Siga o OTD

Vôlei

Superliga Feminina começa e a expectativa esse ano é alta

A primeira rodada da Superliga Feminina começa, oficialmente, nesta sexta. Confira os primeiros confrontos e a expectativa das atletas para a competição!

Nesta sexta-feira (16) começa, oficialmente, a Superliga de Vôlei Feminino. É verdade que Pinheiros e Praia Clube se enfrentaram na última terça (13), mas por partida antecipada da sexta rodada. Saiba todas as informações da primeira rodada e o que esperar dos clubes na temporada 2018/19, que promete ter uma disputa acirrada. A expectativa é alta.

+ TABELA DA SUPERLIGA FEMININA DE VÔLEI

No Ginásio Panela de Pressão, às 19h30, Bauru e Hinode Barueri abrem a primeira rodada da Superliga Feminina, com transmissão do globoesporte.com. Quatro jogos acontecem às 20h: Pinheiros X Fluminense, no Ginásio Villaboin; Baldeário Camburiú X Praia Clube, no Ginásio Multieventos Hamilton Cruz; Brasília X Minas Tênis Clube, no Ginásio Sesi Taquatinga e, por último, São Caetano X Osasco, no Lauro Gomes (com transmissão do Canal Brasil).

Na televisão fechada, às 21h30, Sesc e Curitiba se enfrentam no Ginásio da Tijuca, no Rio de Janeiro, no Sportv.

Confira o que falaram atletas e técnicos ao Olimpíada Todo Dia sobre a competição antes de seu início:

Carol Gatazz – Minas Tênis Clube

“A gente, com certeza, vai entrar pra fazer o nosso melhor. A gente sabe do potencial da nossa equipe, sabe que precisa melhorar muito, mas a gente sabe que nossa equipe tem grande potencial que pode brigar e, claro, que a gente vai brigar para estar nas cabeças aí.”

Fernanda Garay – Praia Clube

“Eu não acredito em nada disso (de favoritismo e coisa assim). Eu acho que esse é o nosso desafio. Escrever uma nova história, pensar que é uma nova equipe, uma nova equipe está se formando, e tentar fazer o melhor possível pra essa temporada também.

Antonio Rizola – São Caetano

“Depois de 15 Superligas eu volto, depois de 10 anos, é uma alegria muito grande. O voleibol brasileiro merece uma Superliga como essa e eu entendo que esse ano o equilíbrio vai estar muito grande. E de um nível mais alto que o ano passado. As equipes ‘top’ melhoraram as condições delas e as equipes de segundo grupo – a qual nós nos incluímos, também se reforçaram. Então eu acho que o nível do campeonato vai ser bom e é uma alegria muito grande estar de volta dirigindo em São Caetano, uma equipe do São Cristóvão, que é o patrocinador, que já está há muitos anos.”

Dani Lins – Barueri

“Vai ser bom. A expectativa do Hinode é muito boa. Nosso time aí é uma mistura de experiência, com juventude, é muito bom. É um time gostoso de trabalhar, cara, eu estou amando. Estamos treinando bastante, malhando muito pesado, porque a gente quer chegar bem nessa Superliga. O nosso primeiro adversário é o Bauru, então a gente sabe que é um time pesado aí, campeão do Paulista, vem engrenado aí, mas a gente está se preparando bem para esse jogo. Independente de qual vai ser o resultado, a gente está se preparando muito bem.”

Camila Brait – Osasco

“O Osasco é um time que tem uma tradição muito grande, né? Faz tempo que vem indo pra final e semifinal de campeonato. Então eu acho que a gente vai esperar um time que vai brigar para estar ali na final, brigar pelo título. Um time guerreiro, um time que não vai desistir nunca e que tem uma torcida maravilhosa, que está sempre empurrando a gente, então a gente só tem a nos impulsionar e crescer sempre.”

Thaísa – Barueri

“Eu acho que a gente tem treinado muito e preocupado muito com o sistema defensivo, que o Zé presa muito, né? Ele sempre fala que time que não bloqueia e não defende, não joga, não tem time. Então a gente está trabalhando muito duro com relação a isso: o sistema defensivo, a relação bloqueio/defesa. A gente tem como crescer, a gente tem uma linha de passe muito bom, uma linha de fundo muito boa e acho que a gente vai focar muito nesse sentido. Claro, que ataque e todas as outras coisas, mas o nosso sistema defensivo a gente está tentando reforçar bastante.”

Fabiana – Sesi

“Nosso time é um time que tem um banco bom, que pode entrar e fazer diferença, como fez no Paulista. É uma equipe jovem, né? Mesclado com poucas peças ali mais experientes. Eu acho que é um time que pode mesclar, claro, em cada jogo e a gente pode usar dois ou três times aí pra jogar.”

Mais em Vôlei