Siga o OTD

Paralímpicos

Brasil rouba cena na Cerimônia de Abertura do Parapan de Lima

No Estádio Nacional, maior delegação do Brasil desfila com Leomon Moreno, do goalball, como porta-bandeira na cerimônia de abertura dos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019

Ale Cabral/CPB

A Cerimônia de Abertura contou com 30 países, 17 esportes e mais de 1.800 atletas, que desfilaram pelo Estádio Nacional, em Lima, no Peru. Os Jogos Parapan-Americanos, enfim, começaram! E, claro, a delegação brasileira roubou a cena com o tamanho: 513 pessoas ao todo – cerca de 400 desfilaram, 337 atletas e acompanhantes vão disputar a competição.

Foto: Giovana Pinheiro/OTD

O responsável por carregar a bandeira do Brasil na cerimônia de abertura foi Leomon Moreno, do goalball, eleito o melhor do mundo da modalidade e um dos destaques entre as 513 pessoas que vieram a Lima para o Parapan.

“Com certeza uma imensa emoção, depois de passar por esse estádio todo e ir na frente da minha nação, que nós estamos aqui representando uma nação. Isso mexe com o nosso coração e, com certeza, com as emoções. Isso me deixou muito feliz, muito emocionado as lágrimas vem aos olhos e é o nosso país. É o nosso Brasil”, declarou o craque após o desfile.

Uma das cenas mais bonitas do desfile foi ver Susana Schnarndorf, da natação classe S4, durante a parte final do percurso no ombro dos companheiros. Ela tem múltipla atrofia dos sistemas – com o passar dos anos, a doença diminui a capacidade dos conjuntos musculares e dos órgãos. 

Foto: Rodolfo Vilela/rededoesportegovbr

A cerimônia de abertura foi composta por um show de luzes, cores e apresentações, que exaltavam a rica história do Peru, junto com os valores do Comitê Internacional Paralímpico: a coragem, determinação, igualdade e inspiração. Tendo início com a contagem regressiva, o hino nacional do país, o nascimento da nação – falando sobre biodiversidade, e, então o desfile das delegações por ordem alfabética.

Os 30 países que participam dos Jogos Parapan-Americanos Lima 2019: Argentina, Aruba, Barbados, Bermudas, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Estados Unidos, Guatemala, Guyana, Haiti, Honduras, Jamaica, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Porto Rico, República Dominicana, São Vicente e Granadinas, Suriname, Trinidade e Tobago, Uruguai, Venezuela e, por último, os donos da casa – Peru.

Os homenageados foram Marco Antonio Morán, de 16 anos, jovem promessa do atletismo no Peru e José Jesús Días Quispe, que começou no atletismo e foi para o futebol de 7. Todas as apresentações oficiais terminaram com o protocolo de acender a chama olímpica do paradesporto. O presidente do Comitê Paralímpico das Américas, Carlos Neuhaus, fez discurso.

Para fechar, os presentes no Estádio Nacional dançaram ao som do show da banda Barreto, que ficou conhecida com a versão de cumbia da conhecida música peruana: Cariñito, quase tema dos Jogos, já que esteve presente desde o Pan nos locais de competição e até coreografia.

Vocalista da banda Bareto citou as queimadas e pediu para que rezassem pela Amazônia. Episódio brasileiro é citado na Cerimônia de Abertura do Parapan.

Mais em Paralímpicos