Siga o OTD
teste

Surfe masculino

Gabriel Medina em Teahupoo 2019. Belo tubo surfe masculino jogos olímpicos tóquio 2020
Duas vezes campeão mundial, Gabriel Medina quer ouro do surfe masculino em Tóquio (Cestari/WSL via Getty Images)

Surfe masculino – Jogos Olímpicos – Tóquio 2020 

CALENDÁRIO

DataEventoHorário/Resultado

Chances do Brasil

Ítalo Ferreira, campeão da WSL, surfe masculino jogos olímpicos tóquio 2020
Atual campeão mundial, Ítalo Ferreira chega como um dos principais favoritos ao ouro
(WSL/Cestari SOCIAL)

O Brasil vai disputar o primeiro torneio da história do surfe masculino nos Jogos Olímpicos na condição de grande favorito. Em 2019, o Mundial de surfe terminou com dobradinha do país. Ítalo Ferreira conquistou o primeiro título da carreira, enquanto Gabriel Medina, campeão em 2014 e 2018, ficou com o vice-campeonato.

Das 11 etapas do Mundial de 2019, os dois venceram cinco, três com Ítalo e duas com Medina. Os dois se enfrentaram duas vezes em finais, uma delas foi na última etapa do Mundial, no Havaí, que definiu a conquista do título da temporada.

Além das três vitórias em etapas, Ítalo Ferreira foi vice-campeão em outras duas. Já Gabriel Medina ficou em segundo lugar também em duas. Ao longo das 11 etapas, em sete pelo menos um dos dos brasileiros foi à final. Com essa regularidade, a chance é grande do Brasil fazer bonito no surfe masculino dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020.

+ Veja a lista dos brasileiros classificados para a Olimpíada

Favoritos

john john florence surfe masculino jogos olímpicos tóquio 2020
Campeão mundial em 2016 e 2017, John John Florence será o grande adversário dos brasileiros (WSL/Divulgação)

Vinte Atletas buscarão as primeiras medalhas olímpicas da história do Surf em Tóquio. Desses, dez foram definidos por suas posições no circuito mundial de surf de 2019, onde estão os melhores do mundo. Os brasileiros Ítalo Ferreira e Gabriel Medina, além do americano John John Florence, são os únicos da lista olímpica masculina a deterem títulos mundiais até agora. Em quase todas as listas de apostas os três aparecem como principais postulantes as medalhas

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Junto deles está Kolohe Andino, americano de 25 anos, que  desbancou Kelly Slater na corrida para representar os Estados Unidos no surfe masculino dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. O japonês Kanoa Igarashi, apesar de representar o país sede, não surfará exatamente em casa, pois nasceu e cresceu em Huntington Beach, na Califórnia. Filho de japoneses, venceu a etapa da Indonésia do circuito mundial na última temporada e chega a Tóquio como uma das grandes esperanças da torcida anfitriã.

Se os brasileiros dominaram o mundial de 2019, o sul-africano Jordy Smith foi quem chegou mais perto de acabar com a festa nacional. Terceiro colocado no ranking, não venceu nenhuma etapa, mas teve uma ótima regularidade chegando entre os cinco melhores em seis das onze disputas.

Para manter a tradição australiana, estarão em Tóquio Julian Wilson, vice mundial em 2018, e Owen Wright, vencedor da tradicionalíssima etapa do Tahiti do circuito em 2019. A França, país sede dos Jogos Olímpicos de 2024, também terá uma dupla fortíssima em ação. Jeremy Flores, campeão da etapa francesa do circuito mundial e Michel Bourez, que já venceu a etapa de Pipeline Misters, considerada a mais importante do circuito. Por curiosidade, ambos nasceram em territórios franceses além mar. Jeremy, de 31 anos, é natural das Ilhas Reunião, na África, já Michel, 34, é natural da pequena ilha de Ruturu, na Polinésia Francesa.

Além desses, já estão garantidos o peruano Lucca Messinas, o marroquino Ramzi Boukhiam, o português Federico Morais, o neozelandês Billy Stairmand e o dono da casa, que fará dupla com Kanoa, Shun Murakami, todos com vagas conquistadas por serem os melhores atletas de torneios pré-olímpicos continentais.

Cinco vagas ainda faltam ser preenchidas e todas elas estão em jogo em maio de 2020 durante o ISA Games a ser disputado em El Salvador. Leonardo Fioravanti, da Itália, Santiano Muniz, da Argentina, Rio Waida, da Indonésia, Israel Barona, do Equador e Michael February, da África do Sul, são os principais postulantes a carimbarem os passaportes olímpicos.