Siga o OTD

Filmes de esportes olímpicos para se ver durante a quarentena

Tóquio 2020

Filmes de esportes olímpicos para se ver durante a quarentena

Começa a partir de hoje o FIlmOlimpíada Todo Dia. Uma sessão semanal com dicas de filmes ligados ao mundo esportivo para você aproveitar enquanto o coronavírus não te deixa sair de casa

Michael Jordan estica o braço para enterrar contra os alienígenas em Space Jam (Crédito: reprodução)

Filmes de esportes olímpicos para se ver durante a quarentena

O avanço do novo coronavírus, o Covid-19, conseguiu parar o mundo esportivo quase por completo. Diversos eventos do esporte olímpico foram cancelados, suspensos ou adiados e ainda não tem data certa para voltar. A pandemia obrigou governos e sociedades a tomar uma série de medidas visando combater a disseminação da doença. Uma das mais importantes é evitar a aglomeração de pessoas e, para isso, autoridades têm pedido para que a população se isole em casa e evitar contato com terceiros.

Pensando nisso, o Olimpíada Todo Dia preparou uma lista com uma série das principais produções do cinema relacionadas aos esportes olímpicos para você buscar enquanto estiver em casa, sozinho ou com sua família. Começa hoje, portanto, a sessão FILMOlimpíada Todo Dia (FilmOTD), com sete dicas de filmes para você aproveitar ao longo da semana.

Dois dos sete filmes listados hoje vieram através de sugestões no nosso Instagram. Se você lembrar de um bom filme para a semana que vem, pode nos sugerir por lá ou pelo facebooktwitter

SPACE JAM – O JOGO DO SÉCULO

Um dos filmes mais icônicos dos anos 1990, Space Jam, de 1996, coloca o coelho Pernalonga e toda a sua a turma dos Looney Toones junto com os principais atletas da NBA à época, incluindo Michael Jordan, considerado por muitos como o maior jogador da história do basquete.

Na trama, alienígenas querem que Pernalonga e sua turma tornem-se a principal atração de um parque de diversões em seu planeta natal. Prestes a ser capturado, Pernalonga propõe um jogo de basquete em troca de sua liberdade. Os extra-terrestres aceitam, mas como não são habilidosos, decidem ir a Terra para roubar as habilidades dos jogadores da NBA e formam o temível time dos Monstars, aparentemente imbatível. Mas Pernalonga consegue o reforço do melhor jogador da liga do Chicago Bulls para a disputa do “Jogo do Século”.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Mas cuidado: em determinado momento do filme, você começará a se questionar se ele é realmente de 1996 ou de 2020, tamanha a semelhança com o momento que vivemos hoje. O roubo das habilidades dos jogadores da NBA por parte dos alienígenas causa um medo de um vírus global, semelhante ao coronavírus. Os atletas do Los Angeles Lakers se recusam a entrar em quadra e utilizam máscaras de proteção. Vale lembrar que na semana passada, A NBA suspendeu a atual temporada por tempo indeterminado após saber que um de seus jogadores, o francês Rudy Gobert, do Utah Jazz, havia contraído o coronavírus. Confira a “previsão do coronavírus”abaixo:

CARRUAGENS DE FOGO

O filme britânico de 1981 é um dos mais aclamados da história do cinema olímpico. Recebeu sete indicações ao Oscar e venceu três estatuetas, incluindo a de melhor filme.

Às vésperas das Olimpíadas de 1924, em Paris, a equipe de atletismo da Grã-Bretanha vai em busca do sonho olímpico. Dois atletas pretendem integrar a equipe: Eric Liddell (Ian Charleson), um missionário escocês que corre em devoção a Deus, e Harold Abrahams (Ben Cross), um britânico judeu que enriqueceu recentemente e deseja provar sua capacidade para a sociedade de Cambridge. Às suas respectivas maneiras, totalmente diferentes, os dois se preparam para correr a prova dos 100 metros, mas Lidell se recusa a competir, alegando que a prova ocorreria no domingo, considerado um dia santo em sua religião.

A trilha sonora é inesquecível e certamente você já ouviu o tema principal do filme em algo relacionado ao esporte olímpico em sua vida. Na abertura dos Jogos de Londres-2012, o ator Rowan Atkinson, famoso por interpretar o personagem Mr Bean, fez uma sátira de Carruagens de Fogo ao vivo no Estádio Olímpico de Londres. Relembre:

JAMAICA ABAIXO DE ZERO

Provavelmente um dos primeiro filmes relacionados aos Jogos Olímpicos de Inverno que vem à cabeça, ao menos de quem cresceu vendo a Sessão da Tarde nos anos 1990 (incluindo este repórter que vos escreve) e falando “eins ,zwei, drei!” (“um, dois, três!”, em alemão) assim que qualquer trenó inicia sua descida em uma prova.

Baseado em uma história parcialmente real, o filme de 1993 mostra que só o fato de estar presente nos Jogos Olímpicos e poder competir é mais importante do que a vitória em si.

Jamaica Abaixo de Zero conta a história de Enrico “Irving” Blitzer (John Candy), atleta do bobsleigh que caiu em desgraça após colocar pesos extras no seu trenó na disputa dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sapporo-1972 e se mudou para a Jamaica. Anos depois, Derice Bannock (Leon), um jamaicano filho de um antigo amigo de Irvin e velocista do atletismo, não consegue classificação para a prova de 100 metros rasos dos Jogos Olímpicos de Verão de Seul-1988 por conta de um acidente. Obcecado em chegar aos Jogos, monta uma improvável equipe de bobsleigh de um país sem tradição algum no esporte que sobre a supervisão de Blitzer, consegue a classificação para a Olimpíada de Inverno de Calgary-1988, no Canadá.

