Siga o OTD

Bruninho - Bernardinho - Vôlei - Superação

Vôlei

Bernardinho e Bruninho discutem valores e lições do esporte

Em meio à pandemia de Coronavírus, os campeões olímpicos falam da importância do esporte e de seus valores para a sociedade

Bruninho é o filho mais velho de Bernardinho (Instagram/Bruninho1)

Bernardinho e Bruninho discutem valores e lições do esporte

Pai e filho. Treinador e jogador. Campeões. Esses são Bernardinho e Bruninho, dois dos maiores nomes do vôlei e do esporte brasileiro. Mas é claro que os sucesso deles não foi conquistado da noite para o dia. É fruto de muito trabalho e dedicação. E foi exatamente este o tema de uma live solidária, promovida pelo Sesc RJ, clube de Bernardinho, em meio à pandemia de Coronavírus, com os dois nesta quinta-feira (21).

Bernardinho e Bruninho falaram sobre valores e lições que o esporte proporciona, além de superação, liderança e inteligência emocional para lidar com as derrotas.

+Bernardinho abre mão de salário para manter projeto do Sesc

“Como todos sabem, sou filho de dois grandes atletas e o esporte sempre esteve presente na minha vida. Pratiquei vários e aprendi muito em cada um deles. O mais importante é a disciplina. O esporte te dá esse valor, de colocar horário, fazer as coisas da maneira correta”, ressaltou Bruninho, cuja mãe é a ex-jogadora de vôlei Vera Mossa, que foi atleta olímpica.

“Ser atleta é consequência, é a cereja do bolo, mas não é o mais importante. Tem várias pessoas que começaram jogando e seguiram outros caminhos, mas levando esses valores. São ferramentas importantes em qualquer área”, completou Bernardinho.

Formação e treinamento

Uma das partes mais importante na trajetória de um atleta é a formação, a base. É nesse momento que a ainda criança começa a receber essas lições fundamentais descritas por Bruninho e Bernadinho. E é onde se aprende que sem trabalho, não se chega a lugar nenhum. Treinamento é o desenvolvimento da sua capacidade.

“O único elemento que a gente controla é a dedicação ao trabalho. Eu não controlo talento. Então é instigar a ser melhor e não melhor do que o outro, é melhor do que ontem. A única coisa que te dá segurança na hora de fazer alguma coisa é a convicção de você se dedicou e treinou da melhor maneira possível. Claro que pode não dar certo, tem outras pessoas que se dedicam também. Mas você tem certeza de que você fez o seu melhor”, pontuou o novo reforço do Taubaté.

“Essa é mais uma das coisas que aprendei com você (Bernardinho): a dedicação. A vontade de querer ser melhor a cada dia. Cada dia que você perde um treino, é um dia a mais longe do seu sonho. E eu levo isso apra minha vida, essa gana de sempre pensar que eu posso evoluir. A gente não pode se acomodar e o treino é importante por isso”, acrescentou Bruninho.

“Ninguém vai dar nada de graça para você. Você precisa correr atrás do quer. E busque isso trabalhando e com humildade, porque humildade é reconhecer que você sempre pode melhorar. O que me tira do serio é ver alguém com potencial sem o comprometimento devido. Eu nunca fui dos mais talentosos Bruno também não, então a gente valoriza muito isso, essa dedicação”.

Bruninho - Bernardinho - Vôlei - Esporte - Coronavírus
Copa dos Campeões 2009 (Divulgação/FIVB)

Lições da derrota

Tanto Bernardinho, como Bruninho destacaram a importância das derrotas. Mais do que a derrota em si, mas a força de tentar de novo e não desistir. E eles são provas vivas de que funciona.

Bruninho relembrou a dura derrota da seleção brasileira em Londres-2012 e disse que ficou sozinho por horas no quarto, chorando. Mas ele teve a resiliência e determinação de tentar de novo. E tentou. E ganhou.

“Quando você é mais jovem, você sofre muito mais, porque não sabe controlar as emoções e as derrotas. E o esporte vai te ensinando que na vida terão frustrações e te dá a possibilidade de ter uma derrota, mas levantar de novo e buscar a vitória. São coisas que a gente leva para vida, porque a vida é feita de vitórias e derrotas, sucessos e derrotas. E isso é importante para todas as áreas da vida, seja dentro ou fora de quadra”, destacou Bruninho.

