Siga o OTD

Canoagem Velocidade

Isaquias e Erlon conquistam o título Mundial no C2 500m

Guilherme Costa

Ao lado de Erlon Souza, Isaquias Queiroz conquista sua terceira medalha no Mundial de Canoagem, a segunda de ouro

Isaquias Queiroz e Erlon Souza sequer treinaram para a prova do C2 500m para o Mundial. Antes da final, eles sabiam do potencial do barco, mas resumiram a expectativa como “Vamos ver no que dá”. E deu muito certo. Neste domingo (26), último dia do Campeonato Mundial, Isaquias Queiroz e Erlon Souza ganharam a medalha de ouro na prova. Eles terminaram com o tempo de 1m40s043, mais de um segundo de vantagem sobre o barco russo, formado por Viktor Melanteve e Vladislav Chebotar, que terminou com 1m41s590. O bronze ficou com o time polonês

A prova do C2 500m não é disputada em Jogos Olímpicos, mas os principais nomes do c2 1000m (essa sim, olímpica), estiveram no Mundial também nos 500m. Os alemães, por exemplo, são os atuais bicampeões mundiais do C2 1000m.

“Caímos na água só cinco vezes juntos. Uma no Brasil, uma no aquecimento da eliminatórias, outro na eliminatória, depois o aquecimento da final e aí sim, a final. Só cinco vezes. E conseguimos essas medalhas, chegamos bem na frente dos alemães”, disse Isaquias.

Vale lembrar que, por estratégia do técnico Jesus Morlán, Erlon e Isaquias não remaram o C2 1000m, que seria a prova mais importante. O objetivo é poupar Isaquias para o ano que vem, já que é uma prova muito desgastante, e dar rodagem para Maico Nascimento. A dupla Erlon e Maico disputou o C2 1000m e terminou em 11º lugar.

” Quando o técnico deu instruções para gente, foi assustador. Ele falou que queria que colocássemos mais de um segundo de frente, mostrar serviço…Não era só ganhar (risos). Na minha mente vinha, poxa, como ia mostrar serviço sem ter treinado junto? Mas aí pensei que, se o Jesus pediu, a gente pode. Ele sabe do que a gente é capaz” – disse Erlon.

Neste Mundial, Isaquias já tinha sido campeão mundial do C1 500m, além de ter levado o bronze no C 1000m. Importante ressaltar que, apesar disso, o brasileiro dá muito mais valor ao resultados da prova mais longa, pelo fato desta ser disputada nos Jogos Olímpicos.

Agora, Isaquias chega a marca de dez pódios em Mundiais. Além dos três deste ano, são sete medalhas: No C1 500m ele foi campeão em 2013 e 2014. No c1 1000m, ele tem no currículo os bronzes em 2013 e 2017. No c2 1000m, foi campeão em 2015. No c1 200m foi bronze no Mundial de 2015. Ele ainda tem um pódio no C2 200m de 2014, quando foi bronze.

Erlon também chegou a uma marca importante. É seu terceiro pódio em Mundiais, já que foi bronze no C2 200m em 2014 e ouro no C2 1000m em 2015.

Brasil não vai bem nas provas longas

Nas finais das provas longas do Mundial de Canoagem Velocidade, o Brasil não conseguiu repetir os resultados das provas curtas. Ana Vergutz, no K1 5000m, acabou terminando na 10ª colocação, com o tempo de 25:02.549s, pouco mais de 1 minuto atrás da c primeira colocada, que foi a britânica Lizzie Broughton. Completaram o pódio a bielorrusa Maryna Litvinchuk e Jennifer Egan, da Irlanda.

Na prova masculino do K1 5000m e na feminina do c1 5000m, Vagner Souta e Vaidenice Nascimento acabaram não completando a final, terminando na 28º e 17º lugar, respectivamente,

Mais em Canoagem Velocidade