Siga o OTD

Ágatha e Duda garantiram a liderança do grupo F do Mundial de vôlei de praia

Vôlei de Praia

Definidas as quatro duplas brasileiras que vão aos Jogos

Ágatha/Duda (foto) e Ana Patrícia/Rebecca, além de Alison/Bruno Schmidt e de Evandro/Álvaro Filho, vão aos Jogos

arquivo

Definidas as quatro duplas brasileiras que vão aos Jogos

Estão definidas as quatro duplas brasileiras que vão disputar o vôlei de praia nos Jogos Olímpicos de Tóquio no ano que vem. No masculino vão Evandro/Bruno Schmidt e também Alison/Álvaro Filho. Já entre as mulheres as vagas ficaram com Ágatha e Duda e Ana Patrícia/Rebecca.

Bruno Schmidt e Alison, que agora vão em duplas diferentes, foram os campeões dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016. Alison, o Mamute, tem ainda uma prata conquistada em Londres 2012 ao lado de Emanuel.

Ágatha também foi medalhista há três anos, prata, jogando ao lado de Bárbara Seixas. Evandro disputou com Pedro Solberg no Rio 2016 e parou nas oitavas de final. Duda, Ana Patrícia, Rebecca e Álvaro Filho vão participar pela primeira vez dos Jogos Olímpicos.

O Brasil é o país com mais medalhas no vôlei de praia nos Jogos Olímpicos, somando três ouros, sete pratas e três bronzes.

Ver essa foto no Instagram

🔔TOKYO, AÍ VAMOS NÓS!!!!! 🔔 • No dia 04/01/2017, nossa equipe fazia uma coletiva de imprensa no @marinabarraclube . Naquele dia, apresentamos nosso time e deixamos claro pro universo nosso primeiro grande objetivo: Conquistar a vaga para Tokyo! • • A partir daquele dia muitas coisas aconteceram. Pessoas saíram, pessoas entraram…. e todos contribuindo para o caminho que esta sendo trilhado. Vivemos momentos bem difíceis (vocês não tem ideia, um dia quem sabe…), e aprendemos bastante com eles….. e vivemos momentos tão legais gente!!! 😍… (estes sei que vcs experimentaram o gostinho)…. legais mesmo… • • E hoje temos a nossa confirmação!!! Conquistamos a vaga!!! Vivaaaa!!! Obrigada a todos que estão nesta viagem com a gente 🤝… família, amigos, patrocinadores, fãs…. mesmo de longe eu acompanho a angústia de muitos fazendo contas, acordando na madrugada pra ver os jogos e fazendo questão sempre de mandar aquela mensagem de força pro time. Vocês são demais 👊 • • Equipe, parabéns para nós!!! Que orgulho estar dividindo esta empreitada com cada um de vocês!!! Parceira @santoslisboaduda , que honra estar fazendo parte da sua jornada, que ja está sendo linda 😍… Agora galera, comemorar…. e depois arregaçar as mangas, porque temos muita coisa boa pra conquistarmos juntos 🤝💪👊 • • Obrigada Pai do Céu 🙏 • • Quem vem nessa com a gente???? • • #timezinzane @zinzaneoficial #timenissan @nissanbrasil @petrobras #timepetrobras @marinhaoficial #teamON #mundobt @oakleybr @optimumnutrition_br @polarbrasil @polarglobal @naomaispelocopacabana @geracaoolimpicapr @prefeituradeparanagua @sesporpgua #marinabarraclube #BBnosEsportes #TorcidaBrasil @bancodobrasil @decathlon @decathlonbrasil @copaya_decathlon #bolsapodio @timebrasil @cbvolei @innovasaude #teaminnovasaude @narsp @institutoevokar

Uma publicação compartilhada por Ágatha Bednarczuk Rippel (@agatha_rippel) em

Fim da Corrida Olímpica

A confirmação veio nesta quarta (16) após a Federação Internacional de Voleibol (FIVB) divulgar o calendário do Circuito Mundial 2019/2020. Como até fevereiro do ano que haverá apenas uma etapa que conta na corrida olímpica brasileira, nenhuma das quatro duplas pode mais ser alcançada.

A corrida olímpica brasileira foi iniciada em fevereiro deste ano levando em conta os pontos obtidos nas etapas quatro e cinco estrelas do Circuito Mundial, além do Campeonato Mundial, com pesos correspondentes. Os times tiveram a possibilidade de descartar as pontuações mais baixas, somando os 10 melhores resultados obtidos durante a temporada.

Alison e Álvaro Filho, do vôlei de praia
Alison e Álvaro Filho (Divulgação FIVB)

A corrida olímpica interna das duplas brasileiras acontece em paralelo à disputa da vaga do país, que segue as regras da FIVB. Cada nação pode ser representada por, no máximo, duas duplas em cada naipe.

Duplas brasileiras no ranking mundial

Alison e Álvaro Filho é a melhor dupla brasileira no ranking mundial. Está na terceira colocação com 5.640 pontos, ao lado dos alemães Thole e Wickler. Evandro/Bruno Schmidt estão em sexto com 5.400.

Ana Patrícia e Rebecca, do vôlei de praia
Ana Patrícia e Rebecca (FIVB)

Os líderes são os quase imparáveis noruegueses Mol e Sorum com 7.840 e, em segundo, estão os russos Krasilnikove e Stoyanovskiy com 6.880. Mol e Sorum disputaram catorze torneios neste ano, venceram sete e foram ao pódio em onze. No mundial de Hamburgo, ficaram em terceiro.

Evandro e Bruno Schmidt, do vôlei de praia
Evandro e Bruno Schmidt (FIVB)

No feminino Ana Patrícia e Rebecca também estão em terceiro lugar no ranking mundial, com Ágatha e Duda coladas logo atrás em quarto. São 6.320 pontos contra 6.240. As canadenses Pavan e Melissa são as líderes com 6.760, seguidas por Klineman e Ross, dos Estados Unidos, com 6.400.

Mais em Vôlei de Praia