Siga o OTD

revezamento tocha olímpica japão

Laguna Olímpico

Tóquio-2020 não permitirá aglomerações no revezamento da tocha

Comitê organizador ameaça até suspender a passagem do fogo olímpico pelo Japão se o público não respeitar o protocolo

Organizadores podem até suspender o revezamento da tocha se as regras não forem cumpridas (Reprodução/tokyo2020.org)

Tóquio-2020 não permitirá aglomerações no revezamento da tocha

Preocupado em evitar riscos que comprometam ainda mais a imagem da Olimpíada de Tóquio, em razão da pandemia do coronavírus, o comitê organizador dos Jogos 2020 resolveu jogar pesado. Há um mês do início do revezamento da tocha olímpica, os organizadores avisaram em entrevista coletiva nesta quinta-feira (25) que não irão permitir aglomerações públicas. Tudo para evitar novos casos de Covid-19 no país.

Até agora, desde o começo da pandemia, o Japão já teve 427.732 pessoas infectadas pelo coronavírus e 7.664 óbitos. Nas últimas 24h, foram registrados 904 novos casos, segundo números divulgados pela Universidade Johns Hopkins.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Siga

Diante da crise de imagem que a Olimpíada vem despertando entre os japoneses – pesquisa feita pelo jornal “Japan Times” apontou que 72% dos entrevistados queriam um novo adiamento ou mesmo cancelamento dos Jogos –, os  organizadores fizeram questão de reforçar que não irão afrouxar nas medidas de isolamento. E até ameaçam suspender o revezamento da tocha olímpica caso as regras não sejam cumpridas.

“Se houver aglomerações densas nas ruas, o revezamento poderá ser interrompido, pois priorizamos a segurança e proteção”, afirmou Yukihiko Nunomura, vice-diretor geral do comitê Tóquio-2020, durante a entrevista coletiva.

Entre as medidas de contenção, está prevista a transmissão diária do evento pela TV, para evitar que o público acompanhe na rua. Para quem estiver no local, será solicitado que apoiem os participantes apenas com palmas. O torcedor que estiver acompanhando o trajeto da tocha poderá apenas consumir água.

Segundo Nunomura, mais uma cidade desistiu de participar do revezamento. Após a prefeitura de Shimane abrir mão na semana passada, agora foi a vez de Tochigi, que deveria entrar na rota da tocha olímpica no final de março. A justificativa foi que a prefeitura local avaliou que as atividades ao ar livre não essenciais fossem canceladas em meio à pandemia.

O revezamento da tocha olímpica tem início previsto para o dia 25 de março, em Fukushima. A cidade foi a mais afetada no tsunami de 2011.

Sem vacina obrigatória

Apesar da pressão de vários países, a vacinação não será um requisito obrigatório para os atletas disputarem a Olimpíada e Paralimpíada de Tóquio. Embora incentivem que se vacinem, caso seja possível, os organizadores liberaram os atletas de tomar o imunizante.

“Estamos reunindo uma série de medidas abrangentes para realizar um evento seguro e protegido, sem a necessidade de vacinas como pré-requisito”, afirmou Tamayo Marukawa, que assumiu o cargo de ministra da Olimpíada.

A decisão dos organizadores foi marcada pelo bom senso. Afinal, não é segredo para ninguém que não há vacina para todos e beirava o imoral defender que atletas tivessem algum tipo de prioridade para serem imunizados. O próprio Japão ainda não começou a vacinar sua população e a decisão de vacinar atletas poderia aumentar a rejeição que os Jogos já estão enfrentando.

Clique no link e seja você também um apoiador do blog. Ajude a combater a monocultura esportiva no Brasil

Mais em Laguna Olímpico