Siga o OTD

Pan 2019

Milena Titoneli: a ex-gordinha virou campeã pan-americana

Milena Titoleni era gordinha aos 13 anos, começou no taekwondo para emagrecer, se apaixonou e virou medalhista mundial e pan-americana

Milena Titoneli fez história nesta segunda-feira. Além de fazer parte do time que fez a melhor campanha do taekwondo brasileiro na história dos Jogos Pan-Americanos, ela se tornou a primeira mulher do país a ganhar uma medalha de ouro na competição. Antes dela, Natália Falavigna foi prata em 2007, feito repetido por Talisca Reis no último sábado. O curioso é que a trajetória da atleta de 20 anos começou justamente porque, nas adolescência, a vida dela era completamente oposta à de um esportista.

“É uma história muito engraçada! Eu tinha 13 anos, estava começando a engordar porque eu não fazia nada, aí eu me mudei para São Caetano e a minha mãe falou: ‘Está na hora de começar a fazer um esporte’. Só tinha vaga para o judô e para o taekwondo e as aulas eram na mesma sala, no mesmo tatame. Eu me identifiquei mais com o taekwondo e comecei a fazer. Desde então, criei uma paixão”, conta a campeã dos Jogos Pan-Americanos.

A paixão foi a primeira vista ou ao primeiro golpe. Mas não foi muito fácil assumir o taekwondo como a modalidade preferida dela. A mãe, que lhe sugeriu fazer um esporte, esperava que a filha fosse escolher basquete ou vôlei, mas teve que se acostumar pela preferência de Milena Titoneli pela luta. “No começo, meus pais tinham um pouco de medo porque eu chegava do treino sempre com olho roxo ou com algum roxo pelo corpo. Eles ficavam assustados, mas depois viram que ia dar certo e acabaram apoiando. Eu já tive muitos problemas, já quebrei o nariz cinco vezes e minha mãe sempre fica preocupada, mas ela sabe que é o que eu gosto, então ela apóia”, conta a lutadora.

O fato é que tudo aconteceu muito rápido. Em apenas sete anos, a garota que começou no esporte por causa de uma preocupação estética, não só virou atleta de alto nível como chegou muito rápido a resultados importantes a nível internacional. Em maio, ela conquistou a medalha de bronze no Mundial e, pouco mais de dois meses depois, chega ao ouro do Pan. “Eu não me considero muito nova, mas tenho grandes sonhos de estar na Olimpíada de 2020, mas não só nela. Quero estar na de 2024 e assim por diante. E meu grande sonho é ser olho numa Olimpíada e num Mundial também. Mas não é numa só não. Quero em mais de uma, se possível”, ambiciona.

E não dá para duvidar de Milena Titoneli. Poucos dias antes da abertura dos Jogos Pan-Americanos, a reportagem do Olimpíada Todo Dia conversou com a atleta, que deixou claro não só o desejo, mas a confiança que tinha na conquista da medalha de ouro em Lima.

“Eu já que vi que eu estava muito bem com o bronze do Mundial, mas eu não quis deixar parar por lá e vim buscando mais, estudando mais junto com meus treinadores, treinando e eu sabia que ia chegar aqui e fazer um grande trabalho”, explica.

Para Milena Titoneli, o grande sucesso dela tem muito a ver com o trabalho desenvolvido pelos técnicos Clayton e Reginaldo dos Santos, irmãos que comandam a equipe Two Brothers, de São Caetano do Sul, onde ela treina.

“Meus treinadores conhecem muito do taekwondo mundial. Eles estudam muito e acabou juntando o meu biotipo, que é bom para o esporte com o trabalho duro que a gente faz com eles. Foi assim que consegui evoluir rápido”, considera.

E foi justamente o fazer parte da equipe que despertou em Milena Titoneli o desejo de disputar e ganhar uma edição dos Jogos Pan-Americanos. Em 2015, com apenas 16 anos, ela viu tudo pela TV e planejou estar aqui quatro anos depois.”Eu vi meus companheiros participando e coloquei na cabeça que um dia estaria nos Jogos Pan-Americanos e que um dia iria ganhar. E não vai parar por aí”, promete.

Mais em Pan 2019