Siga o OTD

Pan 2019

Alison Brendom, de 19 anos, é ouro nos 400m com barreiras

Com apenas 19 anos, Alison Brendom dos Santos quebra jejum de duas décadas do Brasil nos 400m com barreiras dos Jogos Pan-Americanos

O garoto Alison Brendom dos Santos, de apenas 19 anos, mostrou mais uma vez porque é uma das principais esperanças do atletismo brasileiro. Com a marca de 48s45, a melhor de sua vida, o brasileiro conseguiu o quarto melhor tempo do mundo em 2019 para conquistar a medalha de ouro nos 400m com barreiras dos Jogos Pan-Americanos.

A evolução dos tempos de Alison Brendon dos Santos impressiona. Ele terminou 2018 com 48s78 como recorde pessoal, mas ele já superou esta marca quatro vezes em 2019. Em abril, venceu o GP Brasil com 48s84. Em julho, foi medalha de ouro na Universíade com 48s57. Dez dias depois, ganhou o Pan-Americano Sub-20 com 48s59, marca que ele baixou em 14 centésimos para subir ao lugar mais alto do pódio nesta quinta-feira em Lima.

O final dos 400m com barreiras dos Jogos Pan-Americanos foi emocionante. Alison Brendom entrou nos 100m finais lado a lado com o dominicano Juander Aquino. O brasileiro parecia mais inteiro e o adversário, tentando se manter na briga, acabou tropeçando na última barreira e terminou a prova em último lugar. Amere Lattin, dos Estados Unidos, completou a prova em 48s98 e ficou com a medalha de prata. Kemar Mowatt, da Jamaica, foi bronze com 49s09.

A vitória de Alison Brendom dos Santos acabou com um jejum de 20 anos sem vitórias do Brasil nos 400m com barreiras dos Jogos Pan-Americanos. O último a vencer a prova foi Eronildes Araújo, tricampeão em 1991, 1995 e 1999.

Primeiro lugar e índice olímpico

Além da medalha de Alison Brendom dos Santos, o destaque desta quinta-feira no atletismo foi Vitória Cristina Rosa. A velocista fez o melhor tempo da carreira, 22s72, se classificou para a final dos 200m rasos em primeiro lugar e garantiu índice para a Olimpíada de Tóquio. Ela superou a jamaicana Shelly-Ann Fraser-Price, atual bicampeã olímpica dos 100m rasos, que ficou em segundo lugar com 22s90.

Arremesso de martelo

Allan Wolski participou da decisão do arremesso de martelo. Depois de brigar entre os primeiros colocados, a marca final não foi a desejada. Ao término de todas as seis tentativas, ele fechou com a sexta colocação geral com a distância de 73,25m. O título ficou com o chileno Gabriel Sabra, que registrou 74,98m.

“Sinceramente, hoje foi meio decepcionante o resultado. Acordei no último lançamento, infelizmente. Estava errando muito a parte técnica, puxando muito o martelo e usando muita força. Isso acabou me atrapalhando nos lançamentos. Eu fui para todos os lançamentos querendo melhorar, melhorar e melhorar. Eu estava defasado na parte técnica”, avaliou Allan Wolski.

1500m

Mesmo não conseguindo ficar entre os três melhores ao cruzar a linha de chegada, Carlos de Oliveira Santos sabe da importância do resultado conquistado no Pan de Lima. Disputar a final dos 1500m já é um dos grandes feitos do atleta.

“Foi uma prova dura, difícil. O pessoal saiu com um ritmo forte. Eu não consegui acompanhar. Bola para frente. É o meu primeiro Pan-Americano. Para mim, estar aqui, é uma vitória. Nem imaginava de participar de uma competição tão grande. Agora, é dar sequência nos treinamentos e focar no Troféu Brasil no final do mês.”

Salto com vara

Aos 22 anos, Juliana Campos participou dos Jogos Pan-Americanos pela primeira vez na carreira. A paulista terminou a prova do salto com vara feminino em oitavo lugar (4,10m), mas não aprovou o desempenho realizado no Peru.

“Eu não saio contente da prova. Não tive muitos problemas, mas eu acho que foi falta de adaptação. Foram três tentativas. Se tivessem quatro, eu tinha conseguido. Estava com um pouco de vento, mas nada absurdo. Falta de encaixe. Estava um pouco nervosa também. Estar competindo com essas meninas que eu vejo pelo televisão e pela internet, é incrível, eu sou super fã delas. Só de estar do lado delas já é uma experiência muito grande”, comentou Juliana.

Salto em altura

No salto em altura feminino, Valdileia Martins foi a representante brasileira na corrida por medalhas na capital peruana. No entanto, voltará de Lima sem pódio. Mesmo flertando com posições melhores, finalizou a disputa em quinto lugar, parando no 1,84m.

Heptatlo

Depois de longos dias de competições, o heptatlo feminino chegou ao fim. Justamente na última prova desta quinta-feira (08), Vanessa Chefer Spinola anotou 5856 pontos e terminou com a sexta colocação na tabela geral de classificação.

Mais em Pan 2019

viagra