Siga o OTD

Ana Sátila

Canoagem Slalom

Canoagem define substituto de técnico italiano que deixou o país por falta de recursos

Canoagem define substituto de técnico italiano que deixou o país por falta de recursos

Após a saída do técnico Ettore Ivaldi do comando da canoagem slalom do país por questões financeiras, a Confederação Brasileira anunciou os nomes da equipe técnica para o próximo ciclo olímpico. Agora o ex-atleta olímpico Cássio Ramon Petry está à frente da nova comissão que ainda contará com João Vitor Martins Machado, Ricardo Martins Taques, Antonio Alves dos Santos e Janice Tilwitz. Estes treinadores receberão o auxílio de um fisiologista renomado no Brasil que deve ser contratado em breve e que será o responsável por toda a preparação física. Fecha o grupo o fisioterapeuta Diórgines Antunes, que já vem acompanhando a Equipe Permanente de Canoagem Slalom desde 2013.
Na supervisão da modalidade Argos Gonçalves Dias Rodrigues dá lugar a Antonio Carlos Pinto. Rodrigues ficará no comitê técnico da Canoagem Slalom. A nova equipe técnica terá o desafio de manter o crescimento técnicos dos atletas para os Jogos Olímpicos Tóquio 2020. Segundo Argos Rodrigues, hoje a Canoagem Slalom encontra vários subsídios para o acompanhamento da evolução qualitativa de todos os atletas e não haverá nenhum problema da CBCa rever seu posicionamento no futuro se, porventura, não houver evolução da modalidade.
“Estamos apostando em um time brasileiro no comando da equipe. No ciclo olímpico passado o Brasil cresceu e aprendeu muito com o treinador Ettore Ivaldi que nos levou à condição de segunda potência do continente, porém a realidade econômica já não nos permite pensarmos em uma equipe técnica europeia. Também já é hora da Canoagem Slalom Brasileira criar a sua filosofia própria na qual eu acredito que será um sucesso com o financiamento através da Lei de Incentivo Fiscal ao Esporte patrocinado pelo BNDES. Se daqui em um ou dois anos os nossos gráficos demonstrarem que houve involução ao invés da tão almejada evolução técnica, é claro que a CBCa terá que repensar a recontratação de treinadores europeus. Todos os profissionais que estão entrando estão cientes desse desafio”, explica Rodrigues.
O novo diretor técnico da Canoagem Slalom, Antônio Carlos Pinto, possui experiência de décadas no esporte e retorna ao posto que já ocupou entre 1997 a 2002. Durante os últimos anos atuou nos eventos esportivos organizados pela Canoagem Brasileira e há um ano estava como chefe de equipe em viagens internacionais da modalidade. Para ele a Canoagem Slalom brasileira mudou de patamar com o ingresso do BNDES como patrocinador oficial da Canoagem Brasileira.
“Sem dúvida foram vários eventos que contribuíram para o crescimento dessa modalidade olímpica que poucos conheciam há quatro anos, porém, considero como o grande diferencial o investimento realizado pelo BNDES (patrocinador oficial) nestes últimos anos. É patente que sem a presença desse investidor e de outros patrocinadores com a GE e a Itaipu Binacional, além dos apoiadores COB e Ministério do Esporte, a Canoagem Slalom estaria fadada ao anonimato como era em um passado recente. Esses investimentos possibilitam que a equipe brasileira participe dos principais eventos internacionais e assim adquira melhor experiência técnica”, ressalta Pinto.
Para o Presidente da CBCa, João Tomasini Schwertner, é hora de pensar em mais um grande desafio dentro da Canoagem Brasileira e acreditar que o país está preparado para assumir papel de destaque no cenário internacional.
“Neste último ciclo a Canoagem Slalom Brasileira conquistou vários feitos notáveis, como por exemplo: sexto lugar nos Jogos Olímpicos, medalhas em todas as categorias nos Jogos Pan-americanos, desbancando o Canadá como segunda potência continental da modalidade, 4o. geral da Ana Sátila no circuito internacionais de Copas do Mundo, medalhas em Mundiais, coisas que eram simplesmente impossíveis de se imaginar sem os investimentos que foram realizados pelos nossos patrocinadores e apoiadores. Estamos iniciando agora uma nova fase e pretendemos que seja ainda mais produtiva tanto na questão qualitativa como na questão quantitativa, ampliando sobremaneira o número de atletas da base desse esporte com o apoio do Ministério do Esporte”, finalizou.

Mais em Canoagem Slalom