Siga o OTD

Canoagem Slalom

Aos 24 anos, Ana Sátila destaca amadurecimento por medalha

Mesmo com pouco idade, canoísta irá para a sua terceira participação olímpica na capital japonesa no ano que vem

Ana Sátila conquistou duas medalhas de ouro no Pan de Lima no ano passado (Jonne Roriz / COB)

Aos 24 anos, Ana Sátila, da canoagem slalom, já possui um currículo para fazer inveja para a grande maioria dos atletas brasileiros. Dona de quatro medalhas em Jogos Pan-Americanos, a canoísta mineira busca conseguir a sua tão sonhada medalha olímpica em Tóquio, no ano que vem. Será sua terceira participação em Jogos Olímpicos, mesmo com tão pouca idade.

Com apenas 16 anos, Ana Sátila foi a atleta mais jovem da canoagem slalom feminina em Londres-2012 e acabou encerrando a sua participação com a 16ª colocação. Quatro anos mais tarde, na Rio-2016, a atleta já figurava entre as principais concorrentes, porém acabou com um resultado pior que na capital inglesa tendo ficado com a 17ª colocação.

+ Há quatro anos, um louco e inesquecível domingo olímpico

Assim, Ana Sátila já pode se considerar uma atleta experiente. Tanto que ao olhar para trás na sua carreira a atleta já consegue enxergar os erros que comprometeram os seus resultados olímpicos até o momento.

+ Primeira campeã dos 100 m tinha 16 anos e superou até a morte

Erros que não serão repetidos

“Eu não esperava nem chegar a Londres. Foi uma surpresa pra todos, inclusive pra mim. Eu tentava dar o meu melhor a cada treino e não tinha ideia do tamanho da competição que eu estava competindo. Só queria dar o meu melhor independente da competição. Eu não consegui aproveitar aquela Olimpíada. Era uma das primeiras vezes que saía do país então foi tudo novidade e estranho pra mim. Em 2016 foi diferente. Eu tinha muita coisa na minha cabeça. Toda a minha família envolvida e torcendo muito, acho que acabei me colocando uma pressão desnecessária, o que acabou me dificultando as coisas”, avaliou a canoísta em participação em live com o Olimpíada Todo Dia nesta sexta-feira (14).

Com os erros dos Jogos anteriores já assimilados, Ana Sátila, que já está com a sua vaga garantida para Tóquio, trabalha para não cometer as mesmas falhas na capital japonesa e buscar a sua medalha nas categorias C1 ou K1 da canoagem slalom.

“Agora no Japão eu estou muito tranquila. Pela primeira vez eu estou indo para remar pra mim. Eu tenho muito apoio da minha família, do COB, da comissão técnica, do meu país. Está é a primeira vez que eu me sinto preparada e eu estou indo para fazer o meu melhor.  Independente do que aconteça, eu quero colocar tudo o que eu trabalhei nos últimos anos na água e se isso acontecer eu já vou me sentir muito vitoriosa”, avaliou.

Família longe de Tóquio

Ana Sátila, da Canoagem Slalom
Ana Sátila voltou aos treinos no Rio há poucas semanas (Pedro Ramos/ rededoesporte.gov.br)

Uma das mudanças que irá fazer será na estratégia com a família. Apesar de reconhecer o esforço e se sentir prestigiada pelos familiares, a atleta prefere que as pessoas mais próximas permaneçam no país para que a presença deles não se torne uma pressão a mais na disputa.

“Eu quero estar mais tranquila. Seria bem legal com eles lá também mas eu vou me sentir melhor se eles não estiverem por lá na época dos jogos. Já decidimos isso e eles vão torcer do Brasil mesmo”, descreveu.

Espelho de gerações

Com duas participações olímpicas, além da já garantida vaga para Tóquio, Ana Sátila acumula três medalhas de ouro em Jogos Pan-Americanos, duas no ano passado em Lima e uma em Toronto, além dos títulos de campeã mundial júnior 2014 e sub-23 no ano passado. Com um currículo tão recheado em tão pouco tempo, a canoísta sabe que hoje serve de espelho para muitos jovens que estão começando a sua trajetória com o remo e não foge dessa responsabilidade.

https://www.instagram.com/p/CAaaYDeFhHo/

“Eu percebo que os atletas mais jovens se espelham em nós em quase tudo. Quais equipamentos utilizar, qual deve ser o treinamento. Então eu acho isso fundamental. Temos que cuidar da nossa imagem e tentar ajudar sempre. Muitas vezes tem crianças com muita qualidade e acabam desistindo porque não teve um apoio de alguém”, avaliou a atleta.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Com o sonho de um dia montar um projeto ou uma escola para que ajude essas crianças no início da carreira, Ana Sátila cita que mesmo as pequenas atitudes ajudam a manter os jovens atletas empenhados.

“Eu lembro de uma vez que uma menina que me chamou 15 minutos antes de eu largar e me pediu para analisar a pista com ela. Eu fui e consegui ajudá-la e sai correndo pro meu barco para participar da prova. Eu sabia que aquilo seria importante pra ela. São pequenas ações assim que ajudam vários atletas e isso é fundamental”, descreveu.

Mais em Canoagem Slalom