Siga o OTD

Paralímpicos

Seleção de tênis de mesa vê evolução cem dias após retomada

Tênis de mesa paralímpico voltou a treinar em 13 de julho. Desde então, nenhuma lesão foi registrada e parte técnica começa a mostrar evolução

tênis de mesa paralímpico seleção brasileira treino treinamento Centro Paralímpico Brasileiro
Jennifer Parinos e Bruna Alexandre em primeiro plano no CT Paralímpico (Ale Cabral/CPB)

Desde 13 de julho, a seleção brasileira de tênis de mesa paralímpico começou a retomar as atividades no Centro Paralímpico Brasileiro, em São Paulo, cercada de cuidados e protocolos rígidos para proteção dos atletas. Cem dias depois, o momento é de comemorar a evolução.

Bruna Alexandre, Danielle Rauen, Israel Stroh e Jennyfer Parinos foram os atletas liberados para treinarem presencialmente. De acordo com o técnico da seleção brasileira paralímpica, Paulo Molitor, no início havia um temor pelo tempo de paralisação, mas os cuidados e o planejamento foram feitos de forma que nenhum atleta fosse afetado.

+ 5 fatos que você não sabia sobre a mesatenista Dani Rauen

“No começo, estávamos um pouco preocupados, pois os atletas nunca tinham passado um tempo tão grande, de quatro meses, sem tocar na raquete, sem poder sair de casa. Mesmo acompanhados virtualmente, fazendo exercícios físicos e de prevenção, tínhamos a preocupação de como iriam chegar. Reduzimos os nossos exercícios de mesa em 50% e demos ênfase à parte física. Nas primeiras três a quatro semanas, não estávamos tão preocupados com a parte técnica, pois queríamos evitar lesões. Foi positivo na parte física, não tivemos nenhuma lesão”, lembra o profissional.

Recondicionamento

Na questão técnica, houve impacto também na equipe de tênis de mesa paralímpico. Afinal, com tempo de treinamento reduzido e a necessidade de recondicionar fisicamente os mesa-tenistas, certamente os atletas demorariam mais a atingir o patamar técnico anterior.

“Reduzimos o período de treinos. Eles estavam acostumados a treinar em dois períodos três dias na semana. A gente começou a treinar em um período, fazendo tudo, parte física e de mesa. Mas foi altamente positiva a retomada. Atualmente, aumentamos a carga horária, treinando três horas pela manhã, com duas vezes na parte da tarde, em período reduzido. Na parte técnica, estão muito bem. Já estamos um pouco mais avançados, com 70% a 80% dos exercícios que fazíamos antes da pandemia”, detalha Molitor.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Até o fim do ano, a tendência é de que os mesa-tenistas que iniciaram os treinamentos em julho estejam próximos do patamar técnico que se encontravam em março, antes do fechamento do CT Paralímpico. “Podemos treinar mais saques, por conta deste segundo período. Esperamos que, até o fim do ano, possamos ter de 90% a 95% do planejamento que existia antes da pandemia”, finaliza.

Mais em Paralímpicos