Siga o OTD

Paralimpíada Todo Dia

Natação salva Joana da depressão e a leva ao ouro em Lima

Após ser salva da depressão pela natação, Joana Silva ganha ouro no Parapan e faz homenagem ao pai, que morreu ano passado

Enriqe Cuneo / Lima 2019

A natação do Brasil voltou a dar show nos Jogos Parapan-Americanos de Lima. Foram 15 medalhas conquistadas (5 ouros, 7 pratas e 3 bronzes), mas a mais emocionante foi ganha por Joana Jaciara. A nadadora potiguar de 32 anos subiu ao lugar mais alto do pódio e fez uma homenagem ao pai dela, falecido há 11 meses. Segundo a atleta, foi graças à natação que ela conseguiu se livrar da depressão causada pela perda do parente. A recompensa veio em forma de medalha de ouro.

“É como seu eu tivesse ganho uma medalha numa paralimpíada. Eu tenho vindo de uma fase não muito fácil. Essa medalha foi para o meu pai. Eu perdi ele há 11 meses e isso é bem difícil. Eu não consegui viver o luto que eu tinha que viver porque eu tive que encarar de frente. Eu comecei a ter uma depressão e o esporte está me resgatando, não está me deixando afundar. Graças ao esporte e à minha força de vontade que eu estou conseguindo voltar a ser a Joana de antes”, disse a atleta, bastante emocionada, ao final dos 50m livre S5.

Joana Jaciara fez dobradinha com a compatriota Patrícia dos Santos, que ficou com a medalha de bronze na prova. Para vencer, a atleta do Rio Grande do Norte quebrou o recorde dos Jogos Parapan-americanos ao marcar 38s05. “Antes de eu subir no bloco, eu levantei a minha mão para o céu e falei: ‘pai, essa é para o senhor’. Foi o que me deu força”, conta a nadadora, que Joana tem acondroplasia, nanismo desproporcional, causado por mutações genéticas, e começou a praticar natação aos 10 anos por recomendação médica.

Joana Jaciara não foi a única a fazer uma homenagem à família nesta segunda-feira. Ruiter Gonçalves, que liderou o pódio dos 50m S9, que contou também com João Drumond (prata) e Vanílton Nascimento (bronze), nadou com um cavanhaque por causa do avô, falecido há quatro meses. “Eu perdi meu avô em abril e eu falei que ia nadar de cavanhaque em homenagem a ele e a primeira medalha de ouro que eu ganhasse ia ser para ele”, contou o nadador, que tem  má-formação congênita na mão esquerda.

Laços de família também impulsionaram Mateus Rheine à medalha de ouro. O atleta de Brusque (SC), que tem deficiência visual por causa de uma doença chamada retinopatia da prematuridade, revelou que, durante os 400m livre S11, ele ouvia os gritos de incentivo da esposa Andreia, que estava na arquibancada. O apoio fez a diferença para que ele terminasse apenas 29 centésimos a frente do compatriota Wendell Belarmino, que terminou em segundo.

“Nos últimos 50m, eu já vivenciei outras vezes na vida, que é sentir alguém nadando lado a lado e a água batendo e espirrando. Só que ali com a torcida incrível, impressionante… Tenho certeza que minha esposa está já há alguns dias sem dormir de tanta ansiedade também… Eu ouvi ela gritando um monte de coisa e falei: ‘agora eu tenho que fazer todo o mecanismo funcionar, tenho que mover a montanha, tenho que fazer alguma coisa a mais para dar certo e graças a Deus o resultado foi muito positivo”, comemorou.

A festa de vitórias brasileiras no centro aquático de Videna nesta segunda teve também a 29ª. medalha de ouro da carreira de Daniel Dias em Jogos Parapan-americanos, a segunda dele em Lima. Desta vez, a vitória foi nos 50m livre S5.

Das cinco medalhas de ouro conquistadas pelo Brasil nesta segunda-feira, quatro foram de noite, a única que foi ganha na sessão da manhã foi nos 200m medley SM10, prova vencida por Phelipe Rodrigues.

Confira todas as medalhas do Brasil nesta segunda-feira na natação!

Ouro

Daniel Dias – 50m livre S5

Phelipe Rodrigues – 200m medley SM10

Ruiter Gonçalves – 50m livre S9

Joana Jaciara – 50m livre S5

Matheus Rheine – 400m livre S11

Prata

Gabriel dos Santos – 200m livre masculino S2

João Drumond –  50m livre S9

Felipe Caltran – 200m livre masculino S14

Ana Karolina Soares de Oliveira – 200m livre feminino S14

Wendell Belarmino – 400m livre S11

Guilherme Batista Silva – 100m peito SB13

Patrícia Santos – 50m livre S5

Bronze

Bruno Becker – 200m livre masculino S2

Vanílton Nascimento –  50m livre S9

Beatriz Carneiro – 200m livre feminino S14

 

APOIE O OLIMPÍADA TODO DIA

Desde setembro de 2016, o Olimpíada Todo Dia não deixa você ter saudade dos Jogos nunca. É o único veículo de comunicação que todos os dias traz a trajetória dos atletas olímpicos e paralímpicos, combatendo a monocultura do futebol e na busca de ajudar a mudar a cultura esportiva do Brasil. Gosta do nosso trabalho? Nos apoie! Faça um pix para [email protected]

Outra alternativa para nos apoiar é usando o cupom OTD em compras na Centauro. Com o cupom, você ganha 10% de desconto na compra de equipamentos esportivos e parte do valor será revertido para o Olimpíada Todo Dia. Vale lembrar que os descontos não são cumulativos. Se alguma peça já estiver em oferta, você não conseguirá aumentar o desconto, mas se colocar o cupom OTD, parte do valor vai ajudar o portal do mesmo jeito. Você pode comprar também pela vitrine do OTD no site das Centauro.

Fundador e diretor de conteúdo do Olimpíada Todo Dia

Mais em Paralimpíada Todo Dia