Siga o OTD

Michael Jackson Futebol Feminino Mundial Atlanta-1996

Futebol

Ex-atacante relembra primeiro Mundial e Olimpíada do Brasil

Michael Jackson fez parte dos elencos que representaram o país no primeiro campeonato internacional, em 1988, e nos Jogos Olímpicos de Atlanta-1996

Michael Jackson participou dos Jogos Olímpicos de Atlanta-1996 (Acervo pessoal)

Ex-atacante relembra primeiro Mundial e Olimpíada do Brasil

Mariléia Santos é um dos expoentes do futebol feminino no Brasil. Porém, poucas pessoas no esporte a conhecem pelo nome, já que se consagrou com o apelido de Michael Jackson. A ex-atleta fez parte de momentos históricos da modalidade, integrando os elencos que representaram o país no Mundial experimental de 1988, disputado na China, e nos Jogos Olímpicos de Atlanta-1996, o primeiro com futebol feminino.

+ Pia Sundhage é eleita a Mulher Sueca do Ano 2020

“Eu tive a felicidade de fazer parte dessa equipe. Na época, o futebol feminino tinha acabado de ser regulamentado, em 1983. Não existia seleção brasileira. Meu coração bate forte até hoje, fico emocionada quando lembro da cena, do Eurico (Lira, chefe de delegação) nos contando. A gente ficava se perguntando se era verdade mesmo”, contou a ex-atacante em entrevista ao site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, Michael Jackson foi inscrita com a camisa 9. A ex-atleta considera a experiência olímpica diferente de qualquer outra coisa que viveu no futebol.

“Só sei que quando falaram número nove, do Brasil… Olhei aquele estádio lotado e pensei: sou eu. É o maior evento do planeta, onde estão os melhores. Eu faço parte dos melhores e o meu Brasil também”, relembrou a ex-atleta, que ajudou a seleção a ficar em quarto lugar na primeira participação olímpica do Brasil.

Primeiro Mundial do futebol feminino

Michael Jackson Futebol Feminino Mundial Atlanta-1996
A ex-atleta participou do primeiro Mundial e Olimpíada disputados pelo Brasil (Acervo pessoal)

Proibido por lei federal até 1979, o futebol feminino sempre foi a paixão de Michael Jackson. Nascida em Valença, interior do Rio de Janeiro, a ex-jogadora é exemplo de pioneirismo e perseverança e uma referência para jovens que desejam ser jogadoras.

+ Futebol se une em campanha contra crise do coronavírus

Em 1988, quando vestiu a camisa da seleção brasileira pela primeira vez, a ex-atacante e suas companheiras fizeram um pacto para voltarem da China com uma medalha. Durante a campanha, o Brasil venceu Noruega e Tailândia e perdeu para a Austrália na fase de grupos. Em seguida, superou a Holanda nas quartas de final e foi derrotado pela Noruega na semifinal.

“Quando estávamos para sair do vestiário, em direção ao campo, nos reunimos antes de entrar e falamos: agora é a nossa vez de ir buscar a nossa medalha. Começa aqui. Não importa quem perca a bola, nós temos que dar nosso melhor. Se depois não conseguirmos andar, alguém que nos carregue. Temos que deixar tudo em campo. Não importa quem defenda, quem marca, quem faz o gol. Somos uma corrente”, recordou.

Primeira medalha do futebol feminino

Michael Jackson Futebol Feminino Mundial Atlanta-1996
Medalha de bronze conquistada pelo Brasil no Mundial de 1988 (Acervo pessoal)

O Mundial de 1988 foi o primeiro campeonato internacional de futebol feminino organizado pela FIFA e foi disputado em caráter de teste. O Brasil foi convidado e montou sua equipe tendo como base o Radar, clube do Rio de Janeiro pelo qual Michael Jackson atuava.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

A competição contou com a participação de 12 equipes. A campanha na Copa do Mundo correspondeu às expectativas das jogadoras, terminando a com a conquista da medalha de bronze, vencendo a China nos pênaltis. Michael Jackson contou um diálogo dela e de suas colegas de time com Eurico Lira, então dirigente da seleção.

“Eu só conhecia a China no mapa e achava que nunca iria para lá. Quando a gente pisou na China, caiu a ficha: nós estávamos lá para defender nosso país, para jogar futebol. Por isso, íamos dar sempre o nosso melhor e não poderíamos sair sem uma medalha. O Eurico Lira nos perguntou: lembra o sonho de vocês, para que existisse uma Seleção? A Seleção hoje existe e vocês fazem parte dela. E agora? Respondemos na lata: agora vamos ganhar uma medalha”, revelou.

Mais em Futebol