Siga o OTD

Rede Tênis Brasil - Bia Haddad

Tênis

Rede Tênis Brasil quer fomentar e democratizar a modalidade no país

Iniciativa conta com nomes como Bia Haddad e tem objetivo de levar o tênis às escolas públicas e investir no alto rendimento

(Divulgação)

Rede Tênis Brasil quer fomentar e democratizar a modalidade no país

O tênis, de maneira geral, sempre foi considerado um esporte de elite, com difícil acesso à modalidade. Mas esta realidade tem mudado nos últimos anos, graças a iniciativas privadas, como a Rede Tênis Brasil, criada em 2020, que busca fomentar e democratizar o esporte no país. Para isso, a instituição atua em duas frentes: na popularização do tênis, através de escolas públicas, e no investimento ao alto rendimento, com parcerias com atletas como Bia Haddad. 

“O tenista é um atleta solitário, faz tudo muito sozinho. Minha formação sempre foi pensada no que era melhor para mim e nunca pensei em estar inserida em um projeto desse porte. Nós juntos somos muito mais fortes e estamos fazendo o possível dentro do impossível, porque o Brasil é muito grande. A gente vê países pequenos com muitos atletas, centros enormes… E o que a gente está fazendo agora é para colher nos próximos anos, não só olhando para o tênis profissional, mas levando o tênis para pessoas que talvez nunca o conheceriam”, destacou Bia Haddad em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (25). 

+Bia Haddad perde na 3ª rodada e não fura o quali em Wimbledon

“É um sonho, não só meu, de ver o tênis crescendo, com mais oportunidades. A gente sabe que tem muita gente boa no Brasil, mas muitas vezes travado por não ter oportunidades condizentes com sua capacidade. A gente vê nosso alto rendimento sofrendo com estrutura e muitas vezes é desleal em relação a outros países. Então a gente vai lutando com as armas que têm e a ideia inicial é juntar forças, criar um sistema mais coeso, organizado, que possa dar uma estrutura melhor, um financiamento melhor. Nesse meu tempo todo como treinador, esse é o movimento mais sólido que vi acontecer no Brasil”, completou João Zwetsch, diretor-técnico da Rede Tênis Brasil e treinador de vários atletas, como Thiago Wild. 

Formando cidadãos 

Desde a criação do projeto, mais de 40 mil crianças já foram apresentadas ao tênis em escolas públicas. E hoje, a Rede Tênis Brasil está nas cinco regiões do Brasil, em oito estados mais o Distrito Federal. Além disso, a iniciativa busca capacitar professores e treinadores, além de sustentar academias e locais de treino. 

“Hoje, é difícil achar um lugar para jogar, o tênis ainda é caro…. Então nosso objetivo é basicamente ser o grande fomentador do tênis no Brasil. E aqui a gente fala de escola pública para crianças que nunca teriam acesso. A gente sabe que a porta de entrada é difícil e por isso também não temos tantos atletas. Esse é um dos pontos que poucas pessoas dão atenção, mas que é fundamental para reverter esse quadro que temos hoje. É fortalecer o ecossistema”, explicou Raphael Barone, diretor executivo da Rede Tênis Brasil.

Rede Tênis Brasil
João Lucas Reis e Matheus Pucinelli em clínica com crianças (Divulgação/RTB)

Mas mais do que formar tenistas, o objetivo é formar cidadãos. Por isso, os centros da Rede Tênis Brasil contam com acesso à internet e aulas gratuitas de inglês e, em breve, português e matemática. “Quando a gente leva o tênis, vemos o impacto em vários outros pontos da vida das crianças, na disciplina, por exemplo. Então a gente está oferecendo mais do que jogar tênis. Queremos formar tenistas, mas também cidadãos. Teremos tenistas, professores capacitados, mas universitários também. E nisso, você encontra os talentos. Essa é a nossa lógica”, completou. 

Por fim, o projeto pretende expandir ainda mais sua atuação nos próximos anos, especialmente com o retorno às aulas presenciais quando a situação sanitária do Brasil melhorar. E vai continuar investindo também no alto rendimento, como Bia Haddad, Marcelo Demoliner e Thiago Wild. Afinal de contas, eles promovem inspiração.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

“Se a gente não tiver atletas como a Bia, não adianta apresentar o tênis nas escolas. É preciso deixar legado. A gente vê vários países que estão na vanguarda e eles fazem isso, com muitos profissionais capacitados. E é isso que a gente quer fazer para mudar o cenário do tênis no Brasil”, finalizou Barone. 

Veja mais sobre o time RTB:

Mais em Tênis