Siga o OTD
teste

Equipe feminina

Equipe feminina – Ginástica Artística – Jogos Olímpicos – Tóquio 2020

CALENDÁRIO

DataEventoHorário/Resultado

Chances do Brasil

Equipe feminina disputou desfalcada o Mundial de 2019 e não se classificou para Tóquio
(Ricardo Bufolin / Panamerica Press / CBG)

A edição dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 não contará com a equipe feminina depois de quatro edições consecutivas se classificando. A expectativa até que era alta, principalmente após as meninas do Brasil passarem perto de conquistar um bronze inédito na prova no mundial de 2018, mas várias lesões nas principais ginastas do país impediram que o time chegasse nas melhores condições no mundial de 2019 para brigar pela vaga. Apenas as 12 primeiras equipes se classificariam para os jogos e o Brasil terminou em 14° lugar.

+ Veja a lista dos brasileiros classificados para a Olimpíada

Favoritas da equipe feminina em Tóquio

Simone Biles ginástica artística jogos olímpicos tóquio 2020
Liderada por Simone Biles, equipe feminina dos Estados Unidos é a grande favorita ao ouro em Tóquio (Reprodução/Twitter)

A equipe feminina dos Estados Unidos possui um dos maiores favoritismos entre todos os esportes dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. Lideradas por Simone Biles, considera por muitas como a maior ginasta da história, as atuais bicampeãs olímpicas não devem enfrentar dificuldade alguma em levar para o país norte-americano mais uma medalha dourada.

Mas se o topo do pódio tem donas, as outras duas posições prometem ter uma disputa intensa. As tradicionais Rússia e China ganharam a companhia de Itália, França e Canadá na disputa pelo pódio. Rússia vem de duas medalhas de prata em mundiais do ciclo e contará com a estreia de novas ginastas que prometem elevar o nível da equipe. China, que conta com a força de suas barras paralelas e trave, conquistou o bronze no mundial de 2018, mas acabou surpreendida por uma jovem e forte Itália no mundial de 2019 e ficou de fora do pódio. A Itália se apresenta hoje como a principal ameaça à soberania do trio favorito. Lideradas por Giorgia Villa, o jovem quarteto italiano espera repetir o feito do mundial de Stuttgart e entrar no pódio. França e Canadá também conta com grandes nomes em suas equipes e podem ameaçar.

Equipe feminina do Brasil na história dos Jogos Olímpicos

Equipoe feminina do Brasil ficou em oitavo lugar nos Jogos Olímpicos de 2016

A primeira vez que o Brasil se classificou para os Jogos Olímpicos com uma equipe feminina completa foi em Atenas 2004. Faziam parte do time histórico, nomes de peso como Daiane dos Santos, Daniele Hypólito e Camila Comin, além de novatas como Laís Souza, que se tornaria também importante para a ginástica nacional. O sexteto brasileiro, que no ano anterior havia surpreendido o mundo se classificando para a final, não conseguiu repetir o feito e acabou terminando em nono lugar, uma posição atrás do último classificado. 

A primeira final do Brasil por equipes veio na edição seguinte dos Jogos Olímpicos, Pequim-2008. O Brasil contava com a presença de Daiane Dos Santos, Daniele Hypólito e Laís Souza e ganhou o reforço de peso de Jade Barbosa e Ana Cláudia Silva. Mais experientes e acostumadas a competirem contra os grandes países, o quinteto conseguiu a classificação para a final e terminou em 8º lugar. 

O ciclo de Londres foi marcado por lesões e uma grande dificuldade de renovação da ginástica feminina do Brasil. Assim, o país só conseguiu a classificação da equipe para os Jogos Olímpicos de 2012 na última oportunidade, no último aparelho. A equipe, que já não chegaria aos jogos com a confiança muito em alta após a classificação dramática, ainda ganharia novos problemas poucos dias antes do início das disputas. Primeiro com o corte de Jade Barbosa, a melhor ginasta do país no individual geral, por brigas com a confederação, e posteriormente com os cortes de Laís Souza e Adrian Santos já em solo britânico, por lesões. O resultado final foi uma apresentação fraca de forma geral e último lugar geral para a equipe.

Competindo em casa em 2016, o Brasil chegou com expectativas de uma posição histórica na final por equipes. Com as novatas Rebeca Andrade, Flávia Saraiva e Lorrane Oliveira, a equipe tinha o status de melhor time brasileiro já enviada a uma edição olímpica. Nas classificatórias as meninas brilharam e o país acabou se classificando na quinta colocação, atrás apenas das potencias Estados Unidos, China e Rússia e da Grã-Bretanha. Entretanto alguns erros durante a final acabaram fazendo com que a equipe não conseguisse manter o nível das classificatórias e terminasse na oitava posição, igualando o resultado de Pequim 2008.

Histórico da equipe feminina nos Jogos Olímpicos

A ginástica artística feminina só passou a ser disputada em Jogos Olímpicos na edição de Amsterdã em 1928, com a disputa por equipes. A extinta União Soviética é ainda hoje a nação que mais conquistou a prova, com oito títulos em 19 edições. Romênia e Estados Unidos aparecem em segundo e terceiro lugar no quadro de medalhas com três ouros, mas com vantagem para as romenas nas pratas. Único evento a fazer parte do programa olímpico de 1928, a prova por equipe feminina teve como primeiras vencedoras as donas da casa. As italianas ficaram com a prata e as britânicas com o bronze. As equipes na primeira edição contavam com 12 ginastas.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Após ficar de fora da edição seguinte, em Los Angeles, a ginástica artística feminina retornou aos Jogos em Berlim 1936 para nunca mais sair. Novamente a única disputa em 36 foi a prova por equipe feminina, agora reduzida para oito ginastas em cada, e novamente as atletas que competiam em casa levaram a melhor. Ouro para a Alemanha, prata para a Tchecoslováquia e bronze para a Hungria.

