Siga o OTD

Drone no quarto e ritual com travesseiro: causos de Petrúcio

Atletismo

Drone no quarto e ritual com travesseiro: causos de Petrúcio

Prepare-se para chorar de rir, porque além de paratleta mais rápido do mundo, Petrúcio Ferreira é bom de resenha

Além de homem mais rápido do atletismo paralímpico mundial, Petrúcio Ferreira é bom de resenha. Durante uma live no Instagram do Olimpíada Todo Dia, o paraibano contou alguns causos que aconteceram em viagens da seleção brasileira.

Drone dentro do quarto

Em um camping de atletismo na Alemanha, Petrúcio Ferreira passou em um mercado e comprou um drone. Ansioso para testar seu novo brinquedo, o paraibano não esperou o treino do dia seguinte e resolveu utilizar o objeto dentro do quarto do hotel em que estava hospedado. Para colocar o plano em prática, contou com a ajuda de Daniel Martins, Fábio Bordignon e Jair Henrique.

“A gente baixou o aplicativo no celular para brincar com o drone, estudou no YouTube e colocou ele em cima da cama. Fabinho começou a mexer e disse: ‘vamos colocar para voar aqui dentro mesmo’. Eu vi que ele programou o drone para subir uma altura de 30 metros e a partir disso que ele começava a controlar. Quando ele calculou isso, eu olhei e pensei: ‘O quarto não tem nem 30 metros, vai dar errado’. Ele ligou e o drone enganchou direto no teto”, contou.

https://www.instagram.com/p/B40emPNgnlB/

O drone começou a arranhar o teto e assustar o quarteto. Daniel Martins correu para se esconder dentro do armário, enquanto Jair Henrique se protegeu no banheiro. Coube a Petrúcio Ferreira e Fábio Bordignon resolver o problema que tinham criado.

“Eu o Fabinho tentamos salvar o drone de alguma forma. Nisso o Fabinho agarrou a perna do drone e ficou gritando para mim: ‘Desliga o drone, desliga’. Mas para desligar precisava colocar uma marchinha que ele tinha para baixo. Em vez de fazer isso, eu fiquei mexendo para todos os lados e o Fabinho tentando segurar o drone de um lado para o outro em cima da cama. Até que o Fabinho desligou o drone apertando um botão que estava atrás dele mesmo. A gente desligou o drone e nem tentamos ligar mais”, contou sem segurar as risadas.

O destino drone

Após quebrar o apoio de largada de Petrúcio Ferreira e quase acabar com um lustre e uma televisão do hotel, além de arranhar todo o teto do quarto, o drone não sofreu maiores danos e agora está em São José do Brejo do Cruz, cidade em que o paraibano nasceu e está passando a quarentena com seus pais.

“O drone sobreviveu e esses dias estava tirando rasante aqui em uma represa perto de casa. Ele quase morreu afogado, mas ficou tudo bem”, brincou.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Ritual com travesseiros

Petrúcio Ferreira ainda revelou uma tradição de parte da equipe de atletismo paralímpico. Antes de determinadas provas, alguns atletas, pela manhã, se juntam para dar ‘boa sorte’ a um companheiro. O velocista entregou que Thalita Simplício e Verônica Hipólito participam da brincadeira.

“A gente brinca que tem um ritual em algumas competições grandes. Quando o cara vai competir, tem que tomar uma surra de travesseiro para acordar mais rápido”, disse Petrúcio.

Pão com mortadela na Alemanha

Durante a live, Daniel Martins, parceiro de quarto de Petrúcio Ferreira na maioria das viagens, pediu para que o paraibano contasse a história do ‘pão com mortadela’.

“A gente estava na Alemanha. O Daniel olhou para mim e perguntou se tinha algum lanche no quarto, porque ele estava com fome. Mas não tinha. Então falei para ligarmos na recepção. Aí eu perguntei: ‘Você sabe falar inglês’. ‘Não’. ‘Eu também não’. Falei para ele ligar lá e dizer apenas ‘pão com mortadela’. Achei que iam entender. Ligamos na recepção, falaram um monte de coisa e o Daniel só dizendo ‘quero pão com mortadela’”, contou.

No fim, a tentativa da dupla não deu certo e eles tiveram que se contentar com bolachas e café dados por um companheiro da delegação brasileira.

Mais em Atletismo