Siga o OTD

Handebol

Estrutura do COB em Ota impressiona Seleção Brasileira

A preparação da Seleção Brasileira feminina de handebol para o Campeonato Mundial de Kunamoto é a última grande operação do Comitê Olímpico do Brasil (COB) no Japão em 2019.  Na base de apoio de Ota, uma das regiões de Tóquio, o COB oferece às atletas toda estrutura para que tenham o melhor desempenho possível na competição. A experiência está sendo ainda mais usufruída por cinco atletas que participam pela primeira vez de um Mundial. 

Adriana de Castro, Ana Claudia Bolzan, Isaura Menin, Renata Arruda e Samara Vieira estão entre as 18 convocadas pelo técnico Jorge Duenãs para o Mundial. O suporte da entidade do COB vem impressionando as novatas e serve de motivação para um bom desempenho no torneio e nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. 

“Ter essa estrutura tão perto do hotel onde estamos ajuda bastante no nosso trabalho. A quadra é bem boa, confortável, fica perto do hotel. O COB está trabalhando bastante pelo handebol e só tenho coisas boas pra falar. É bem importante esse período pensando no Mundial, mas também nos Jogos Olímpicos do ano que vem. Está sendo especial”, elogiou a armadora Samara, de 28 anos. 

Em Ota, o COB oferece alimentação, hospedagem, transporte, lavanderia, entre outros benefícios para deixar os atletas focados somente em competir. A quadra de treinamento é exclusiva para o Brasil, assim como será no período pré-Tóquio 2020. 

“Estamos aproveitando bastante. A gente treina numa quadra boa, temos tudo disponível e isso acaba deixando o clima mais leve para focarmos nos nossos objetivos principais”, acredita Ana Paula, única do grupo que atua no Brasil, no Esporte Clube Pinheiros. 

Um dos locais utilizados pela primeira vez pelo COB é o Youth Exchange Center, onde as atletas almoçam e jantam um cardápio de culinária brasileira. 

“Está sendo uma experiência muito boa. Não tinha noção do tamanho da organização. Foi uma boa ideia fazer essa fase de treinamento aqui. Já vamos pegando um pouco do costume local e acredito que será um bom Mundial para gente”, projeta a pivô Isaura.

Dois dias depois de chegar no Japão, o Brasil entrou em quadra nesta quinta-feira para enfrentar a França, atual campeã mundial da modalidade, pela Japan Cup. No palco onde serão disputados os Jogos Olímpicos no ano que vem, a seleção nacional foi derrotada por 33 a 22. Amanhã, o Brasil enfrenta a Eslovênia e no domingo as adversárias serão as japonesas. 

“Difícil jogar um primeiro jogo depois de uma viagem longa, pouco treino e encontrar uma equipe como a França que é campeã da Europa e a equipe favorita dentro do Mundial. Eu penso que tivemos bons momentos, que somos capazes de jogar bem no ataque e na defesa de forma equilibrada. Mas depois tivemos uma fase final de primeiro tempo que tivemos muitos problemas no ataque porque estava muito lento e parado, e a França aproveitou muito bem esse momento para fazer gols rápidos de transição. No segundo tempo voltamos a ter bons momentos de trabalho ofensivo e defensivo e diminuímos o placar. O importante foi que a equipe foi bem, mas temos que trabalhar mais o tático. Temos dois jogos no fim de semana e acredito que podem ser muito melhores porque a equipe estará mais preparada, mais mentalizada e mais acostumada ao horário do Japão”, analisou o treinador Jorge Dueñas.

Mais em Handebol