“Você não ganha a prata, você perde o ouro. É muito difícil lidar com isso. E na dor, se aprende muito. Quando você se questiona, busca caminhos e toma a responsabilidade. Questionamento provocam mudanças e mudanças promovem crescimento. A gente conquistou a Rio 2016 quando pouca gente acreditava. Mas a gente nunca deixou de acreditar”, complementou Bernardinho.

Bruninho - Bernardinho - Vôlei - Esporte - Coronavírus
Bruninho e Bernardinho com o ouro da Rio 2016 (Fernando Frazão/Agência Brasil)

O papel do líder

Bernardinho e Bruninho são líderes natos. Dentro e fora de quadra. Mas se engana quem pense que ser líder é fácil. Para eles, ser líder significa ser exemplo. E a humildade tem grande papel nisso.

“A grande característica de um líder é ser exemplo, mas tem de ter a humildade de se colocar no mesmo lugar dos outros. Quando eu cheguei na seleção, o Serginho era o cara que treinava mais que todo mundo depois de ser campeão olímpico, mundial… Ele foi um espelho para mim. Se eu não fizer o minimo para fazer o que eles fazem depois de ter ganhado tudo, está errado. Então o líder tem esse papel, de motivar e inspirar as pessoas”, relembrou Bruno.

“Liderança só se sustenta com exemplo. Não adianta falar algo e não fazer. E ter humildade é muito importante. O líder não está acima de ninguém. O único momento que alguém está por cima é quando for ajudar o outro a levantar. As pessoas tem a ideia de que um líder é um ser superior e não tem nada disso. O líder cuida das pessoas e se preocupa com elas”, completou o ex-técnico da seleção brasileira masculina.

O valor da coletividade

Bruninho - Bernardinho - Vôlei - Esporte - Coronavírus
Bruninho, levantador e capitão da seleção masculina (Divulgação)

“A gente não vive sozinho e precisa do outro”. A frase de Bruninho resume tudo. E ele ressalta que isso vale para o esporte, mas também para a vida. “Temos que entender que o nós é mais importante que o eu. Você depende do seus companheiros e isso eu levei para fora da quadra, essa vontade de ajudar e querer fazer algo pelo outro”.

“O mais legal é você poder compartilhar momentos. Não tem nada melhor do que compartilhar um bom momento com seus companheiros, seja família, time, no trabalho… E compartilhar a derrota também é importante, porque vai te dar força pra sair dali e superar aquilo”, completou.

A importância da prática esportiva

Muito mais do que formar campeões, o esporte forma cidadãos. Como Bernardinho falou mais acima, virar atleta de alto rendimento é a cereja do bolo.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

“Educação e saúde. O quanto isso economizaria em gastos com saúde, para combater obesidade, diabetes… O alto rendimento é o que inspira, é o que faz a criança querer participar. Então essa interação entre iniciação e alto rendimento é fundamental. O esporte é transformador e é muito importante, porque dá oportunidades”, pontuou o treinador do Sesc RJ.

Coronavírus e suas lições

O Coronavírus chegou e colocou o mundo de cabeça para baixo. Os impactos são sociais, econômicos, políticos e também esportivos. O recado de Bruninho e Bernardinho é, portanto, que as pessoas tentem buscar o que dá para tirar de positivo em uma situação como essa. Mas principalmente, manter o sentimento de solidariedade para além da pandemia.

“Tem sido um momento muito difícil, a gente não está acostumado com isso, mas é sem duvida um momento de reflexão e que a gente possa querer melhorar com isso. Então é aproveitar esse momento como uma oportunidade. É tentar enxergar algo positivo, mesmo no negativo. São muitas mortes, isso machuca a gente, mas é uma oportunidade de crescer, ser mais solidário, mais empático”, disse Bruninho.

“Por que quando a gente sair dessa pandemia, nossa economia melhorar, a gente vai desligar o modo de solidariedade? Vamos continuar olhando para o lado. Vamos aprender com essa situação e melhorar a nossa capacidade de olhar para o outro, ter empatia, compaixão. Porque nós somos um grande time. E para esse projeto Brasil dar certo, nós temos que nos entender como um time”, concluiu Bernardinho.

Mais em Vôlei