Siga o OTD

Laguna Olímpico

Até onde pode chegar o fenômeno sueco Armand Duplantis?

Sueco prodígio do salto com vara por pouco não bateu o recorde mundial na Alemanha. O show está guardado para Tóquio?

Faltou muito pouco para que esta terça-feira (4) não fosse marcada por um momento histórico no atletismo. E o responsável por isso foi o incrível sueco Armand Duplantis, o fenômeno do salto com vara.

Com apenas 20 anos (completados em novembro), Duplantis já deixou de ser considerado uma promessa há muito tempo. Desde 2015, quando se tornou campeão mundial sub-18, com apenas 15 anos, ele entrou no radar dos especialistas, sempre com marcas espetaculares para a faixa etária. Em Cali, neste Mundial, já cravou 5,30 m.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga

Se categorias de base, o sueco (por sinal, nascido nos Estados Unidos) ganhou tudo que podia, faltava mostrar o mesmo talento entre os adultos. Uma amostra foi dada durante o último Campeonato Mundial, em Doha (QAT), no ano passado.

Numa disputa emocionante contra o americano Sam Kendricks e o polonês Pawel Wojciechowski, Duplantis levou a medalha de prata, saltando 5,70 m. E foi apenas seu primeiro Mundial sênior!

Marca impressionante

Marca até modesta para seus próprios padrões. Em 2018, na final do Campeonato Europeu, realizada em Berlim (ALE), Duplantis obteve a melhor marca de sua carreira, vencendo a prova com 6,05 m. Para ter uma ideia, o recorde olímpico que deu o ouro ao brasileiro Thiago Braz na Rio-2016 foi de 6,03 m.

Pois Duplantis resolveu começar a temporada 2020 pisando fundo no acelerador. No Meeting Indoor (pista coberta) de Dusselforf (ALE), ele já havia assegurado a vitória com um salto de 6,00 m. Aí partiu para algo mais ousado: quebrar o recorde mundial do francês Renaud Lavillenie, de 6,16 m.

O sueco colocou o sarrafo em 6,17 m e queimou as três tentativas. Na última delas, chegou a ultrapassar a barra, mas um esbarrão acabou com o sonho de chegar ao recorde.

Veja como foi:

Portanto, não duvidem se Armand Duplantis reservar para a Olimpíada de Tóquio-2020 o ponto mais alto de sua (ainda) curta trajetória no atletismo mundial.

Mais em Laguna Olímpico