Siga o OTD

Laguna Olímpico

Gerson Victalino foi gigante dentro e fora das quadras

Um dos heróis na campanha do ouro do Pan de Indianapolis, Gerson Victalino, que morreu nesta quarta (29), mudou a forma de jogar debaixo do garrafão no Brasil

Gerson Victalino ouro no Pan de Indianápolis-1987
Gerson Victalino (nº 6) foi um dos destaques na histórica campanha do ouro no Pan de Indianapolis-1987 (Divulgação)

A manhã desta quarta-feira (29) começou triste demais com a notícia da morte de Gerson Victalino. O ex-pivô, que fez história no basquete brasileiro nos anos 80 e início da década de 90, morreu vítima da ELA, a esclerose lateral amiotrófica. Tinha 60 anos e vivia em Belo Horizonte, onde nasceu e começou sua carreira, no Ginástico.

Com a mesma coragem que encarava os rivais na briga pelos rebotes, Gerson vinha lutando contra a ELA. Em recente entrevista ao site da CBB (Confederação Brasileira de Basquete), deu um depoimento comovente sobre como estava lidando contra esta doença.

“Passo por um problema temporário. Sei da gravidade, mas também sei que as lutas vêm na nossa vida para lutarmos e mostrarmos nossas forças. (…) tenho fé em Deus e não me entrego facilmente”, disse Gerson na época à CBB.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar

Se fica a tristeza pela partida tão precoce, também é verdade que o legado deixado por Gerson ao basquete nacional é inestimável. Qualquer um que tenha acompanhado basquete mais de perto na década de 80 acostumou-se a ver um gigante negro de 2,08 m e uma envergadura de 2,28 m entre os braços, de sorriso fácil, com a camiseta do Corinthians, Monte Líbano e especialmente da seleção brasileira.

+ Curta a página do blog no Facebook

Gerson também tinha uma condição rara entre os pivôs brasileiros na época: a velocidade. “Ele era um pivô leve e dentro do nosso esquema tático, tinha um papel fundamental. Ele normalmente era o primeiro a puxar o contra-ataque, facilitando a vida do Oscar e do Marcel. Estava sempre pronto para os rebotes caso as bolas deles não caíssem. E ainda sabia arremessar de longe”, contou ao blog José Medalha, treinador do Brasil na Olimpíada de Barcelona-1992 e que era auxiliar de Ary Vidal na histórica campanha do ouro no Pan de Indianápolis-1987.

A parceria com Israel, o outro pivô histórico do Brasil, mostrou-se extremamente eficiente e só faltou mesmo conquistar uma medalha olímpica ou de Mundial. Esteve bem perto disso em 1986, quando a seleção ficou em quarto lugar no Mundial da Espanha, ou o quinto lugar na Olimpíada de Seul-1988 e no Mundial da Argentina, em 1990.

+ O blog também está no Instagram. Siga

Em Seul, apesar da derrota para a União Soviética nas quartas de final por 110 a 105, a atuação de Gerson foi espetacular. Relembre abaixo como foi:

Gerson deu um show à parte contra a União Soviética, do astro Sabonis, em Seul-1988

A longa carreira fez de Gerson um dos atletas com maior presença em jogos oficiais defendendo a seleção brasileira. De acordo com a CBB, foram 93 partidas entre Jogos Pan-Americanos, Mundiais e Olimpíadas. Mas segundo José Medalha, os números são ainda mais expressivos.

“Em 12 anos, Gerson participou de 275 partidas pela seleção, marcando 1.814 pontos. Estreou no Sul-Americano de 1981, em Montevidéu (URU), na vitória do Brasil sobre o Chile por 100 a 43. Marcou sete pontos. Sua última partida foi na Olimpíada de Barcelona, quando o Brasil venceu a Austrália por 90 a 80, decisão do quinto lugar. Anotou 14 pontos”, disse Medalha, dono de um levantamento completo de jogos da seleção masculina, que pretende transformar em livro ainda este ano.

Números à parte, o que não se discute é o enorme papel de Gerson Victalino na história recente do basquete do Brasil.

APOIE O OLIMPÍADA TODO DIA

Desde setembro de 2016, o Olimpíada Todo Dia não deixa você ter saudade dos Jogos nunca. É o único veículo de comunicação que todos os dias traz a trajetória dos atletas olímpicos e paralímpicos, combatendo a monocultura do futebol e na busca de ajudar a mudar a cultura esportiva do Brasil. Gosta do nosso trabalho? Nos apoie! Faça um pix para [email protected]

Outra alternativa para nos apoiar é usando o cupom OTD em compras na Centauro. Com o cupom, você ganha 10% de desconto na compra de equipamentos esportivos e parte do valor será revertido para o Olimpíada Todo Dia. Vale lembrar que os descontos não são cumulativos. Se alguma peça já estiver em oferta, você não conseguirá aumentar o desconto, mas se colocar o cupom OTD, parte do valor vai ajudar o portal do mesmo jeito. Você pode comprar também pela vitrine do OTD no site das Centauro.

Mais em Laguna Olímpico