A edição de Helsinque 1952 marcou o início do domínio soviético na ginástica feminina. Foram simplesmente oito títulos consecutivos por equipe feminina em Helsinque 52, Melbourne 56, Roma 60, Tóquio 64, Cidade do México 68, Munique 72, Montreal 76 e Moscou 80, marcando a maior hegemonia da história da ginástica artística em Jogos Olímpicos.

Dentre esses títulos, um dos destaques foi o de Melbourne, que contou pela primeira vez com a participação de Larissa Latynina, que viria a ser a maior medalhista da ginástica. Melbourne também marcou o tri-vice da Hungria, prata desde a edição de Londres 1948. Foi também em Melbourne que a ginástica romena apareceu pela primeira vez em um pódio olímpico com o bronze da equipe.  

Já contando com o número de seis ginastas por equipes desde a edição anterior, Roma 1960 viu o surgimento de novos nomes que se juntaram a Latynina, dividindo o protagonismo nos Jogos. Dentre estes nomes estavam o de sua compatriota, Sofia Muratova e o da tcheca Vera Caslavska. Caslavska liderou a forte equipe de seu país de volta ao pódio olímpico, fato que não acontecia desde a medalha de ouro em Londres 1948. Sempre contando com Vera, a Tchecoslováquia foi também medalhista de prata nas edições de 1964 e 1968.

A equipe da União Soviética campeã de 1972 contava com a liderança de ginastas de uma nova geração que também marcariam época, com destaques para Olga Korbut e Ludmilla Touricheva. A Alemanha Oriental ficou com a medalha de prata e a equipe da Hungria retornou ao pódio com o bronze depois de três edições ausentes.

O mundo assistiu em Montreal 1976 a uma das equipes mais fortes da União Soviética de todos os tempos. Korbut e Touricheva ganharam a companhia de Nellie Kim e Svetlana Grozdova no time e mantiveram o domínio, com tranquilidade, do país na disputa por equipes. Como se não fosse pouco, as apresentações de Nadia Comaneci que encantaram o mundo foram fundamentais na conquista da medalha de prata da Romênia por equipes, o melhor resultado do país até então. O pódio em Moscou 1980 foi o mesmo visto em 1976, com o ouro para a União Soviética, prata para a Romênia e o bronze para Alemanha Oriental.

A União Soviética na edição de Los Angeles 1984 devolveu o boicote sofrido pelo bloco capitalista em Moscou 80 e não disputou os Jogos Olímpicos naquele ano. Dessa forma chegava ao fim a hegemonia soviética na prova por equipes que durava longas oito edições olímpicas. Quem melhor aproveitou a ausência das soviéticas foram as romenas. Lideradas por Ecaterina Szabo, as romenas conquistaram pela vez a medalha de ouro. Competindo em casa as americanas também aproveitaram a ausência da União Soviética e subiram ao pódio pela primeira vez, com a medalha de prata. Bronze para a China, também estreante em pódios. 

Seul 1988 marcou o retorno da União Soviética aos Jogos, novamente no lugar mais alto do pódio na disputa por equipes da ginástica. A equipe de Svetlana Bonginskaya, Tatiana Gutsu e Oksna Chusovitina derrotou o forte time romeno de Daniela Silivas, Aurelia Dobre e Gabriela Potorac. Bronze para a Alemanha Oriental, repetindo assim os mesmos pódios das Olimpíadas de 1976 e 1980. Parte do time campeão em Seul estava presente no time da Equipe Unificada no ouro de Barcelona 1992. 

A Romênia conseguiu o seu bicampeonato nas Olimpíadas de Sidney 2000 e Atenas 2004. Nomes como o de Catalina Ponor, Simona Amanar, Oana Ban, Andreea Raducan e Monica Rosu foram importantes nas conquistas romenas sobre a Rússia de Svetlana Khorkina e os Estados Unidos de Carly Patterson.

Em 2008 os Estados Unidos desembarcaram na China como o país a ser batido. Com um time de peso que contava com Shawn Jhonson, Nastia Liukin e Alicia Sacramone, as americanas eram as atuais campeãs mundiais, mas não conseguiram segurar a pressão e acabaram derrotadas pelas donas da casa. Foi a primeira medalha de ouro da equipe da China no feminino. O bronze ficou com as romenas.

Após a decepção com a prata em Pequim a equipe estadunidense conquistou o bicampeonato em Londres 2012 e Rio 2016. Em Londres a equipe contava, dentre outras, com Gabby Douglas, campeã do individual geral, e Alexandra Raisman. Já a equipe de 2016 foi liderada por Simone Biles e também contava com Douglas e Raisman. Em ambas as edições a medalha de prata ficou com a Rússia de Aliya Mustafina.

Os Jogos Olímpicos do Rio também foram marcantes para a ginástica feminina. A tradicional Romênia não conseguiu classificar uma equipe completa e acabou contando com apenas uma ginasta, Catalina Pponor. A não classificação da Romênia significou o fim de uma sequência de dez pódios consecutivos do país europeu na prova por equipes.

Quadro de medalha – Equipe feminina – Jogos Olímpicos

PosiçãoPaísOuroPrataBronzeTotal
1União Soviética8008
2Romênia34411
3Estados Unidos3328
4Tchecoslováquia1416
5China1023
6Alemanha 1001

Equipe Unificada1001

Holanda1001
9Rússia0415
10Hungria0325
11Alemanha Oriental0145
12Itália0101
13Grã-Bretanha0011
    Japão0011