Siga o OTD

Vôlei

Daniel Cagliari é mais um que deixa o Brasil rumo à Europa

Oposto brasileiro é reforço do Cambrai Volley, que subiu para a primeira divisão na França, e terá sua primeira experiência internacional na carreira

Daniel Cagliari reforça Cambrai Volley
Depois de uma temporada no Sesc RJ, Cagliari seguirá para sua primeira experiência internacional ( (Juliana Kageyama)

Au Revoir Brasil! Daniel Cagliari, 21, é mais um jogador a deixar o país para a temporada 2020/2021. Nesta quinta-feira (4), o Cambrai Volley anunciou o oposto como reforço após subir para a elite do vôlei na França. O último clube do atleta brasileiro foi o Sesc RJ.

Antes de passar pelo Rio, Daniel Cagliari defendeu o Renata Campinas e agora terá a primeira experiência internacional da carreira. “O Cambrai Volley é um excelente clube que me oferece a oportunidade de crescer como atleta, mas também como homem nessa experiência”.

+ Wallace tem acordo com time turco

No time francês, o oposto atuará na temporada de 2020/2021 ao lado do ponteiro Yago Dutra, que estava no Vôlei Ribeirão. Em 2019/2020, o time francês foi o líder da segunda divisão da modalidade e seguirá para a elite.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

🚨RECRUTEMENT🚨 C’est notre deuxième brésilien 🇧🇷 pour cette saison et il sera notre fer de lance ! Daniel Cagliari notre nouveau pointu se présente de lui-même ! Bienvenue à lui !

Uma publicação compartilhada por Cambrai Volley (@cambrai.volley) em

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Crise causa saída de atletas

Ainda durante a temporada 2019/2020, o Sesc RJ anunciou que o time masculino profissional não seguiria com as atividades. Depois, comunicou a suspensão de todas as negociações de contratação ou renovação de contrato de atletas.

Com duas das quatro equipes mais fortes financeiramente das últimas edições da Superliga enfrentando problemas, a saída dos atletas tem sido o exterior.

A questão não se limita somente ao vôlei masculino. A crise financeira dos clubes também chega ao feminino e as mulheres também estão migrando para a Europa, como é o caso de Paula Borgo.

Mais em Vôlei