Siga o OTD

Ao vivo- Luisa Stefani:Hayley Carter x Shuko Aoyama:Ena Shibahara na final do WTA de Miami

Tênis

Luisa Stefani e Hayley Carter são vice-campeãs do WTA de Miami

Luisa Stefani e Hayley Carter perdem para as japonesas Shuko Aoyama e Ena Shibahara por 6/2 e 7/5 na final do WTA 1000 de Miami

Marcelo Stefani

Luisa Stefani e Hayley Carter são vice-campeãs do WTA de Miami

A paulistana Luisa Stefani e a norte-americana Hayley Carter conquistaram neste domingo o vice-campeonato do WTA 1000 de Maimi, torneio sobre o piso duro com premiação de US$ 3,26 milhões. A dupla foi derrotada na final pelas japonesas Ena Shibahara e Shuko Ayoama, cabeças de chave 5 do torneio, com parciais de 6/2 e 7/5.

Foi o terceiro vice-campeonato de Luisa Stefani e Hayley Carter em 2021. As duas também chegaram às finais em Adelaide, na Austrália, e Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, em 2021. Em cinco jogos contra as japonesas Ena Shibahara e Shuko Ayoama continuam com apenas uma vitória, no US Open do ano passado.

+Bia Haddad Maia arrasa venezuelana e está na final na Argentina

No jogo deste domingo, Ena Shibahara e Shuko Ayoama dominaram o primeiro set, quebraram duas vezes o serviço das adversárias e fecharam em 6/2. No segundo set, Luisa Stefani e Hayley Carter deram a pinta de que levariam a partida para o match tie break ao abrir 5/2, mas perderam cinco games seguidos e foram derrotadas pelas japonesas por 7/5.

“Mais um jogo super duro, mais uma final disputada contra as japonesas. Não conseguimos nos soltar e jogar nosso melhor no primeiro set. Elas foram mais inteligentes taticamente e também ganharam os pontos decisivos, que fizeram a diferença. No segundo jogamos bem melhor, nosso estilo, da maneira que deveríamos jogar e acabamos deixando escapar, não era para termos perdido o segundo set, pois iríamos ao terceiro e poderia cair para qualquer lado. É melhorar para as próximas oportunidades e aperfeiçoar para termos mais chances no futuro”, analisou Luisa, que tem o patrocínio do Banco BRB e os apoios da Fila, CBT, HEAD, Saddlebrook Academy, Tennis Warehouse e Liga Tênis 10.

“Duas semanas muito positivas em Miami, primeira vez numa final de WTA 1000, melhor ranking da carreira. Muita aprendizagem e feliz com o nível que a gente vem apresentando e a nossa melhora nos últimos meses. Agora é seguir trabalhando e o ano só está começando. Obrigado a todos que mandaram mensagens e por toda a energia que estou recebendo.  Vamos que vamos, que tem muito mais pela frente”, acrescentou.

Após a premiação, Luisa fez questão de comemorar o vice-campeonato ao lado dos pegadores de bola do torneio. Ela e o irmão, quando eram adolescentes, tentaram ser pegadores de bola em Miami, e não foram aceitos. Por isso, Luisa lembrou que jogar em Miami foi muito especial nestes dias.

Agora, Charleston, depois Polônia – A dupla não descansa e já segue para Charleston, na Carolina do Sul, para a disputa do WTA 500 local com premiação de US$ 565 mil, disputado sobre o Har Thru, o saibro verde, pó de cimento. A dupla estreia na terça ou quarta-feira contra as checas Lucie Hradecka e Marie Bouzkova. Depois de Charleston, Luisa vai para Bytom, na Polônia, jogar a Billie Jean King Cup pela equipe do Brasil. Em seguida, começa a temporada europeia no saibro com Stuttgart, Madri, Roma e Roland Garros.

Carreira – Luisa Stefani, 23 anos, nascida em São Paulo (SP), mora em Tampa, na Flórida (EUA), treinando na Saddlebrook Academy. Cursou a universidade americana de Pepperdine, onde jogou o circuito universitário por alguns anos. Se destacou e optou por trancar a faculdade para disputar o circuito profissional integralmente a partir de meados de 2018. Ganhou destaque nas duplas e começou a colher resultados já em 2019, conquistando um título no WTA de Tashkent, no Uzbequistão, e o vice-campeonato em Seul, na Coréia do Sul, em outubro, com sua então nova parceria, a norte-americana Hayley Carter, terminando o ano perto das 70 melhores do mundo.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO FACEBOOK E NO TIKTOK

Em 2020, conquistou o WTA 125 de Newport Beach, na Califórnia e chegou às oitavas de final do Australian Open. Após a quarentena, comemorou o título do WTA de Lexington, nos Estados Unidos. Terminou o ano como a 33ª do mundo, primeira brasileira no top 40 em mais de três décadas. Começou 2021 com a final no WTA 500 de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, alcançando o top 30 – a primeira brasileira desde 1976 – e chegou à segunda decisão em Adelaide. Há duas semanas, foi quadrifinalista do WTA 1000 de Dubai. Como juvenil, também foi destaque, conquistando vitórias em Wimbledon e se tornando Top 10.

Veja como foi: Luisa Stefani/Hayley Carter x Shuko Aoyama/Ena Shibahara na final do WTA de Miami

Mais em Tênis