Siga o OTD

Olimpíada

Na França, COB participa do planejamento para Paris 2024

Evento reúne 70 representantes de 30 países e apresenta o panorama da organização da Olimpíada de Paris 2024

Divulgação/COB

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) está na França, onde participa até a sexta-feira, dia 5, de uma série de reuniões promovidas pelo Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Paris 2024. O NOC Open Days reúne 70 representantes de 30 países e está apresentando detalhes sobre diversas áreas da competição. Na agenda, visita às futuras instalações olímpicas, apresentações sobre o planejamento e reuniões com os organizadores sobre logística e acomodações.

O COB está representado no encontro pelo diretor de Esportes da entidade, Jorge Bichara, e pelos gerentes de Alto Rendimento, Sebastian Pereira, e de Jogos e Operações Internacionais, Joyce Ardies. O COB aproveitará a ocasião para avaliar possíveis locais como bases de apoio do Time Brasil durante os Jogos.

“Estamos dando o pontapé inicial para o planejamento de Paris 2024, recebendo as informações mais recentes sobre o plano estratégico do Comitê Organizador. Aproveitamos para visitar algumas instalações e seus arredores para mapear estruturas que podem acomodar a demanda de espaço para serviços e operações diversas. De uma forma geral, é um primeiro momento de entendimento sobre os serviços que serão oferecidos pelo Comitê Organizador e identificarmos opções de locais, hotéis e logística que poderão ser usados em 2024”, descreveu Jorge Bichara, diretor de Esportes do COB.

Modalidades como canoagem, ciclismo, remo, pentatlo moderno, hipismo e surfe terão competições em locais afastados da Vila Olímpica, por isso o COB avalia a possibilidade de bases mais próximas para facilitar a logística de deslocamento dos atletas.

Um dos principais motivos da ida do COB à reunião é a proposta inédita dos franceses para diminuir os custos e a operação na Vila Olímpica. “Uma das diferenças é que Paris está propondo um modelo de Vila diferente de todos os outros Jogos. Eles sugerem que os países abram mão de espaço que eles normalmente têm dentro da Vila em troca de uma maior quantidade de credenciais, Suporte de alimentação, credencias especiais para veículos, etc. Parte da equipe ficaria fora da Vila para que ela fique menor e menos custosa para os organizadores”, relatou Bichara.

“Essas definições têm que acontecer ainda esse ano. Estamos percebendo que o modelo proposto pelos franceses pode servir para os futuros Jogos. A ideia é diminuir a quantidade dos serviços oferecidos, mas não a qualidade. É a primeira vez que isso vai acontecer e vai impactar no planejamento arquitetônico e na própria obra da Vila. É um modelo inédito, que fez com que o COB tivesse interesse em vir para entender”, completou o diretor de Esportes do COB.

Mais em Olimpíada