Siga o OTD

Ítalo Ferreira Pipeline - Imagem: reprodução/WSL

Surfe

Sem dificuldades, brasileiros passam de fase em Pipeline

Ítalo Ferreira, Gabriel Medina e Filipe Toledo confirmaram favoritismo e passaram bem pela 1ª fase de Pipeline. Concorrentes ao título também avançaram.

Imagem: Reprodução/WSL

Sem dificuldades, brasileiros passam de fase em Pipeline

A corrida pelo título da World Surf League começou oficialmente nesta terça-feira (10) na Etapa de Pipeline, no Havaí. Os brasileiros Italo Ferreira, Gabriel Medina e Filipe Toledo disputam o campeonato com o sul-africano Jordy Smith e o norte-americano Kolohe Andino. No primeiro dia de disputas no Havaí, todos os cinco concorrentes passaram em suas baterias.

Filipe Toledo foi o primeiro brasileiro candidato ao título a cair na água na primeira fase. No confronto 3, o brasileiro nadou contra Deivid Silva, também do Brasil, e Ricardo Christie, da Nova Zelândia. Com a soma de 11.93 (ondas com notas 5.83 e 6.10), Filipe passou sobrando para a próxima etapa. Deivid Silva, com 6.07, passou em segundo, enquanto o neozelandês fez 4.10 e foi para a repescagem.

No quinto confronto da primeira fase, o bicampeão Gabriel Medina enfrentou o brasileiro Willian Cardoso e Imaikalani deVault, do Havaí,  e passou com facilidade. Com quatro ondas, o atual campeão do circuito fez 17.30 (melhores ondas de 8.50 e 8.80), contra 7.56 de Willian Cardoso. Com 6,10, Imaikalani não passou para a próxima fase.

Atual líder do ranking, Italo Ferreira, disputou a bateria seguinte contra o brasileiro Michael Rodrigues e o havaiano Billy Kemper, e acabou ficando em segundo lugar.  Apesar de ter conseguido duas ondas a mais, o brasileiro terminou com a pontuação de 10.67 (4.50 + 6.17) contra 15.63 de Billy Kemper, que conseguiu uma linda onda nota 9.40. Com apenas 5.69, Michael Rodrigues ficou em terceiro e irá disputar a rodada eliminatória.

+ INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE

Um dos concorrentes dos brasileiros para o título mundial, o norte-americano Kolohe Andino disputou a segunda bateria do dia contra o compatriota Griffin Colapinto e o brasileiro Jadson Andre. Com 7.27, Kolohe passou com facilidade para a próxima fase. O outro americano também passou com 4.34, enquanto o brasileiro Jadson acabou ficando na repescagem, com 3.33.

O sul-africano Jordy Smith, que também concorre ao título, disputou o confronto 4 contra Peterson Crisanto, do Brasil, e Frederico Morais, de Portugal. Por pouco, Crisanto venceu a bateria com a pontuação de 7.36, contra 7.33 do sul-africano. Os dois avançaram, enquanto o português ficou na repescagem.

Outros brasileiros também disputaram a primeira fase da Etapa de Pipeline, no Havaí. Jesse Mendes ficou em segundo no confronto 8, com 7.33, e passou para a próxima fase. Com 15 pontos, Caio Ibelli terminou a disputa da bateria 9 também na segunda posição e se classificou. Yago Dora fez apenas 1.90 na última bateria, ficou em terceiro e acabou indo para a fase eliminatória. Na repescagem, no entanto, Yago conseguiu superar Ricardo Christie, da Nova Zelândia, e Jeremy Flores, da França, e avançou para a próxima fase.

Briga pelo título

Os brasileiros vêm dominando o circuito mundial nos últimos anos e chegam no Billabong Pipe Masters, com três surfistas entre os cinco únicos concorrentes ao título.

O potiguar Ítalo Ferreira lidera o ranking e tenta conquistar seu primeiro troféu de melhor do mundo. Gabriel Medina busca o tricampeonato e está em segundo, com Filipe Toledo em quarto lugar. O terceiro é o sul-africano Jordy Smith e Kolohe Andino está em quinto, com chances bem remotas. A batalha principal será mesmo entre os brasileiros.

A diferença de pontos entre os quatro primeiros colocados é bem pequena, não chega a 2.000 pontos. Ítalo Ferreira está na frente com 51.070, seguido por Gabriel Medina com 50.005, Jordy Smith com 49.985 e Filipe Toledo com 49.145. Kolohe Andino é o quinto com 44.665. Para ultrapassar a pontuação atual do potiguar, Medina e Filipe precisam chegar nas oitavas de final e Jordy nas quartas de final, enquanto Kolohe já necessita ser finalista do Billabong Pipe Masters para isso.

Os três brasileiros e o californiano, têm 1.330 pontos de um 17.o lugar para trocar nesta última etapa. Já o descarte do sul-africano é maior, 3.320 pontos de um nono lugar. Se Ítalo Ferreira passar duas baterias, troca os pontos da terceira fase por 3.320 e atinge 53.060 no ranking. Medina segue na disputa fase a fase e supera o potiguar se passar para as quartas. Filipe terá que chegar nas semifinais, Jordy na grande final e Kolohe somente com a vitória.

Ítalo entrou na elite do CT em 2015 e, em quatro participações no Billabong Pipe Masters, só passou da terceira fase uma vez, em 2017, quando ficou em quinto lugar nas quartas de final. Se repetir esta sua melhor atuação nos tubos de Pipeline, Kolohe sai da briga e Medina terá que chegar nas semifinais, para ultrapassar os 54.485 pontos que o potiguar passaria a somar. Filipe já precisaria ser finalista pela primeira vez em Pipeline e Jordy da vitória.

Caso Ítalo Ferreira consiga seu melhor desempenho no Havaí, avançando para as semifinais, Medina terá que chegar na final para conseguir o tricampeonato e Filipe e Jordy necessitarão da vitória para superar os 55.825 pontos do líder. E se chegar na grande final, o potiguar só não festejará seu primeiro título mundial se a decisão for brasileira, entre ele e Gabriel Medina, ou Filipe Toledo. Aí, o vencedor do Pipe Masters será o campeão mundial de 2019.

OLIMPÍADAS 2020 

Além da briga pelo título, os três também estarão disputando em Pipeline, as duas vagas do Brasil para a estreia do surfe nos Jogos Olímpicos de Tokyo 2020. O ranking da World Surf League indica dez surfistas, limitado a dois por país. Os dois que ficarem na frente, se classificam para disputar medalhas para o Brasil no Japão.

Mais em Surfe