Siga o OTD

Vôlei

Zé Roberto enaltece atuação de Ana Cristina na estreia da VNL

Treinador da seleção brasileira rende elogios à Ana Cristina após boa estreia na Liga das Nações

Ana Cristina ergue os braços após pontuar na Liga das Nações de vôlei feminino
(Foto: Divulgação/FIVB)

Ana Cristina foi o principal destaque brasileiro na estreia da Liga das Nações de vôlei feminino. Diante de um Maracanãzinho lotado, a ponteira de 20 anos foi peça chave na vitória brasileira ao marcar 20 pontos diante do Canadá na noite desta terça-feira (14). A boa atuação da jovem jogadora rendeu muitos elogios do técnico Zé Roberto Guimarães após a grande a partida.

“A gente precisa de uma jogadora como ela, que é um desafogo nas bolas altas. Quando o passe é C e que você tem que jogar lá em cima com bloqueio pesado, ela é tipo de jogadora que encara essa situação. A altura e a velocidade que ela pega dão opções muito grandes. Hoje, a Ana é uma das melhores atacantes de bolas altas do mundo, além de ser uma das melhores sacadoras”, falou o treinador.

A partida diante do Canadá marcou o retorno oficial de Ana Cristina com a camisa da seleção brasileira. Ela chegou a atuar na primeira semana da VNL 2023, mas sofreu uma lesão no menisco do joelho direito em preparação para a segunda etapa da competição e teve que passar por cirurgia, sendo afastada das quadras a partir de então. Zé falou sobre importância da volta da craque carioca à equipe.

Zé Roberto Guimarães comunica com as jogadoras durante VNL
(Foto: FIVB)

“Eu acho que ela veio acrescentar muito ao time. O time fica mais seguro e mais encorpado com esse tipo de jogadora. Tem horas que você não consegue jogar só com velocidade, porque o passe e a defesa não vão te dar essa qualidade o tempo todo. Daqui a pouco, a gente vai começar a pegar times que vão ter bloqueio triplo o tempo inteiro. Ela é uma jogadora extremamente eficiente, forte e que pega muito alto. Ainda bem que ela é nossa”, disse.

Apertou? Chama a Ana

Ana Cristina anotou 20 pontos na partida contra o Canadá, sendo 17 de ataque, um de bloqueio e dois de saque. Maior pontuadora brasileira da partida, ela começou a partida como titular e não deixou a quadra em um único momento. A ponteira foi muito acionada pelas levantadoras Macris e Roberta nos momentos de maior instabilidade da equipe e, aliás, chegou a ter seu nome gritado em coro pelo Maracanãzinho.

“Uma coisa boa dela é que ela confia muito nela. Ela sabe o que está fazendo e sabe do seu potencial. Ela não se aperta e não se intimida, então ela sabe a altura que tem que pegar e como é importante. Esses anos jogando fora deram esse handicap para ela. A Ana também bate em velocidade se você quiser. Então, ela te dá várias opções e acredita em todos os momentos que pode virar e pode contribuir. Acho que ela tem um mental muito forte”, completou Zé Roberto.

Agora, o Brasil volta a jogar pela Liga das Nações de vôlei feminino na quinta-feira (16), às 14h, contra a Coreia do Sul, também no Maracanãzinho. Em seguida, na sexta-feira (17), às 21h, será a vez da seleção enfrentar os Estados Unidos. Por fim, no domingo (19), às 10h, a equipe duelará contra a Sérvia em uma reedição da final do último Campeonato Mundial.

Paulistano de 22 anos. Jornalista formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Estou no Olimpíada Todo Dia desde 2022. Cobri os Jogos Mundiais Universitários de Chengdu e os Jogos Pan-Americanos de Santiago-2023.

Clique para comentar

Você deve estar logado para postar uma comentário Login

Deixe um Comentário

Mais em Vôlei