Siga o OTD

Judô

Yudy perde do campeão e Brasil fica sem medalha no 4º dia

Eduardo Yudi bate quinto do ranking mundial, mas cai para atual campeão nas oitavas de final; Penalber e Ketleyn vencem uma luta, mas caem na segunda rodada.

Rodolfo Vilela/www.rededoesporte.gov.br

Yudy perde do campeão e Brasil fica sem medalha no 4º dia

Número 11 do ranking mundial, Eduardo Yudy foi o destaque brasileiro no quarto dia do Campeonato Mundial de judô, que está sendo realizado em Baku, no Azerbaijão. Ele venceu duas lutas, uma delas contra o número 5 do ranking mundial da categoria até 81kg, mas parou nas oitavas de final diante do alemão Alexander Wieckzerzak, campeão do torneio ano passado. Apesar do nono lugar e de triunfos importantes, não saiu contente do tatame:

“Acho que eu deixei de finalizar o golpe, então aí ficou meio em dúvida. Preciso treinar essa parte de finalização para não ter dúvida da próxima vez. Eu estava confiante, mas faltou treinar e acertar mais o psicológico. Não dá para sair tão animado não, eu queria é ser campeão, treinei muito para isso” – disse.

Rodolfo Vilela/www.rededoesporte.gov.br

Yudy começou a campanha com vitória sobre o atleta da Mongólia Uruganbaatar Otgonbaatar, que era o quinto colocado do ranking mundial. O brasileiro conseguiu um Waza-ari nos últimos segundos para liquidar o combate.

Na sequência, enfrentou o grego Alexios Ntanadisidis e dominou a luta sem maiores problemas, com dois Waza-aris.

Aí, veio o combate contra o alemão Alexander Wieckzerzak. O brasileiro saiu na frente com Waza-ari, o alemão empatou o combate logo na sequência. Aí, em um golpe polêmico, os dois caíram de lado, o árbitro chegou a dar a pontuação para o alemão, mas tirou, deixando a luta seguir. Aí, mais alguns segundos, o alemão encaixou de novo um golpe e venceu.

Outro representante brasileiro neste domingo foi Victor Penalber. Bronze no Mundial de 2015, ele começou bem a caminhada, com uma boa vitória sobre o marroquino Achraf Moutii. Depois, diante do uzbeque Sharofiddin Boltaboev, caiu por waza-ari, sofrido no último segundo de combate

– Não conhecia ele, estudei só por vídeo, tive dificuldade na pegada, mas estava tudo muito equilibrado. A luta com esse estilo de judô é enroscada, eles vão para dividir posição o tempo todo, e o brasileiro gosta de lutar na distância, para achar o golpe. Aí tive dificuldades. No final, perdi a pegada – disse.

Rodolfo Vilela/Rededoesporte.gov.br

No feminino, o Brasil foi representado por Ketleyn Quadros. Na estreia, a medalhista olímpica  em Pequim 2008 passou pela americana Hannah Martin, finalizando quando faltavam dois minutos para o fim. Na sequência, porém, caiu diante da eslovena Andreka Leski, que era cabeça de chave. Ela sofreu um Waza-ari depois de levar duas punições, e acabou eliminada precocemente

– Eu acho que o judô vem mudando muito e as faltas vem fazendo diferença. Eu treinei para pegar e atacar, botar volume, mas infelizmente levei dois shidôs, um por pisar fora e outro por estourar a pegada. Aí eu tive que abrir para não levar o terceiro shidô. Estava bem, estava preparada, mas não sei o que poderia ter feito para reverter – disse.

Mais em Judô