Siga o OTD
teste

Maratona masculina

Maratona masculina será disputada no último dia dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

Maratona masculina – Atletismo – Jogos Olímpicos – Tóquio 2020

Recordes da maratona masculina

Recorde Mundial: 2:01:39 – Eliud Kipchoge (KEN) – Berlim (GER) – 16/09/2018

Recorde Olímpico: 2:06:32 – Samuel Wanjiru (KEN) – Pequim (CHN) – 24/08/2008

Chances do Brasil na maratona masculina

Daniel Chaves é um dos brasileiros com índice para disputar a maratona masculina (Divulgação)

Dois brasileiros já obtiveram o índice para disputar a maratona masculina dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. Paulo Roberto Paula se classificou para sua terceira Olimpíada com 2h10min08s obtidos em Sevilha em fevereiro de 2020 e Daniel Chaves da Silva fará sua estreia nos Jogos. Ele conseguiu 2h11min10s em Londres, em abril de 2019. São baixas as chances de medalha nesta prova, ainda mais com grandes nomes da prova indo para os Jogos.

+ Veja a lista dos brasileiros classificados para os Jogos

Favoritos na maratona masculina nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

Eliud Kipchoge venceu a maratona masculina nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro
(World Atlhetics)

Quenianos e etíopes tem dominado recentemente a maratona masculina pelo mundo. Campeão nos Jogos Olímpicos Rio-2016, o queniano Eliud Kipchoge é o grande favorito para buscar o bicampeonato. Ele disputou 12 maratonas oficiais na vida, vencendo 11 e ficando em segundo lugar em uma. Além de ser o recordista mundial com 2:01:39 obtidos em Berlim em 2018, Kipchoge foi o único a fazer uma maratona em menos de duas horas, com 1:59:40 feitos em Viena em uma prova experimental de exibição em outubro de 2019.

Um dos grandes nomes da história do atletismo, o etíope Kenenisa Bekele disputou apenas uma prova em 2019, vencendo a maratona masculina de Berlim com 2:01:41, o melhor tempo do mundo no ano.

Na maratona masculina dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, a equipe queniana terá ainda Amos Kipruto, bronze no último Mundial, e Lawrence Cherono, vencedor das maratonas de Boston e Chicago em 2019. Bicampeão dos 10.000m, o britânico Mo Farah vem se dedicando à maratona, tendo vencido a de Chicago em 2018. O americano Galen Rupp, bronze no Rio-2016, o tanzaniano Alphonce Simbu, bronze no Mundial de 2017 e o restante da equipe etíope e de Uganda também chegam em Tóquio com grandes chances de medalha.

O Brasil na maratona masculina dos Jogos Olímpicos

Vanderlei Cordeiro de Lima ganhou a única medalha brasileira na maratona masculina
(Washington Alves/COB/Divulgação)

A primeira participação brasileira na maratona masculina dos Jogos Olímpicos foi em Los Angeles-1932, com João Clemente da Silva, 19º com 3h02min06s, e Matheus Marcondes, que não terminou. Demorou meio século para um brasileiro voltar a competir na maratona olímpica. Em Los Angeles-1984, o gaúcho Eloi Schleder, que havia sido vice na maratona de Frankfurt dois anos antes, terminou em 23º com 2h16min35s entre 78 que terminaram.

Dois brasileiros competiram na maratona masculino nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988. Diamantino dos Santos foi 48º com 2h25min13s e Ivo Rodrigues, ouro no Pan de Indianápolis-1987, foi 56º com 2h26min27s entre 98 que concluíram a prova. Já em Barcelona-1992, três brasileiros competiram: Osmiro Silva, 24º com 2h17mn16s, Joseildo da Silva, 56º com 2h26min00s, e Diamantino dos Santos, que não terminou.

Luiz Antonio dos Santos obteve o melhor resultado de um brasileiro até então com o décimo lugar na maratona masculina dos Jogos Olímpicos de Atlanta-1996 com 2h15min55s. Em sua estreia olímpica, Vanderlei Cordeiro de Lima terminou na 47ª posição em 2h21min01s e Diamantino dos Santos, em sua terceira e última Olimpíada, foi 73º com 2h26min53s. Três brasileiros competiram em Sydney-2000, mas apenas Vanderlei Cordeiro de Lima completou, no fraco 75º lugar com 2h37min08s, quase meia hora pior que o campeão. Osmiro Silva e Éder Fialho não terminaram.

Vanderlei Cordeiro de Lima é atacado durante a maratona masculina em Atenas
(Jiro Mochizuki/AFP)

Em sua terceira Olimpíada, Vanderlei fez uma excelente prova em Atenas-2004. Com 20 km de prova, ele disparou na liderança, abrindo boa vantagem sobre o italiano Stefano Baldini, o americano Mebrahtom Keflezeghi e o queniano Paul Tergat. Faltando apenas 7 km para o fim da maratona masculina, o brasileiro foi atacado pelo padre irlandês Cornelius Horan, que o segurou. Um espectador grego o ajudou, mas, muito abalado, o brasileiro viu Baldini e Keflezighi o ultrapassarem.