A história do treinador é fantasiosa, mas a classificação jamaicana para os Jogos Olímpicos de Inverno de 1988 de fato aconteceu. O quarteto formado por Dudley Stokes, Devon Harris, Michael White e Freddy Powe acabou não terminando a descida na pista de Calgary. A equipe jamaicana conseguiu classificação para mais três edições dos Jogos, em 1992, 1998 e 1994, quando terminaram na 14ª colocação em Lillehammer, na Noruega, a melhor da história até hoje.

MUNIQUE

O filme de 2005 conta a história de um dos momentos mais tristes da história dos Jogos Olímpicos. Dirigido pelo consagrado diretor Steven Spielberg, Munique relata os eventos que seguiram o Massacre de Munique de 1972, o atentado terrorista ocorrido em 5 de setembro daquele ano e que ficou marcado após onze integrantes da equipe olímpica de Israel terem sido pegos como reféns e mortos pelo grupo terrorista palestino Setembro Negro. 

O enredo conta a história de um esquadrão do Mossad – o serviço secreto de Israel – , liderado por Avner Kaufman (Eric Bana), requisitado para caçar e matar os terroristas responsáveis pelo assassinato dos atletas israelenses.

Munique recebeu seis indicações ao Oscar de 2006, incluindo melhor filme e melhor diretor, mas acabou sem nenhum prêmio. É o mais pesado dos filmes citados anteriormente, mas cativante e interessante de seguir.

FOXCATCHER – UMA HISTÓRIA QUE CHOCOU O MUNDO

Mais recente dos filmes citados até aqui, Foxcatcher é um filme de 2014 dirigido por Bennett Miller, vencedor do prêmio de melhor diretor no Festival de Cannes de 2014, que aborda a relação de amor e ódio entre um atleta de wrestling e seu treinador.

O filme é baseado na história real do campeão olímpico na luta greco-romana nos Jogos Olímpicos de Los Angeles-1984 , Mark Schultz (Channing Tatum), que sempre viveu às sombras de seu irmão mais velho, David (Mark Ruffalo), também campeão olímpico em Los Angeles, e que é tratado como uma lenda no esporte. Em um dia, Mark recebe um convite para visitar o milionário John du Pont (Steve Carell) em sua mansão. Apaixonado pelo esporte, du Pont oferece a Mark que entre em sua própria equipe, a Foxcatcher, onde teria todas as condições necessárias para se aprimorar. Os dois se dão bem no início, mas acabam tendo uma relação no mínimo peculiar, muito em função da loucura de du Pont.

Se você não conhece a história dos três, não cometa o erro de procurá-la no google. Se assim fizer, será menos impactado com o surpreendente final.

Destaca-se no filme a direção e os excelentes trabalhos dos três atores, principalmente de Steve Carell, até então vinculado aos papéis cômicos em filmes e séries como Todo Poderoso e The Office. Carell e Ruffalo foram nomeados ao Oscar, mas não venceram. Foxcathcer recebeu mais quatro indicações da Academia, incluindo a de melhor diretor para Bennett Miller, que acabou não levando a estatueta.

FULL DAY

Indicado pela seguidora do Olimpíada Todo Dia no Instagram Paloma Dias (@paloma.acrobatics), Full Out foi feito em 2015 e conta uma bela história de superação na ginástica artística.

É outro filme baseado em fatos reais. Nos apresenta a ginasta semi-profissional americana Ariana Berlin. Ela era uma das maiores atletas da Universidade da Califórnia (UCLA), mas que tem a carreira interrompida após um grave acidente de carro. Ficou desmotivada após ouvir dos médicos que nunca mais voltaria a praticar a modalidade que tanto amava. Impedida de realizar seu grande sonho, o de competir nos Jogos Olímpicos, a atleta começa a perder as esperanças, até conhecer sua fisioterapeuta Michelle, que lhe traz novas motivações através da dança.

Ana Golija, atriz que interpreta Ariana, recebeu uma indicação para o prêmio de melhor atriz mirim em um filme ou série no Canadian Screen Awards de 2016.

OS REIS DE DOGTOWN

Outra indicação de filme que veio através do nosso Instagram. Clayton Schinkel (@claytonschinkel) recomendou Os Reis de Dogtown. O filme de 2005 que conta a história dos Z-Boys, um influente grupo no mundo do skate que revolucionou o esporte.

O filme mostra como o grupo de jovens surfistas mudou o mundo do esporte sobre quatro rodas na década de 1970, na cidade de Venice, Califórnia. No bairro de Dogtown, Tony Alva (Victor Rasuk), Stacy Peralta (John Robinson) e Jay Adams (Emily Hirsch) são os personagens principais. Eles passam o dia importando as manobras que praticavam no surfe para o skate, executando-as nas ruas, principalmente nas piscinas vazias da cidade.

Apesar de não ter sido aclamado pela crítica, o filme é uma grande referência no mundo dos skatistas. Para se ter uma ideia, Tony Hawk, um dos maiores nomes da história do esporte, faz uma participação especial como um astronauta. As invenções dos Z-Boys servem de base para o skate vertical até hoje.

Mais em Tóquio 2020