Siga o OTD

Americup feminina de basquete

Basquete

Jovens e o banco são forças do Brasil na fase final da Americup feminina

Com destaque para Kamilla Cardoso e a pontuação do banco de reservas, seleção brasileira chega com força para a fase final da Americup feminina

FIBA

Jovens e o banco são forças do Brasil na fase final da Americup feminina

A fase de classificação da Americup feminina de basquete se encerrou nesta terça-feira (15) e o Brasil chega forte para a fase mata mata da competição. Com bom aproveitamento de jogadoras mais jovens e com o banco de reservas contribuindo bem em todas as partidas, a equipe de José Neto chega forte em busca de uma das vagas no pré-Mundial de 2022.

-Tabela da AmeriCup de basquete feminino 2021

Após um período de preparação no interior de São Paulo, a seleção brasileira chegou para Porto Rico com quase toda sua força máxima. Para a disputa da Americup feminina de basquete, o Brasil não pode contar com Damiris, que está na WNBA, Isabela Ramona, por conta de uma lesão no joelho, e Nádia Colhado, que pediu dispensa por conta de um problema familiar grave. Com isso, a alternativa foi rejuvenescer o time e tornar a equipe mais “estrangeira”.

Das 12 jogadoras que estão em Porto Rico para a competição, seis estiveram atuando fora do país em algum momento da temporada. Além disso, mesmo contando com nomes conhecidos como Erika Souza, Clarissa, Débora Costa e Tainá Paixão, a seleção brasileira na Americup feminina de basquete conta com Kamilla Cardoso, destaque da NCAA na última temporada, Nanny Carvalho, ambas em sua primeira competição com a equipe principal.

FIBA

Desta forma, a equipe de José Neto acabou ganhando mais corpo e os números mostram isso. Nos quatro jogos da primeira fase, mais de 42% dos pontos feitos pela seleção brasileira na Americup vieram do banco de reservas. Além disso, Kamilla Cardoso vem mostrando que a temporada na NCAA não aconteceu do nada. Nas quatro primeiras partidas de sua carreira com a camisa da seleção, a pivô teve médias de mais de 11 pontos e mais de oito rebotes, com direito a dois duplos duplos.

-‘É indescritível’, diz Thayná Silva sobre estreia na seleção após 2 anos parada

“Precisamos ter um grupo. Não vamos ganhar nenhum jogo ou competição com apenas cinco jogadoras. Preciso delas e elas sabem disso. Não importa a idade, elas vão ter oportunidade e estão correspondendo muito bem”, comentou o técnico José Neto.

Como será o mata mata

Com três vitórias em quatro partidas, o Brasil avançou para as quartas de final como segundo colocado do grupo e terá a Venezuela como adversária pela vaga na semifinal da Americup feminina de basquete. Primeiro colocado na chave com a seleção brasileira, o Canadá medirá forças com a República Dominicana.

No outro grupo, os Estados Unidos, que está com um time com atletas colegiais e terminou a primeira fase invicta, terá as Ilhas Virgens como oponente nas quartas de final. Já Porto Rico, que está disputando a Americup feminina de basquete em casa, enfrentará a Colômbia por uma das vagas na semifinal. Todas as partidas pelas quartas de final da Americup feminina de basquete acontecem nesta quinta-feira (17).

Divulgação FIBA

Covid-19 marcou presença

A Covid-19 marcou presença na Americup feminina de basquete. Mesmo com o protocolo da FIBA rígido, obrigando isolamento e exames PCR em todos os participantes, o coronavírus acabou eliminando a Argentina. Com cinco três atletas excluídas da competição antes dela começar e mais duas depois da primeira partida, a seleção argentina acabou sendo excluída do torneio nesta terça-feira.

Formato de disputa da Americup de basquete feminino

As seleções são divididas em dois grupos, com o Brasil no Grupo A ao lado de Canadá, Ilhas Virgens, Colômbia e El Salvador. O Grupo B tem Porto Rico, Argentina, Estados Unidos, República Dominicana e Venezuela. Os quatro primeiros de cada grupo vão às quartas, com o duelo de 1A x 4B, 2A x 3B, 3A x 2B e 4A x 1B. Os vencedores vão às semifinais e garantem vaga no Pré-Mundial.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

O Pré-Mundial será disputado no mesmo formato do Pré-Olímpico feminino de basquete. Quatro grupos de quatro seleções em quatro cidades diferentes, que ainda serão definidas. Com todos jogando contra todos na mesma chave, os três primeiros se garantem no Mundial de 2022.

Mais em Basquete