Siga o OTD

Atletismo

Aída dos Santos recebe homenagem por história escrita em Tóquio 1964

Única representante feminina do Brasil em Tóquio 1964, Aída disputou o evento sem uniforme ou qualquer tipo de incentivo

(Divulgação/Centauro)

Aída dos Santos recebe homenagem por história escrita em Tóquio 1964

Em 1964 o Brasil teve um dos seus mais belos capítulos esportivos escritos no país por Aída dos Santos. Mulher negra e pobre, foi a primeira atleta brasileira a participar dos jogos de Tóquio, em meio a uma delegação composta somente por homens. Criada em uma comunidade de Niterói, no Rio de Janeiro, Aída seguiu sozinha para o outro lado do planeta sem dinheiro ou treinador, tampouco tinha um uniforme para competir. Nada de estrutura ou apoio. Mas, contrariando todas as estimativas, fez história e voltou com a quarta posição no salto em altura, o melhor resultado individual de um atleta brasileiro por mais de 30 anos. Jogando luz nessa jornada tão importante e, ao mesmo tempo, extremamente difícil e ainda pouco reconhecida, a loja Centauro, de artigos esportivos, homenageia Aída com ‘O Uniforme que Nunca Existiu’.

+ Gustavo Carneiro e Adriana Aparecida aprovam novidade da aminoVITAL

A empresa convidou a estilista do ModAtivismo, Carol Barreto, para criar e produzir peças inéditas do uniforme que deveria ter acompanhado Aída em suas competições, inspiradas na trajetória da ex-atleta. Para além de agradecê-la, a concepção, confecção e entrega do uniforme que ela jamais recebeu tem como objetivo valorizar seus feitos, contar sua história e destacar que é preciso fazer diferente. É ainda relembrar que muitas jovens podem percorrer um caminho melhor e menos árduo, com mais inclusão e fomento ao esporte.

“A herança que a Aída nos deixou precisa ser lembrada para sempre, com mais valor e reconhecimento. Sabemos que não podemos mudar os erros e atitudes do passado, mas devemos promover mudanças agora, daqui em diante. Homenagear Aída é um passo na tentativa de ressignificar um momento marcante, mas também muito triste de sua história e de tantas outras atletas. A loja, como parte de um ecossistema que acredita no esporte como agente transformador de vidas, tem muita honra em poder homenageá-la com algo que, embora tão simples, seja tão significativo para todos os atletas”, comenta Gustavo Milo, gerente executivo de marketing da varejista.   

Agora, com 84 anos e sem ver nenhum detalhe prévio do traje, Aída foi convidada a receber seu uniforme na pista de atletismo do Estádio Olímpico Nilton Santos, o Engenhão. A emoção desse momento foi capturada e transformada em um filme batizado de ‘O Uniforme que nunca existiu’, com locução da cantora e compositora Sandra de Sá. A produção acompanha a entrega surpreendente do uniforme, além de trazer depoimentos da esportista, participação de Carol Barreto, passagens no ateliê da estilista e, sobretudo, imagens do passado e do presente de toda a jornada de Aída dos Santos.

Os uniformes e seu legado

Criado pela estilista Carol Barreto, idealizadora do projeto ModAtivismo, que trabalha para unir moda a ativismo feministas e antirracistas, os dois uniformes feitos para Aída são carregados de significado e símbolos, representando suas memórias.

tóquio 1964 Aída dos Santos
Aída dos Santos recebem homenagem 57 anos depois ter feito história para o Brasil (Divulgação Centauro)

Um deles é o collant de treino com detalhes dourados na lateral dos quadris, criando continuidade às linhas sinuosas e reforçando a ideia de movimento, fluidez, agilidade, feminilidade, além de simbolizar o ouro. Em um tom de verde mixado com amarelo, os detalhes dos elásticos trazem o nome da atleta. Esse mesmo elástico adorna a parte superior das cavas e ao fundo do macacão, que desenha uma letra ‘A’ em posição invertida nas costas. As pistas de atletismo também são interpretadas nas laterais da cintura em cor terracota, com linhas brancas.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBETWITTERINSTAGRAMFACEBOOK E TIKTOK

Já o uniforme de delegação é composto por jaqueta e calça confeccionados nas cores dourada e azul. Na parte superior, os bolsos frontais são personalizados com estampas inspiradas no local onde Aída vivia com a família, em Niterói (RJ). No centro das costas, um bordado destaca a imagem da atleta saltando, símbolo do projeto. Enquanto isso, o peito conta com a estampa 22, considerado seu número da sorte. A jaqueta também possui um capuz estruturado, elaborado para não esconder o bordado das costas e mantendo as características de funcionalidade e praticidade dos vestuários esportivos.

Numa edição limitada, foram produzidas 20 peças exclusivas, que podem ser encontradas no site da Centauro. A receita gerada a partir das vendas será revertida para as 13 ONGs atendidas pela empresa, que possui um programa que tem o compromisso de apoiar organizações que fazem do esporte uma alavanca de inclusão educacional e social, em especial, para jovens e crianças em situação de vulnerabilidade.

Mais em Atletismo