Siga o OTD

Atletismo

Darlan Romani comemora um ano de marca histórica

Atleta do arremesso de peso se tornou recordista na Liga Diamante e sul-americano no mesmo dia

Darlan Romani, ouro no arremesso de peso nos Jogos Mundiais Militares
Darlan Romani bateu seu recorde pessoal quatro vezes no última dia de junho de 2019 (Rodolfo Vilela/Ministério da Cidadania)

Atleta do arremesso de peso, Darlan Romani (Pinheiros) comemorou nesta semana o aniversário de um ano de duas façanhas: o recorde da Liga Diamante e sul-americano da modalidade, obtido no Prefontaine Classic, disputado em 2019 na Universidade de Stanford, em Palo Alto, nos Estados Unidos.

Naquela competição, realizada no dia 30 de junho do ano passado, Darlan Romani quebrou o seu recorde pessoal da época, que era de 22 m, incríveis quatro vezes numa sequência de seis arremessos, conseguindo as seguintes marcas, pela ordem: 21,64 m, 21,92 m, 22,46 m, 22,55 m, 22,61 m e 22,37 m.

+ Tóquio supera cem casos de coronavírus pela 1ª vez após volta

“Foi um dia de alegria e de superação. Estava com dor havia duas semanas no posterior da coxa, e até́ o segundo arremesso pensei ‘hoje não vai dar’, mas no terceiro arremesso pensei ‘Deus eu treinei muito e não posso desistir por uma dor’. Então entrei com meus 200% e todo treino foi recompensado. Sou grato ao meu treinador Justo Navarro, equipe médica e apoiadores”, comemorou Darlan em suas redes sociais.

A marca de 22,61 m ficou em quarto lugar no Ranking Mundial de 2019 da World Atlhetics (ex-IAAF). Antes de Darlan, o recorde da prova na competição era de 22,60 m, estabelecido em Zurique, em 2018, pelo neozelandês Tom Walsh.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

2019 foi um ano pra ficar marcado na memória de Darlan Romani. Além dos recordes batidos, o atleta foi campeão brasileiro, sul-americano, pan-americano, mundial militar, vice-campeão da Liga de Diamante e terminou em quarto lugar no Mundial de Doha, sendo uma das estrelas da melhor prova de índice técnico da história da competição disputada pela primeira vez em 1983, em Helsique, na Finlândia. Pelo conjunto de resultados, o atleta foi eleito pelo segundo ano seguido o melhor representante do atletismo brasileiro pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil).

Mais em Atletismo