Siga o OTD

Isadora Williams durante apresentação no Cranberry Cup de patinação artística

Brasil Zero Grau

Lesão assusta, mas não preocupa Isadora na patinação artística

Isadora Williams sente lesão durante o Cranberry Cup, mas garante estar pronta para a repescagem olímpica da patinação artística em setembro

Isadora Williams participa do programa curto do Cranberry Cup de patinação artística (Reprodução/YouTube)

Lesão assusta, mas não preocupa Isadora na patinação artística

Não foi o domingo que Isadora Williams e toda a torcida queriam. Em vez de analisar seu desempenho no Cranberry Cup de patinação artística, a brasileira precisou abandonar o programa longo nesse domingo, 15 de agosto, por dores no pé. Um susto grande a um mês do torneio que vai definir as últimas seis vagas olímpicas na modalidade.  

Isadora teve uma fratura por estresse em seu pé de apoio justamente por conta do excesso de força e exercícios repetitivos durante treinamento – algo corriqueiro nesse esporte. As dores começaram em julho, mas a representante da CBDG demonstrou boa recuperação nas últimas semanas – a ponto de estrear na temporada nesse fim de semana.

“Eu ainda me recuperava de uma fratura por estresse no meu pé. Eu perdi a entrada no meu giro e escorreguei. Estava com muitas dores e tive que desistir do meu programa longo. Obrigada a todos pelo carinho, orações e apoio. Eu estarei pronta para o Nebelhorn”, escreveu Isadora no Twitter.

Apesar de tranquilizar os torcedores sobre o status da lesão, é a última frase da brasileira que chama a atenção. Ela sabe que o Troféu Nebelhorn é o ponto alto de sua atual temporada. O torneio, que acontecerá em Oberstdorf, na Alemanha, entre 22 e 25 de setembro, vai funcionar como repescagem olímpica para a patinação artística.

Toda sua preparação é orientada para chegar bem a esta competição, da mesma forma que fez em 2013 e 2017. É até mais importante do que os Jogos Olímpicos porque, sem um bom resultado nele, ficará de fora dos Jogos de Inverno de Pequim de 2022. Portanto, todo cuidado é pouco em relação à lesão.   

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Programa curto teve erros, mas mostrou potencial

Isadora Williams até começou sua apresentação no programa longo, mas abandonou a disputa e sua nota não foi contabilizada no evento de patinação artística. Um dia antes, ela participou do programa curto e cometeu alguns erros que prejudicaram seu resultado. Na ocasião, ela foi a 16ª colocada dentre as 24 competidoras com 44.84 pontos.

Durante sua apresentação, a brasileira teve dois problemas. Não chegaram a ser quedas, mas resultaram em duas deduções e uma pontuação menor nos elementos. Mesmo assim, sua nota ficou dentro da média do programa, o que reforça a ideia de que uma boa execução pode garantir uma nota melhor para suas pretensões olímpicas na patinação artística.

A patinadora Alysa Liu, campeã norte-americana em 2020, confirmou o favoritismo e ficou na primeira colocação com 205.74 pontos. A sul-coreana You Young, ouro nos Jogos da Juventude de Inverno de 2020, ficou com a prata com 182.88 e Mariah Bell, dos Estados Unidos, foi a terceira com 179.42.

+ O BRASIL ZERO GRAU TAMBÉM ESTÁ NO TWITTER, NO FACEBOOK E NO INSTAGRAM! SIGA!

Quais os próximos passos de Isadora na patinação artística?

Para chegar bem ao Troféu Nebelhorn, em setembro, os próximos dias serão cruciais para Isadora Williams. Certamente ela deve retomar o processo de recuperação nesta fratura por estresse para reduzir as dores e retomar os treinamentos o quanto antes.

O tempo não joga a favor da brasileira dessa vez. Faltam apenas 38 dias para o início da repescagem olímpica na patinação artística no gelo. Por conta disso, dificilmente vai participar de mais algum torneio oficial antes da competição na Alemanha.

Em todo o caso, a representante da CBDG chega novamente com força para tentar a terceira classificação olímpica. Surpresa ao se classificar para os Jogos Olímpicos de Sochi, em 2014, Isadora mostrou força ao conseguir seu melhor resultado pessoal para se classificar aos Jogos de PyeongChang, em 2018.

Mais em Brasil Zero Grau