Siga o OTD

Laguna Olímpico

Viktor Saneyev foi a pedra na sapatilha dos brasileiros no triplo

Único tricampeão olímpico no salto triplo, o ex-atleta representou a União Soviética na conquista do ouro nos Jogos de 1968, 1972 e 1976

Viktor Saneyev salto triplo
Viktor Saneyev em ação pela extinta União Soviética nos Jogos de Montreal-1976, quando conquistou seu terceiro ouro no triplo (Reprodução/Mark Shearman)

A tradição do Brasil na prova do salto triplo, iniciada por Adhemar Ferreira da Silva e seguida por João do Pulo, Nelson Prudêncio e Jadel Gregório, poderia ser ainda mais brilhante de não fosse um homem: Viktor Saneyev. O georgiano, que sob a bandeira da extinta União Soviética levou a medalha de ouros nos Jogos da Cidade do México-1968, Munique-1972 e Montreal-1976, teve sua morte anunciada nesta segunda-feira (3), em Sydney, na Austrália, aos 76 anos, onde vivia desde os anos 1990. A causa da morte não foi divulgada.

Não é exagero apontar que o talento de Saneyev impediu pelo menos mais duas medalhas de ouro olímpicas para o Brasil no salto triplo. A primeira delas, em 1968, de forma dramática, em uma histórica disputa travada com Nelson Prudêncio.

Nos Jogos da Cidade do México, a batalha no triplo foi insana, com direito a ter o recorde mundial da prova quebrado nada menos do que cinco vezes. Duas delas pelo próprio Viktor Saneyev, que após ser superado por Prudêncio na quarta tentativa (17,27 m, que era então o recorde da prova), marcou incríveis 17,39m e levou o seu primeiro ouro.

Em Munique-1972, Nelson Prudêncio até que tentou, mas tendo como melhor marca 17,05 m, teve que se contentar com o bronze. Saneyev travou uma disputa particular com o alemão-oriental Jorg Drehmel, mas graças a um salto de 17,35 m (e no limite do vento a favor de + 2.2 m/s), superou o rival por uma diferença de quatro centímetros, levando o bicampeonato olímpico.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Siga

O terceiro ouro de Viktor Saneyev no salto triplo aconteceu em Montreal-1976. Foi seu primeiro duelo em Jogos Olímpicos com o brasileiro João Carlos de Oliveira, o João do Pulo, que um ano antes assombrou o mundo ao cravar o recorde mundial com 17,89 m, nos Jogos Pan-Americanos da Cidade do México-1975.

O problema é que nos Jogos de 1976, o brasileiro não estava em sua melhor forma. Em cinco saltos válidos (queimou o primeiro), nem chegou perto da marca do recorde e ficou com o bronze, com 16,90 m. Já Saneyev desta vez sofreu para subir no ponto mais alto do pódio. Apenas no penúltimo salto obteve a marca que lhe deu o terceiro ouro olímpico, 17,29 m, superando o americano James Butts, que levou a prata.

Quis o destino que Viktor Saneyev visse escapar a chance de tornar-se tetracampeão olímpico justamente em casa, na Olimpíada de Moscou-1980. Aos 35 anos e sofrendo com lesões, ele ficou com a medalha de prata, perdendo o ouro para o compatriota Jaak Uudmae, enquanto novamente João do Pulo levou a medalha de bronze.

Resultado contestado

Só que ainda hoje há quem conteste este resultado. Até sua morte, em 1999, João alegou ter sido claramente prejudicado pelos árbitros soviéticos, que anularam quatro de seus seis saltos. No último deles, possivelmente um salto para além de 18 metros, que seria novo recorde mundial e ouro certo nas mãos do brasileiro.

Sem ajuda de tecnologia na época, os árbitros apenas alegavam irregularidades e logo limpavam a caixa de areia, impedindo qualquer outra forma de protesto. Anos depois, o treinador de Uudmae revelou que se encontrou com João do Pulo na Paralimpíada de Barcelona e disse que o brasileiro foi mesmo prejudicado nos Jogos de Moscou.

Além das quatro medalhas olímpicas, Viktor Saneyev conquistou ainda duas vezes o título europeu do triplo, em Atenas (1969) e Roma (1974). Ele foi ainda seis vezes campeão europeu indoor. Ao longo da carreira, ultrapassou 60 vezes a marca de 17 metros na prova.

Após sua aposentadoria nas pistas, mudou-se com a família para a Austrália, onde trabalhou como técnico de atletismo. Chegou a perder o emprego, passou por dificuldades financeiras e até cogitou vender suas medlahas olímpicas. Mas conseguiu um cargo de professor de educação física e depois técnico de saltos no Instituto do Esporte de Nova Gales do Sul.

Clique no link e seja você também um apoiador do blog. Ajude a combater a monocultura esportiva no Brasil

APOIE O OLIMPÍADA TODO DIA

Desde setembro de 2016, o Olimpíada Todo Dia não deixa você ter saudade dos Jogos nunca. É o único veículo de comunicação que todos os dias traz a trajetória dos atletas olímpicos e paralímpicos, combatendo a monocultura do futebol e na busca de ajudar a mudar a cultura esportiva do Brasil. Gosta do nosso trabalho? Nos apoie! Faça um pix para [email protected]

Outra alternativa para nos apoiar é usando o cupom OTD em compras na Centauro. Com o cupom, você ganha 10% de desconto na compra de equipamentos esportivos e parte do valor será revertido para o Olimpíada Todo Dia. Vale lembrar que os descontos não são cumulativos. Se alguma peça já estiver em oferta, você não conseguirá aumentar o desconto, mas se colocar o cupom OTD, parte do valor vai ajudar o portal do mesmo jeito. Você pode comprar também pela vitrine do OTD no site das Centauro.

Mais em Laguna Olímpico