Siga o OTD

Vôlei

Adenízia celebra retorno à final da Superliga Feminina

Agora com a camisa do Praia Clube, Adenízia comemora temporada vitoriosa e retorno à final da Superliga Feminina

Adenízia da Silva em partida do Praia Clube pela Superliga Feminina
Adenízia (Eliezer Esportes/Praia Clube)

A final da Superliga Feminina de vôlei vai colocar Praia Clube e Minas na decisão do título pela quinta temporada consecutiva. Embora a hegemonia do clássico Pão de Queijo não seja novidade na final marcada para este domingo (21), o retorno de Adenízia da Silva pode-se considerar uma. Isto porque a central do time de Uberlândia não joga uma partida como esta há quase 10 anos. 

+ SIGA O OTD NO YOUTUBETWITTERINSTAGRAMTIK TOK E FACEBOOK

O confronto entre Osasco e Sesc Rio de Janeiro em 2015 foi a última vez que Adenízia disputou uma final da Superliga Feminina. Naquela oportunidade, as cariocas levaram a melhor em sets diretos. Durante sua carreira, a central campeã olímpica de Londres-2012 só vestiu a camisa de três equipes no Brasil. Além de Praia e Osasco, teve uma breve passagem pelo Sesi Bauru e também no voleibol italiano. Disputando a Superliga, a maior parte no clube osasquense, que a revelou. 

Esta temporada, a jogadora fez uma mudança ousada ao se transferir para o Praia Clube. Embora tenha ficado com o título da última temporada da Superliga Feminina, o time comandado por Paulo Coco passou por uma grande reformulação no elenco e viu suas principais estrelas rumarem ao exterior. 

“Foram 11 jogadoras que chegaram. Então, a paciência tinha que ser dobrada. Tivemos altos e baixos, mas estamos onde nós queríamos: aqui nessa grande final”, disse a central. Além disso, Adenízia teve que superar dores na panturrilha que sentiu durante alguns jogos e provocações da torcida de Osasco, seu clube anterior.

Protagonismo e retorno à SFV?

Dentro de quadra, Adenízia é uma das protagonistas do clube mineiro, assim como de toda a competição. Ela lidera, com sobras, o ranking de maiores bloqueadoras da Superliga com 101 pontos nesse fundamento. A central tem uma distância de quase 30 pontos para a segunda colocada dalista, Luzia Nezzo, do Barueri, que soma 76 pontos. 

“Eu falei que uma das minhas opções na hora de vim para o Praia é estar em grandes finais. Quando falo de grandes finais, é jogar todos os campeonatos, como já joguei no passado. Agora, graças a Deus, fiz todas finais, menos o Mundial. Mas o que tinha que fazer aqui, eu fiz e sou muito grata a comissão técnica por ter acreditado nesse trabalho”, explicou. Nesta temporada, o Praia Clube conquistou o Campeonato Mineiro, o título inédito da Copa Brasil e o vice do Sul-Americano.

Tamanho desempenho fez o nome de Adenízia da Silva aparecer na lista de inscritas da Seleção Feminina de Vôlei para a Liga das Nações (VNL). Além dela, Natália Zilio, Dani Lins e Camila Brait também apareceram na lista de José Roberto Guimarães. Quando perguntada sobre um retorno à verde-amarela, a campeã olímpica preferiu não responder e disse estar focada na final de domingo.  

Jornalista recifense formado na Faculdade Boa Viagem, apaixonado por futebol, atletismo, basquete e outros esportes.

Mais em Vôlei