Siga o OTD

Com piscina, rolo e esteira, triatlo indoor surge como opção

Triatlo

Com piscina, rolo e esteira, triatlo indoor surge como opção

OTD testou algumas competições de triatlo indoor surgidas durante a pandemia e que matam a saudade do atleta de nadar, correr e pedalar

Como todos sabem, a pandemia afetou a vida dos atletas de alto rendimento ao redor do mundo. Mas não foi só a elite do esporte que sofreu com o coronavírus. Milhões de atletas amadores também tiveram que se readaptar a nova realidade enquanto a vacina para o coronavírus não chega.

+ Etapa de Valência encerra Copa do Mundo de Triatlo em novembro

Os praticantes amadores de triatlo, por exemplo, vêm sofrendo a seis meses sem poder participar das inúmeras competições que existem ao longo do ano. Por isso, as empresas que promovem esses eventos tiveram que se reinventar e chegar a uma solução que não infrinja as normas de saúde impostas pelo governo.

Uma das saídas foi a criação das provas de triatlo indoor, onde os atletas, sem competidores rivais, nadam em piscinas, pedalam em rolos eletrônicos sem sair do lugar e correm em esteiras, ao invés de ir ao mar e às ruas e avenidas.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

A convite da Probiótica, o Olimpíada Todo Dia foi conferir como são essas competições de triatlo indoor. Mas como nós vivemos o esporte todo o dia, decidimos sentir na pele como funciona ao invés de filmar um atleta realizado a prova.

Nessa matéria de hoje, você confere como funciona o TRIDAY Series, organizada pela Unlimited Sports, responsável por todas as competições do Ironman Brasil.

Confira no vídeo acima e assista em primeira mão!

O local

Antes da pandemia, ocorria o Circuito TRIDAY Series, composto por sete provas de triatlo nas distâncias Sprint (750m de Natação, 20km de Ciclismo e 5km de Corrida) e Olímpica (1,5km de Natação, 40km de Ciclismo e 10km de Corrida). Com o coronavírus cancelando todos os eventos do ano, a Unlimited Sports criou o TRIDAY Indoor Series, na casa em São Paulo onde está sediado o escritório do Ironman Brasil.

“A gente tinha um monte de provas marcadas para esse ano, tanto do TRIDAY, quanto do Ironman 70.3 [ 1,9 km de natação, 90 km de ciclismo e 21,1 km de corrida]. E aí em março chegou a pandemia, na semana de um dos nossos primeiros eventos, que a gente teve que cancelar. Vimos que a situação ia demorar mais do que imaginamos e então lançamos esse desafio indoor em junho,” conta Isabella Dagan, gerente de contas da Unlimited Sports, organizadora do Ironman Brasil.

O atleta que se inscreve no TRIDAY Indoor Series não tem contato com nenhuma outra pessoa, além dos poucos membros organizadores da prova. No escritório do Ironman Brasil, localizado no bairro do Morumbi, em São Paulo, o participante nada em uma piscina semiolímpica (25 metros), pedala em um rolo eletrônico e finaliza a corrida em uma estria bem moderna. É disponibilizado ainda água, isotônicos e géis de hidratação ao participante.

Escritório do Ironman Brasil, em São Paulo: TRIDAY Indoor Series ocorre no local (Instagram/Tridayseries)

Novos entrantes

Pelo fato do atleta nadar em uma piscina e pedalar em um rolo eletrônico ao invés de fazer isso no mar ou nas ruas e avenidas de uma cidade, como é costume em provas tradicionais, a competição do triatlo indoor vem despertando o interesse das pessoas em praticar uma prova de triatlo pela primeira vez.

Soma-se a isso a distância criada especialmente para o TRIDAY Series Indoor, chamada de Super Sprint. Nela, o atleta nada apenas 375m, pedala 10km de bike e finaliza correndo 2,5km.

“Muita gente tem um certo receio em praticar alguma das modalidades do triatlo, especialmente a natação, que é a maior dificuldade de entrada no esporte. O que temos visto que é proporcionamos um ambiente muito seguro para o atleta perder esses medos, o que é muito legal. Pensamos em continuar com o Indoor Series depois que as coisas voltarem ao normal” comenta Isabella.

Nossa experiência

Esse repórter que vos escreve é, desde 2017, um praticante assíduo de corridas de rua. Em preparação para a Maratona de Chicago de 2019, voltei a nadar depois de muito tempo, para melhorar minha performance correndo e para soltar a musculatura.

Nunca pensei em realizar uma prova de triatlo pelo fato de não ter intimidade nem muito amor por bicicleta. Creio que a última vez em que havia pedalado mais do que 8km tenha sido nas férias de 2001, quando era criança e fui de bicicleta até o centro de uma cidade no interior comprar sorvete.

Pelo fato do TRIDAY Indoor Series ser em um rolo eletrônico e pelo domínio que tenho com natação e corrida, topei o desafio do triatlo indoor.

A experiência não poderia ter sido melhor. Optei pela modalidade Sprint por nadar semanalmente mais de 750m e correr bem mais de 5km em meus treinos.

Treinando algumas semanas em uma bicicleta ergométrica, percebi que era capaz de pedalar os 40km. Se esse não fosse o caso, teria optado pela distância Super Sprint, perfeita para aqueles que estão começando ‘do zero’ ou tem pouco contato com um dos três esportes.

É compreensível que o triatlo venha recebendo novos entrantes. A experiência indoor é extremamente satisfatória para aqueles que gostam de desafios e ainda dá a oportunidade da pessoa dizer: ‘sou um triatleta’, algo que provavelmente não ocorreria caso não houvesse a pandemia. Pelo menos no meu caso.

OTD testou na pele como funciona o TRIDAY Indoor Series, competição de triatlo indoor organizada pelo Ironman Brasil que surgiu durante a pandemia
A medalha do TRIDAY Indoor Series, modalidade surgida durante a pandemia (arquivo pessoal)

Mais em Triatlo