamos em uma crescente. Estou feliz com tudo que está acontecendo com a seleção feminina”, afirmou a atleta.

“Fiquei muito triste e frustrada por não ter conseguido a classificação para Tóquio, mas, ao mesmo tempo, bem feliz porque vejo uma evolução e uma seleção brasileira jogando com outra cara e de igual para igual com muitos times bons. Acho que agora estamos no caminho certo”, acrescentou Damiris, com exclusividade ao Olimpíada Todo Dia.

Dificuldade em digerir perda da vaga

Damiris Tóquio Retomada José Neto
Perda da vaga ainda é um assunto difícil para Damiris (Fiba/Divulgação)

A ausência em Tóquio ocorreu porque o Brasil foi derrotado por França, Austrália e Porto Rico no Pré-Olímpico realizado no país europeu, em fevereiro deste ano. O revés mais lamentado foi diante do rival caribenho, já que Damiris e suas companheiras estiveram na frente durante quase toda partida, cedendo o empate nos segundos finais e sofrendo o resultado negativo na prorrogação, por 91 a 89.

+ NBA confirma retorno em julho com 22 equipes e sede única

Recordar esses momentos ainda é difícil para Damiris. Assim que acabou o torneio a atleta retornou para Coreia do Sul, país em que atuava pelo clube Busan Sum. Já são quase quatro meses e a ala-pivô ainda tem dificuldades para digerir o que aconteceu e se emociona quando relembra os esforços feitos na retomada não ter sido recompensado com a vaga em Tóquio.  

“Segue sendo difícil falar sobre o assunto porque esse grupo merecia muito essa classificação pelo tanto que trabalhou. Eu tinha contato direto com o Neto, com o Diego (Falcão), preparador físico, e com as meninas do departamento médico. Todos os envolvidos trabalharam muito, mas não conseguimos o resultado”, disse.

+ Definição sobre cerimônia do Hall da Fama deve sair em junho

“Por outro lado, continuo contente por ver a evolução do basquete feminino e de cada jogadora. Mesmo que ainda doa e seja difícil falar sobre, temos que tirar o melhor do que aconteceu para não repetir nas próximas competições”, completou Damiris, que está com 27 anos e tem contrato com o Minnesota Lynx, da WNBA.

Ressurgimento com Neto

Damiris Tóquio Retomada José Neto
Damiris elogiou o trabalho do técnico José Neto (Fiba Américas/Divulgação)

As derrotas no Pré-Olímpico mundial são difíceis de serem superadas, no entanto, mostraram que o Brasil consegue jogar de igual para igual com rivais fortes como França e Austrália. Antes disso, a seleção conquistou bons resultados em 2019, na edição continental do classificatório para Tóquio, na medalha de bronze na AmeriCup e no título do Pan-Americano. Nesses torneios José Neto iniciou a retomada do basquete feminino.

+ Medalhista olímpica comenta trabalho na seleção feminina

“Brinco com a Clarissa que o Neto foi um anjinho que chegou para mudar tudo. Ele dispensa comentários pelo profissional que é e ama o que faz. É um cara que está estudando todos os dias e trouxe coisas do masculino para agregar ao feminino. O mais interessante do Neto, e já falei isso para ele, é que está sempre aberto para aprender. Ele precisava conhecer as atletas e se mostrou aberto ao papo e a nos ouvir para saber o que estávamos pensando”, contou.

“Essa relação com ele é muito importante e isso faz com tenhamos mais confiança. Ele é um treinador que posso ligar a qualquer hora para conversar que estará disponível. É um excelente profissional tanto dentro da quadra, nos treinamento, quanto fora, por esse lado humano de conversar e entender. Isso fez total diferença e passou muita confiança”, concluiu Damiris.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Na entrevista com o OTD, Damiris se mostrou inconformada com os últimos acontecimentos de racismo no Brasil e nos Estados Unidos e convocou amigos e companheiras para se posicionarem em conjunto no combate ao preconceito. A jogadora também se posicionou em suas redes sociais e considera que seu papel na sociedade vai muito além do basquete.  

APOIE O OLIMPÍADA TODO DIA

Desde setembro de 2016, o Olimpíada Todo Dia não deixa você ter saudade dos Jogos nunca. É o único veículo de comunicação que todos os dias traz a trajetória dos atletas olímpicos e paralímpicos, combatendo a monocultura do futebol e na busca de ajudar a mudar a cultura esportiva do Brasil. Gosta do nosso trabalho? Nos apoie! Faça um pix para [email protected]

Outra alternativa para nos apoiar é usando o cupom OTD em compras na Centauro. Com o cupom, você ganha 10% de desconto na compra de equipamentos esportivos e parte do valor será revertido para o Olimpíada Todo Dia. Vale lembrar que os descontos não são cumulativos. Se alguma peça já estiver em oferta, você não conseguirá aumentar o desconto, mas se colocar o cupom OTD, parte do valor vai ajudar o portal do mesmo jeito. Você pode comprar também pela vitrine do OTD no site das Centauro.

Mais em Basquete