Siga o OTD

Basquete

Entidades esportivas e atletas se manifestam contra racismo

Morte de George Floyd, nos Estados Unidos, gerou reações também no mundo do esporte, como o IPC, a NBA e a federação mundial de atletismo

IPC contra o racismo após morte de George Floyd
IPC contra o racismo após morte de George Floyd (Twitter/Paralympics)

A morte de George Floyd, homem negro asfixiado em Minnesota por um policial branco nos Estados Unidos, gerou uma onda de protestos no mundo todo e o IPC (Comitê Paralímpico Internacional), além de outras entidades, se posicionou contra a descriminação e o racismo.

“Atos de racismo não podem continuar. Uma mudança precisa acontecer.”

“No IPC, estamos comprometidos em criar um mundo inclusivo. Um mundo com zero discriminação. Um mundo onde estamos todos unidos, os direitos de todas as pessoas são respeitados e não violados.”

Outras reações no esporte

Diversos atletas americanos participaram dos protestos nas ruas pela morte de George Floyd, principalmente da NBA. Nomes como o aposentado Stephen Jackson, campeão da liga e amigo de George Floyd, Karl Anthony Towns, dos Timberwolves, Marcus Smart e Jaylen Brown, ambos dos Celtics.

LeBron James também deixou seu recado via redes sociais contra o racismo. Em sua postagem, o astro da NBA se referiu a Colin Kaepernick, ex-quarterback da NFL (liga de futebol americano dos Estados Unidos), que ficou ajoelhado durante a execução do hino nacional americano para protestar contra a injustiça racial.

LeBron James protesto morte de George Floyd  Mineápolis nba racismo
“Eu não consigo respirar” – (instagram/kingjames)

Adam Silver, comissionário da NBA, escreveu um memorando sobre George Floyd e outros que também morreram, vítimas do racismo: “Injustiça racial e racismo não podem ser ignorados.

A World Athletics (Federação Internacional de Atletismo) usou a imagem icônica do gesto Black Power feito por Tommie Smith e John Carlos no pódio dos 200m na Olimpíada da Cidade do México-1968 para dar seu recado contra o racismo.

“Por quase 50 anos, nossos atletas e nosso esporte deu suporte aos direitos para uma sociedade justa e igualitária, uma sociedade onde todas as vidas são iguais. É inaceitável que essa não seja a realidade. Nós estamos do lado dos nossos atletas e de todos que clamam por mudanças.”

A NWSL (Liga americana de futebol feminino) também deixou o seu posicionamento contra a morte de George Floyd e destacou que “os Estados Unidos simplesmente precisam melhorar.”

Atletas brasileiros

Pelo Brasil, também foram registradas manifestações de diversos atletas pelas redes sociais. Confira abaixo alguns deles, ou nos stories do Arthur Nory, Flavia Saraiva, Rayan Castro e Rebeca Andrade.

Mais em Basquete