Siga o OTD

Paralímpicos

Tinder, preconceito e parceria: o amor de Edênia e Bia

Estrela da natação paralímpica conheceu sua namorada no Tinder e há quase seis meses tem uma parceira de vida e de boas risadas

Edênia Garcia - Bia - Natação Paralímpica - Dia dos Namorados - Cadeirante
Edênia, Bia e o novo cachorro, Bento (Instagram/edeniagarciaoficial)

“A gente se conheceu no Tinder. Rindo de nervoso”. Foi assim que Edênia Garcia, da natação paralímpica, iniciou a entrevista com o Olimpíada Todo Dia. E de uma conversa despretensiosa no aplicativo de relacionamento, nasceu um amor verdadeiro. Edênia e Bia Ribeiro são aquele clichê de opostos que se atraem. Diferentes, mas com muito em comum. E há pouco mais de cinco meses, elas dividem oficialmente a vida. Com muitas risadas, bom-humor, mas também muito apoio e compreensão. 

“Estava no Tinder há muito tempo, de bobeira, e fazia muito tempo que eu não saía com ninguém. E aí eu estava em um domingo, assistindo a uma série… Mas sabe aquele momento que você dá uma paradinha, pega o celular e vai dar umas curtidas no Tinder? E eu acabei curtindo a Edênia e ela estava no mesmo momento usando o Tinder e também me curtiu. E aí deu ‘match’. Na mesma hora, ela veio perguntar como estava meu domingo. E desse dia em diante, a gente não parou mais de se falar. Foi muito louco, a gente tinha muito assunto”, relembra Bia, de 25 anos.

Por coincidência do destino ou não, Bia trabalha com design de experiência do usuário (UX Design) e precisa lidar com frequência com o tema acessibilidade. E sem saber quem era de fato Edênia, o assunto surgiu na conversa. “Começamos falando de acessibilidade, mas ela não me contou quem era, ficou fazendo suspense (risos). E ela sempre me perguntava, até cobrava, por que eu falava tanto de acessibilidade, achando que era só para agradar ela”. 

“A gente tinha muita coisa em comum. Eu falei que queria fazer uma tatuagem da deusa Atena e ela já estava com o esboço pronto e horário marcado no tatuador para fazer a mesma tatuagem”, completou Edênia, de 33 anos. 

O(s) pedido(s) de namoro

“Essa é tensa”, dispara Edênia gargalhando. Isso porque não foi um pedido de namoro, foram dois. O primeiro foi a atleta da natação paralímpica que fez, mas foi rejeitado. Dias  depois, foi a vez de Bia. E dessa vez, deu certo. 

“No final do ano passado, eu passei por alguns episódios complicados na minha vida pessoal, tive que viajar para visitar minha mãe algumas vezes… Então digamos que eu não estava em um bom momento. E a gente já estava se curtindo há um tempo, se vendo todo fim de semana. Chegou um domingo, depois que eu voltei de viagem, a gente estava na cama e a Edênia jogou no ar: ‘quer namorar comigo?’”

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

“Ela ficou engasgada e eu respondi por ela: ‘quer não né?! pode falar não, não tem problema’”, interrompe Edênia aos risos. “Aí eu falei que eu não sabia, que eu estava passando por muita coisa.  Me senti meio pressionada em ter um relacionamento bem naquele momento e acabei não aceitando nesse dia”, completou Bia.

Elas, no entanto, continuaram se vendo com frequência como antes e combinaram de passar o fim de ano juntas. No dia 27 de dezembro do ano passado, ela iriam jantar juntas, mas Bia acabou passando mal. Edênia foi até a casa dela, esperando-a voltar do trabalho. E eis que Bia chega com flores, bombons e pede Edênia em namoro. “Eu falei que sim né?! Porque é feio falar que não! (risos) Brincadeira, eu fiquei toda emocionada e aí começamos a namorar de vez”. 

Ver essa foto no Instagram

eu disse sim 🙈👭 @biiart

Uma publicação compartilhada por Edênia Garcia 🏳️‍🌈 (@edeniagarciaoficial) em

Preconceito velado

Edênia Garcia é cadeirante. Bia Ribeiro não. Para elas, no entanto, isso nunca passou nem perto de ser um problema. O mesmo não pode ser sempre dito sobre as outras pessoas. 

“É muito comum quando você está conversando, surge o assunto namorados e eu conto que minha namorada é cadeirante. Aí pronto. Vem aquela famosa frase: ‘nossa que legal! E como é?’… Como se fosse algo de outro mundo. Eu até entendo, porque tem gente que não tem contato com deficientes, que isso pode ser curioso para alguns. Mas a forma como as pessoas se expressavam quando eu falava que a Edênia é cadeirante era sempre bem chata”, lamentou Bia.

+Unidos pelo esporte, Duda e Rogério dividem quadra e vida

“Por que é tão legal? Por que é tão diferente por ela ser cadeirante? Ela é um ser humano, uma mulher e para mim não tem nada de diferente. Óbvio que é uma adaptação, mas para mim não é um problema. E as pessoas falam como se tipo, nossa a cadeirante conseguiu alguém sabe?! Eu entendia assim, como se ela não merecesse ter alguém e eu ficava muito irritada”.

“É aquele olhar de coitadinho que as pessoas têm com quem tem deficiência. A mulher com deficiência vive na invisibilidade. Ninguém fala, toca no assunto da sexualidade para quem é deficiente. Então é isso, um pouco de curiosidade… A gente nunca passou por nada estando juntas, mas existe sim um preconceito velado”, acrescentou a atleta da natação paralímpica. 

Uma troca diária

No final deste mês, Edênia Garcia e Bia completam seis meses de namoro. Seis meses de companheirismo, boas risadas e também muito aprendizado. E em clima romântico, na semana do dia dos namorados, nada melhor do que trocar elogios sobre a pessoa amada. 

“A Edênia apareceu na minha vida como um anjo da guarda, para me ensinar muitas lições. E não lições porque ela é deficiente e supera as coisas, mas pela inteligência dela como mulher. Ela pegou um momento muito turbulento da minha vida, quando eu perdi minha avó, minha vida mudou de uma hora para outra e ela sempre esteve nesses momentos comigo. Ela é uma mulher excepcional e me ajuda a realmente a encarar e solucionar os problemas. A Edênia veio me mostrar que existem outros lados da Bia que eu não sabia que existiam. Ela me faz muito bem. A gente conversa muito sobre tudo e eu aprendo cada vez mais com ela. Como pessoa, como mulher, como ser humano. É uma troca diária”. 

“Somos duas pessoas totalmente diferentes, mas em alguns pontos muito semelhantes. É um amor maduro, com muitas conversas. Eu aprendi em uma fase da minha vida que o amor pode machucar, que a gente pode confundir algo abusivo com amor… E a Bia veio para me mostrar uma nova faceta do que é amar. Um relacionamento leve e livre”. 

Edênia Garcia - Bia - Dia dos Namorados - Natação Paralímpica
Edênia e Bia terão noite do fondue no dia dos namorados (Arquivo Pessoal)

Mais em Paralímpicos