Siga o OTD

Tisbe Andrade

Natação

Meeting em Curitiba proporciona “recomeço” para Tisbe Andrade

Medalhista no Parapan de Lima 2019, Tisbe Andrade retomou às competições no meeting de Curitiba nesta segunda

(Ale Cabral / CPB)

Meeting em Curitiba proporciona “recomeço” para Tisbe Andrade

O Meeting de Curitiba (PR), realizado nesta segunda-feira (11), na Universidade Positivo, pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), possibilitou tanto atletas já medalhistas em importantes competições como os Jogos Parapan-Americanos quanto participantes com deficiência do Estado do Paraná e região pudessem novamente disputar uma competição oficial desde a pandemia e buscarem um “recomeço” em suas carreiras. Entre as atletas que se beneficiaram nesse sentido está Tisbe Andrade.

Na capital paranaense, a nadadora da classe S5 foi uma das atletas que o Meeting foi importante para este recomeço. Medalhista de bronze nos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019 e atual recordista nacional nos 50m costas, a atleta gaúcha radicada em Curitiba ficou afastada das competições oficiais desde o começo da pandemia e demonstrou a importância da disputa regional para o seu retorno.

+ Paraequestre, convencional e Dior, a jornada tripla de Riskalla rumo a Paris  

“É uma sensação muito boa de voltar a competir e ter a noção de como estamos [fisicamente]. Foram quase dois sem competir, essa é a minha primeira competição desde a pandemia. Para mim, foi uma quebra de gelo, é como se fosse a primeira competição da vida de novo. Ainda não estou no meu ideal, mas é muito bom poder voltar. Agora o foco é o Meeting São Paulo”, afirmou Tisbe Andrade, que nasceu com artrogripose múltipla congênita, uma doença que afeta as articulações.

Meeting de Curitiba
Nadadora conquistou o bronze no Parapan de Lima (Arquivo Pessoal)

“A medalha do Parapan foi uma grande realização, mas eu ainda tenho o sonho de um Jogos Paralímpicos. Estou treinando muito para estar em Paris 2024, e essas competições fazem parte de todo o processo. É muito importante ter esse retorno, para medir como estão indo os treinamentos”, completou a nadadora de 23 anos.

Já para o lançador e arremessador Trajano Ferreira Caldas Neto, da classe F11 (para atletas com deficiência visual), a possiblidade de disputar uma competição oficial do paradesporto na sua região vai além dos resultados do campo.

“É uma ótima oportunidade para a gente, foram quase dois anos parado. Estávamos sempre acostumados a competir. Estamos animados com a volta das competições e, com certeza, a autoestima dos atletas vai se elevar bastante com isso”, apontou o atleta de 35 anos de Guarapuava e radicado em Ponta Grossa.

No Meeting de Curitiba, foram cerca de 70 atletas com deficiência que participaram das provas de atletismo e outros 80 que disputaram as provas de natação.

+RECEBA NOTÍCIAS NO NOSSO CANAL NO TELEGRAM OU PARTICIPE DO NOSSO GRUPO DO WHATSAPP

Entre eles, estavam presentes os medalhistas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio Eric Tobera, da classe S4 (para atletas com limitações físico-motoras), que ganhou a medalha de bronze na prova de revezamento 4×50 livre misto – 20 pontos, além das gêmeas Beatriz Carneiro (S14, para atletas com deficiência intelectual), bronze na prova dos 100m peito, e Débora Carneiro, que também faturou o terceiro lugar no pódio no revezamento 4x100m misto S14.

“Estou muito orgulhoso de poder estar aqui em Curitiba podendo motivar outras pessoas com deficiência iguais a minha ou não”, apontou Eric Tobera, de Telêmaco Borba (PR), nadador com paralisia cerebral.

A etapa de Curitiba foi a terceira do Meeting Loterias Caixa. Anteriormente, já havia sido realizada nas cidades de Porto Alegre (RS) e Florianópolis (SC). A próxima será no Rio de Janeiro no sábado, 16 de outubro. Até dezembro, 16 cidades brasileiras receberão ao menos uma etapa do evento com provas de atletismo, halterofilismo e/ou natação.

Mais em Natação