Siga o OTD

Jessica Messali e Ronan Cordeiro

Paralímpicos

Jessica Messali e Ronan Cordeiro vão ao pódio World Triathlon Para Series

Jessica Messali e Ronan Cordeiro ficam com prata e bronze, respectivamente, na etapa disputada no Japão

Divulgação

Jessica Messali e Ronan Cordeiro vão ao pódio World Triathlon Para Series

Na disputa do World Triathlon Para Series Yokohama, no Japão, o Brasil foi ao pódio em duas oportunidades. Nesta sexta-feira (14), na disputa da categoria PTWC feminina, Jessica Messali ficou com a medalha de prata, por apenas 18s de diferença. Entre os homens, Ronam Cordeiro foi bronze na disputa da categoria PTS5. Com os resultados, a dupla se aproxima da vaga na Paralimpíada de Tóquio.

Por conta da pandemia, o ranking paralímpico foi paralisado e nenhum atleta está oficialmente confirmado para os Jogos Paralímpicos de Tóquio. Para se garantir no Japão, Jessica e Ronan precisam manter o padrão de resultado na próxima etapa do World Triathlon Para Series, que acontece em junho na Inglaterra, já que a vaga para a Paralimpíada se dará pelo ranking mundial.

Jessica Messali é prata

Na disputa feminina da categoria PTWC, que é para atletas cadeirantes que usam handcycle, no ciclismo, e cadeira de rodas, na corrida, Jessica Messali ficou com a prata. Com a marca de 1h08min10s, sendo 16min11s na natação, 35min39s no ciclismo e 13min26s na corrida, a brasileira ficou atrás somente da americana Kendall Gretsch, que cruou a linha de chegada em 1h07min52s. O bronze ficou com Eva María Pedreiro, com o tempo de 1h09min43s.

-Antônio Tenório e Ana Marcela puxam fila de vacinação dos atletas para Tóquio

Ronan Cordeiro fica com o bronze

Outro brasileiro que foi ao pódio nesta sexta-feira foi Ronan Cordeiro. Na prova masculina da classe PTS5, que é para atletas com deficiências físico-motoras e paralisia cerebral andantes, o brasileiro completou o World Triathlon Para Series Yokohama com a marca de 58min19s, ficando com o bronze. Ronan ficou atrás somente do britânico George Peasgood, que é tetracampeão nacional e foi sétimo na Paralimpíada de 2016, que ficou com o ouro no Japão, e de Martin Schutz, da Alemanha, que cruzou a linha de chegada com a marca de 57min25s.

Mais em Paralímpicos