Siga o OTD

Canoagem Slalom

Brasileiro não faz manobra obrigatória e é desclassificado

Regulamento dos Jogos da Juventude exige de atletas participação na prova de velocidade e na de slalom, e brasileiro preferiu ser eliminado a realizar manobra que não domina

A slalom é longe de ser a praia de Diego Nascimento, de 16 anos. Quando está no Brasil, seus treinos são todos voltados para a canoagem de velocidade em linha reta, como são todas as provas da modalidade em mundiais e Jogos Olímpicos. Nos Jogos da Juventude, contudo, o comitê organizador resolveu adotar uma fórmula diversa, na busca de aproximar o esporte dos torcedores. Exigiu dos atletas a participação tanto na prova de velocidade quanto na de slalom. Não só isso. Mudou a essência das duas. Na de velocidade, incluiu uma curva no meio do caminho. Na de slalom, tirou as provas de corredeiras, criou uma plataforma de lançamento dos barcos, distribuiu uma série de obstáculos num circuito curto e exigiu um rolamento num trecho específico do percurso.

“A slalom não é a minha especialidade, mas fui tentar dar o melhor, como sempre, mas não sei fazer rolamento, tá ligado? Aí não quis arriscar beber um pouquinho dessa água”, ponderou o brasileiro. A entrevista foi minutos após ele ser desclassificado da competição realizada na região de Porto Madero, no Parque Urbano de Buenos Aires, por não ter feito o movimento obrigatório. Ele disputou a fase de classificação contra Dias Bahraddin, do Cazaquistão, que fechou o percurso em 1min23s85. Na prova de velocidade, na sexta-feira 12.10, Diego terminou na sexta posição, eliminado por um décimo da briga pela semifinal.

“Eu queria mais, queria ir além, mas não tive tempo para aprender a trabalhar esse rolamento”, afirmou o atleta, que, mesmo diante das adversidades dos modelos das provas, curtiu a competição. “Estou gostando, tudo é muito bom. Eu esperava morder uma medalha. Por um milésimo não fui para a fase final no “vai e volta da canoa”, brincou.

Para o supervisor de canoagem da seleção brasileira, Álvaro Koslowski, o formato inusitado da competição é difícil de entender e de defender. “Que regra é essa? Quem fez isso? Em que planeta vive? Vira uma gincana. A slalom não é o foco dele. E não faz muito sentido colocar o atleta para treinar intensamente para uma competição num formato que só existe aqui. Para quê? Lá onde ele treina nem barco da slalom tem. A regra não tem cabeça, tronco e membros”.

Volta à rotina

Encerrada a participação no torneio, o baiano de Itacaré já mira a volta à C1 convencional. No ano que vem, a prioridade será o Campeonato Mundial Júnior, agendado para o período entre 1 e 4 de agosto de 2019, em Pitesti, na Romênia. De Buenos Aires, ele leva na bagagem algumas qualidades técnicas que viu nos adversários para adotar nos treinos.

“Aqui tem uns caras com uma técnica muito boa, com um alongamento da remada de uma forma mais centrada, firme. Com um pouquinho de tempo posso agregar isso”, afirmou o atleta, que rema desde os seis anos e abraçou a modalidade influenciado pelo tio, Vilson Nascimento, medalhista nos Jogos Pan-Americanos Rio 2007, e pela tia Valdenice Nascimento, medalhista em mundiais da modalidade. Além da prática esportiva, Diego pretende se formar em engenharia mecânica e, lá na frente, exercer o trabalho de treinador.

Misto de Ana Sátila e Isaquias Queiroz

Para entender o formato escolhido para os Jogos Olímpicos da Juventude, é como se houvesse uma prova que unisse, ao mesmo tempo, dois ídolos de modalidades completamente distintas da canoagem no mesmo balaio. De um lado, Isaquias Queiroz, campeão mundial em provas do C1, disputadas em circuitos em linha reta, em distâncias como 200m, 500m e 1.000m. De outro, a campeã mundial na categoria Extreme da canoagem Slalom Ana Sátila, especialista em provas de corredeiras, disputadas em circuitos fechados, como o construído no Parque Olímpico de Deodoro, ou em cursos d’água naturais. O atleta desce o circuito e tem de passar pelas “portas”, que são obstáculos delimitados, e que devem ser superados a favor ou contra a correnteza, de acordo com as cores.

Fonte: Rede Nacional do Esporte

APOIE O OLIMPÍADA TODO DIA

Desde setembro de 2016, o Olimpíada Todo Dia não deixa você ter saudade dos Jogos nunca. É o único veículo de comunicação que todos os dias traz a trajetória dos atletas olímpicos e paralímpicos, combatendo a monocultura do futebol e na busca de ajudar a mudar a cultura esportiva do Brasil. Gosta do nosso trabalho? Nos apoie! Faça um pix para [email protected]

Outra alternativa para nos apoiar é usando o cupom OTD em compras na Centauro. Com o cupom, você ganha 10% de desconto na compra de equipamentos esportivos e parte do valor será revertido para o Olimpíada Todo Dia. Vale lembrar que os descontos não são cumulativos. Se alguma peça já estiver em oferta, você não conseguirá aumentar o desconto, mas se colocar o cupom OTD, parte do valor vai ajudar o portal do mesmo jeito. Você pode comprar também pela vitrine do OTD no site das Centauro.

Fundador e diretor de conteúdo do Olimpíada Todo Dia

Mais em Canoagem Slalom