Siga o OTD

Futebol

Jogadoras destacam Brasil com mais alternativas contra a Jamaica

Antonia e Cristiane elogiam trabalho de Arthur Elias e projetam uma equipe com mais repertório ofensivo no reencontro com a Jamaica

Arthur Elias comandando treino da Seleção Feminina de futebol
Arthur Elias dando instruções para as jogadoras (Foto: Lívia Villas Boas/CBF)

Desde de que foram anunciados, os amistosos contra a Jamaica nesta Data Fifa vem mexendo com as memórias recentes dos torcedores brasileiros. Há cerca de um ano atrás, a Seleção Feminina fazia um jogo de vida ou morte na Copa do Mundo Feminina contra as Jamaicanas, que seguraram o empate e eliminaram a equipe nacional ainda na fase de grupos.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBETWITTERINSTAGRAMTIK TOK E FACEBOOK

Tamanho o impacto daquela eliminação precoce resultou em uma série de reformulações promovidas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) em todas as categorias da Seleção Feminina. Na equipe principal, toda a comissão técnica foi trocada, com a saída de Pia Sundhage, e Arthur Elias assumiu o comando do time. 

Multicampeão com o Corinthians, o treinador chegou com a missão de mudar o estilo de jogo da equipe para características mais ofensivas. “Tenho uma maneira identificada com o futebol brasileiro. Uma maneira que eu vejo que as jogadoras se sentem confiantes, confortáveis para jogar”, disse Arthur Elias a TV Bandeirantes. 

Variações táticas

Naquele trágico jogo contra a Jamaica na Copa do Mundo Feminina, boa parte da crítica especializada apontou a falta de criatividade e variações táticas como a principal barreira ofensiva da Seleção Feminina. Em quase um ano à frente do time, Arthur vem fazendo testes e aplicando seu estilo de jogo. O elenco vê com bons olhos essa mudança e projeta um Brasil diferente nesse reencontro contra as jamaicanas.

Antonia durante treino da seleção feminina de futebol no Recife
Antonia (Foto: Lívia Villas Boas/CBF)

“Eu acredito que é muito importante, tanto para atleta quanto para nossa seleção, essas variações de sistema. Nos dá um leque maior de acordo com o adversário. Para mim, é muito bom porque é um desenvolvimento e conhecimento para melhorar, principalmente por fazer várias funções”, ressaltou a lateral e zagueira Antonia. Ela esteve em campo no empate em 0 a 0 contra a Jamaica em Melbourne, Austrália.

“Dependendo do sistema, eu posso ser uma lateral. Dependendo do sistema, eu posso ser uma zagueira. Então, eu acredito que essas diferenças, essa mistura de coisas que ele faz só tem a acrescentar ao Brasil”, destacou. A jogadora atuou em uma linha de três defensoras durante a Copa Ouro Feminina.

Mais repertório

Cristiane não esteve na Copa do Mundo da Austrália e da Nova Zelândia, mas assistiu o fracasso do Brasil em Melbourne. Agora brigando por uma vaga nos Jogos Olímpicos de Paris-2024, a atacante elogia o trabalho do treinador. “Eu acho que uma coisa muito legal que tem dentro da seleção é que o Arthur não mantém um único padrão tático, ele muda. A gente não fica somente em um esquema e acaba morrendo, muitas vezes você morre abraçada nesse esquema tático”, disse. 

Cristiane subindo para treino da Seleção Feminina de futebol
Cristiane em treino no Arruda (Foto: Lívia Villas Boas / CBF)

“Então, ele tem muitas variações [..] Mas eu acho que a comissão técnica tem montado uma seleção com variações de padrões diferentes, de acordo com as seleções que a gente vai enfrentar e acho que isso é muito grandioso. O que cabe a nós, no dia a dia, é a gente entender o que eles querem, aprender o que eles tentam passar para gente e executar da melhor maneira possível”, completou.

Jornalista recifense formado na Faculdade Boa Viagem, apaixonado por futebol, atletismo, basquete e outros esportes.

Mais em Futebol