Siga o OTD

Olimpíada

Governo federal muda critérios do pagamento do Bolsa Atleta

Também foi anunciado que será aberto um novo edital em 2021, contemplando resultados dos últimos dois anos

Bolsa Atleta Rosane Reis
Rosane Reis, do levantamento de peso, foi uma das contempladas da lista adicional do Bolsa Atleta divulgada pelo governo federal (Divulgação)

A pandemia do coronavírus afetou os critérios para o pagamento do Bolsa Atleta, programa do governo federal voltado para os atletas das modalidades olímpica e paralímpica. Nesta quarta-feira (5), foi divulgado pela Secretaria Especial do Esporte, que é vinculada ao Ministério da Cidadania, mudanças referentes ao próximo edital do programa. A principal delas é que como critério de elegibilidade para entrar no Bolsa Atleta, serão considerados os resultados esportivos de 2019 e 2020.

“A pandemia interrompeu o calendário de treinamentos e de competições esportivas no Brasil e no mundo ao longo deste ano. Os atletas que foram obrigados a reduzir e adaptar treinos, para proteger a própria saúde, não podem ser prejudicados. Por isso, vamos garantir a manutenção do apoio do Bolsa Atleta”, explica o secretário especial do Esporte, Marcelo Magalhães.

+ COB oferece 50 bolsas de estudos integrais a atletas

Segundo a secretaria, se uma confederação esportiva realizou campeonato em 2019, mas cancelou o evento em 2020, os atletas que encerraram a competição de 2019 em primeiro, segundo e terceiro lugares poderão aderir ao programa. Em caso de competições realizadas em 2020, valerão esses resultados, pois serão os mais recentes.

“A publicação do edital nesse formato também contribui para trazer tranquilidade a atletas e a confederações esportivas num momento tão difícil para o esporte no mundo. É a garantia dada pelo governo federal de que a não realização de competições em 2020 não trará prejuízos às vésperas dos Jogos de Tóquio“, completa Magalhães.

Cronograma impactado

Esta mudança, porém, trará automaticamente um impacto no pagamento dos recursos. O novo edital, segundo o governo, deverá ser aberto apenas em janeiro de 2021. A última parcela de 2020 deve cair em março de 2021. Se tudo correr normalmente, entre a abertura de inscrições e pagamento da primeira parcela do próximo edital, os atletas receberão os valores apenas a partir de junho do ano que vem.

Edital Bolsa Atleta 2021
Para entrar no Bolsa Atleta de 2021, serão usados os resultados de 2019 ou 2020 (Divulgação)

O Bolsa Atleta, criado em 2005 quando ainda existia o Ministério do Esporte, custa R$ 140 milhões, mas para este ano, só estavam disponíveis pelo orçamento da União uma verba de R$ 70 milhões. De acordo com o governo, um total de 6.357 atletas são beneficiados pelo programa.

Lista complementar

O governo anunciou nesta quarta-feira também uma lista complementar (clique aqui) com 109 novos atletas contemplados no edital de outubro de 2019. A relação inclui três habilitados na categoria Olímpica/Paralímpica, 18 na categoria Internacional, 68 na Nacional, 14 na Estudantil e seis na Atleta de Base.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

As categorias do Bolsa Atleta são as seguintes: base/estudantil (R$ 370,00), nacional (R$ 925,00), internacional (R$ 1.850,00), olímpica/paralímpica (R$ 3.100,00) e bolsa pódio (R$ 5 mil a R$ 15 mil).

Mais em Olimpíada