Siga o OTD

ana sátila copa do mundo canoagem slalom

Canoagem Slalom

Ana Sátila e Pepê Gonçalves estão na Europa para treinos e competições

Ana Sátila e Pepê Gonçalves vão fazer a parte mais importante da preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio com provas e treinos na Europa

(Instagram/anasatila_vargas)

Ana Sátila e Pepê Gonçalves estão na Europa para treinos e competições

Um grande desafio dentro e fora da água para os atletas da canoagem slalom do Brasil! Ana Sátila e Pepê Gonçalves desembarcaram no fim de semana em Praga na República Tcheca para participar de uma temporada de treinamentos no velho continente. Na água o desafio é manter a potência máxima para ir bem em competições, caminho trilhado pelos atletas que estarão competindo nos Jogos Olímpicos em Tóquio no mês de julho. Fora das corredeiras, a precaução sanitária e exames garantem aos canoístas a segurança para que estejam saudáveis nesse período de pandemia. 

Os atletas iniciam o período de remadas no “Canal Troja”. São treinamentos iniciais visam a preparação para a disputa da 1ª Etapa da Copa do Mundo de Canoagem Slalom que acontecerá no mesmo local no mês de junho. Há previsão ainda de uma passagem por Liptvosky Mikulas na Eslováquia. De acordo com Denis Terezani, supervisor da modalidade de Canoagem Slalom o cronograma da temporada europeia está sendo analisado semana após semana principalmente por causa das adversidades de restrições em relação ao período de pandemia. 

+Avanço da pandemia cancela Campeonato Pan-Americano no Rio de Janeiro

“Foi bem desafiador a organização da viagem dos atletas, estamos monitorando constantemente todas as questões normais de treinamentos e também em relação a pandemia, nossos atletas realizaram exames de PCR ao chegar na República Tcheca, ficaram isolados até que o resultado saísse para daí então começar a realizar os treinos. Vamos manter uma força tarefa para garantir o desenvolvimento técnico, mas também as questões de saúde que estão sempre em primeiro lugar”, fala Terezani. Ana Sátila já conseguiu fazer o seu primeiro dia de treinamento, além do cansaço da viagem e do jetlag (ajuste do organismo com a mudanças de fuso horário) ela não perdeu tempo, a capital da República Tcheca sempre trás boas lembranças para a brasileira, onde já conquistou vários pódios.

+RECEBA NOTÍCIAS NO NOSSO CANAL NO TELEGRAM OU PARTICIPE DO NOSSO GRUPO DO WHATSAPP

“Começamos com o pé direito, vai ser uma temporada desafiadora, estou muito bem para dar o meu melhor, depois de duas semanas aqui vou para a Polônia buscar meus barcos novos que eu irei usar em Tóquio, estou bem contente”, fala. Sátila está acompanhada do seu treinador Mathieu Desnos. Além de Desnos e Sátila, Pepê Gonçalves que também tem a classificação para Tóquio forma o trio brasileiro na Europa. “Sonhando com força, trabalhando com mais força ainda, estamos na parte mais importante de um ciclo olímpico de 5 anos de muito trabalho e dedicação. Serão 2 meses de treinos e competições para chegar em Tóquio no melhor do melhor e defender essa bandeira com unhas e dentes”, fala Pepe. Os canoístas viajaram para a Europa através do Projeto de Viagens conjunto da Confederação Brasileira de Canoagem e do Comitê Olímpico do Brasil, visando a preparação para os Jogos Olímpicos Tóquio 2020. 

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

Canoagem Brasileira nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020
O Brasil tem quatro cotas olímpicas para Tóquio, sendo que a Canoagem Velocidade até o momento conta com duas pela categoria “canoa”. Elas foram conquistadas no Mundial realizado em Sgeded na Hungria em 2019 pelos atletas Isaquias Queiroz e Erlon Souza. Já na Canoagem Slalom conta com outras duas garatidas no Mundial em La Seu d’Urgell na Espanha também em 2019. Pepê Gonçalves no K1 (caiaque individual) Masculino e Ana Sátila que disputará duas categorias: K1 e C1 (canoa indivudual) Feminino. 

Existem vagas em aberto através da Seletiva Continental tanto para a Canoagem Slalom quanto para a Canoagem Velocidade, com o cancelamento das competições que definiriam as vagas para ambas as disputas, existe a expectativa  do modelo de distribuição que será definido pela Confederação Pan-americana de Canoagem e pela Federação Internacional de Canoagem. 

Mais em Canoagem Slalom