Siga o OTD

Bicampeã do Troféu Brasil e vencedora do GP Brasil, Gabriele Santos pensa grande sua carreira no atletismo e tem como objetivo em 2021 o índice para os Jogos Olímpicos de Tóquio. Mas ela não quer só participar do evento. A atleta do salto triplo deseja disputar a final da prova. A Olimpíada na capital japonesa está marcada para ocorrer de 23 de julho a 8 de agosto deste ano.

Tóquio 2020

Gabriele Santos confia em índice e ambiciona final em Tóquio

A saltadora Gabriele Santos pensa grande sua carreira no atletismo e tem como principal objetivo o índice e disputar a final do salto triplo nos Jogos de Tóquio

Gabriele Santos é atleta do Pinheiros e natural do Rio de Janeiro (Wagner Carmo/CBAt)

Gabriele Santos confia em índice e ambiciona final em Tóquio

Bicampeã do Troféu Brasil e vencedora do GP Brasil, Gabriele Santos pensa grande sua carreira no atletismo e tem como objetivo em 2021 o índice para os Jogos Olímpicos de Tóquio. Mas ela não quer só participar do evento. A atleta do salto triplo deseja disputar a final da prova. A Olimpíada na capital japonesa está marcada para ocorrer de 23 de julho a 8 de agosto deste ano.

+ Seleção brasileira fará período de treinos de revezamento

Gabriele Sousa dos Santos faz parte da equipe de atletismo do Pinheiros e é natural do Rio de Janeiro. Atualmente com 25 anos, a atleta fechou a temporada 2020 em 12º lugar no ranking mundial da WA (World Athletics), com a marca de 14,17 m no salto triplo, sua melhor marca pessoal. Ela também foi eleita a melhor atleta do Troféu Brasil Caixa no ano passado. A competidora carioca é treinada em São Paulo há dois anos por Nélio e Tania Moura.

+ Brasileiros se destacam no ranking olímpico Sub-18

A triplista foi escolhida a melhor atleta feminina do Troféu Brasil de Atletismo nos últimos dois anos. Na edição de dezembro de 2020 da competição, disputado no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, em São Paulo, Gabriele Santos conquistou seu recorde pessoal no salto triplo. A principal meta nesta temporada é conquistar a qualificação aos Jogos de Tóquio e, mais do que isso, almeja chegar à final da prova.

Objetivo ousado

“A temporada de 2020 foi muito difícil. Meu objetivo agora é me concentrar muito para a de 2021. Não quero apenas o índice olímpico, quero muito fazer a final em Tóquio”, disse Gabriele Santos, que, para obter o índice olímpico, precisa saltar 14,32 m, marca exigida pela WA e referendado pela CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo).

+ Atleta de Burkina Faso bate recorde mundial indoor do triplo

“O objetivo é o índice olímpico. Na verdade, o índice já era para ter saído em dezembro, mas não deu. Acabei não acertando a marca”, disse a atleta, medalha de bronze no Sul-Americano de Lima-2019, no Peru. Gabriele Santos também elogiou a chance que teve no Centro de Excelência, iniciativa do governo estadual de São Paulo, no Conjunto Desportivo Constâncio Vaz Guimarães, no Ibirapuera.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

“A instalação fez diferença. Tive direito a uma bolsa e a moradia, o que me ajudou muito”, comentou Gabriele Santos, que iniciou no atletismo aos 9 anos. “Eu treinava numa comunidade carente no Rio de Janeiro, onde tinha um projeto social de atletismo”, disse. Devido aos resultados internacionais que alcançou na base, ela mudou para o Centro de Excelência. “Algumas portas importantes acabaram se abrindo”, concluiu a atleta.

A atleta Gabriele Santos fechou 2020 em 12º lugar no ranking mundial da World Athletics, com 14,17 m (Wagner Carmo/CBAt)
A atleta Gabriele Santos fechou 2020 em 12º lugar no ranking mundial da World Athletics, com 14,17 m (Wagner Carmo/CBAt)

Avaliação da treinadora

“A Gabi tem evoluído muito a cada ano e tem amplas condições de obter o índice”, comentou Tania Moura. “Além disso, ela encaminhou bem sua classificação pelo critério de pontos da WA. Ela deverá melhorar ainda mais com as competições de 2021. Continuaremos investindo em ambas as possibilidades (índice e ranking), acreditando que, uma vez classificada, ela possa ser finalista em Tóquio”, completou a técnica.

Mais em Tóquio 2020