Vanderlei chegou no estádio Panathinaiko para conquistar a medalha de bronze da maratona masculina dos Jogos Olímpicos de Atenas, abrindo os braços até cruzar a linha de chegada aos gritos dos espectadores que tinham visto tudo no telão, conquistando a primeira e única medalha do Brasil em uma prova de rua. Pela esportividade, Vanderlei recebeu a maior honra olímpica, a Medalha Pierre de Coubertin.

Nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008, José de Souza foi o único brasileiro a terminar a maratona masculina, ficando em 38º com 2h20min25s, enquanto Marilson dos Santos, campeão da maratona de Nova York em 206 e 2008, e Franck Caldeira, que vinha do ouro no Pan do Rio-2007, não terminaram.

O brasileiros fizeram uma excelente prova nos Jogos Olímpicos de Londres-2012. Já muito mais experiente e chegando como um dos favoritos, Marilson ficou na excelente quinta colocação na maratona masculina com 2h11min10s. Paulo Roberto Paula também fez grande prova em solo londrino acabando em oitavo lugar com 2h12min17s e Franck Caldeira acabou em 13º com 2h13min35s. No Rio-2016, Paulo Roberto Paula ficou em 15º com 2h13min56s, Marilson dos Santos apenas em 59º com 2h19min09s e Solonei da Silva foi 78º com 2h22min05s.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Histórico da maratona masculina nos Jogos Olímpicos

Emil Zatopek foi campeão da maratona masculina nos Jogos Olímpicos de Helsinque
Emil Zatopek foi campeão da maratona masculina nos Jogos Olímpicos de Helsinque
(World Athletics)

Uma das principais provas olímpicas, a maratona masculina é tradicionalmente disputada no último dia dos Jogos Olímpicos, e as medalhas são entregues na Cerimônia de Encerramento.

Apesar de ser disputada desde a primeira edição dos Jogos Olímpicos, em Atenas-1896, a distância da maratona masculina variou, começando com aproximadamente 40.000m, subiu para 40.260 em Paris-1900, voltou para 40.000m em St. Louis-1904, 42.195m em Londres-1908, 40.200m em Estocolmo-1912, 40.750m na Antuérpia-1920 até ser oficializada a partir de Paris-1924 nos 42.195m, que é a distância oficial até hoje. Criada para os Jogos, a Maratona foi inspirada na lenda de Fidípides, e a sua primeira disputa serviu como seletiva grega para a Olimpíada.

E nesta primeira disputa olímpica, a vitória ficou com o grego Spyridon Louis, que estava em quarto por boa parte da prova, até que o francês, o americano e o australiano na disputa foram abandonando e Louis foi para vencer em 2h58min50. Seria um pódio todo grego com Charilaos Vasilakos na segudnda colocação e Spyridon Belokas na terceira, mas Belokas foi desclassificado após ser acusado de fazer parte do percurso de carruagem. O francês nascido em Luxemburgo Michel Théato venceu nos Jogos Olímpicos de Paris-1900 com 2h59min45s.

Nos Jogos Olímpicos de Saint Louis-1904, o primeiro a cruzar a linha de chegada da maratona masculina foi o americano Fred Lorz, que abandonou a corrida por volta do 14º quilometro, pegou uma carona de carro, que quebrou no 30º quilometro, e aí correu até o final, completando em 3h13min00. Quando ia receber a medalha, sua trapaça foi descoberta e a vitória ficou com o também americano Thomas Hicks com 3h28min53s. Esta corrida também foi marcada pelas altíssimas temperaturas e com apenas um posto de água, em ruas não pavimentadas.

Foi nos Jogos Olímpicos de Londres-1908 que a distância oficial atual foi percorrida pela primeira vez na maratona masculina, com 42.195m. O italiano Dorando Pietri forçou muito o ritmo nos quilômetros finais e quase não aguentou. Ele chegou a cair cinco vezes dentro do estádio e foi ajudado pelos árbitros a se levantar. Ele demorou dez minutos para completar os 350m finais. Completando em 2h54min46s4, ele acabou desclassificado por receber ajuda e a vitória ficou com o americano Johnny Hayes.

Após a Primeira Guerra Mundial, foram duas vitórias finlandesas na maratona masculina com Hannes Kolehmainen nos Jogos Olímpicos de Antuérpia-1920 e Albin Stenroos em Paris-1924. O argentino Juan Carlos Zabala foi ouro em Los Angeles-1932, batendo o recorde olímpico com 2h31min36s. Nos Jogos de Berlim-1936, a vitória ficou com Sohn Kee-chung, coreano, que competiu pelo Japão. Na época, a Coreia era uma colônia japonesa e, na hora do hino japonês, ele abaixou sua cabeça, mostrando a vergonha por não competir pelo seu país de origem.

A segunda vitória de uma argentino na maratona masculina veio nos Jogos Olímpicos de Londres-1948, com Delfo Cabrera, campeão com 2h34min5s6.  Em Helsinque-1952 foi a vez do checo Emil Zátopek vencer seu terceiro ouro em uma mesma edição. Ele venceu os 10.000m em 20 de julho, os 5.000m 4 dias depois e fechou a trifeta no dia 27 ao completar a maratona com 2h23min03s2. Quatro anos depois, em Melbourne-1956, Zatopek voltou a correr, mas acabou em 6º.

Descalço, Abebe Bikila venceu a maratona masculina nos Jogos Olímpicos de Roma, em 1960
Descalço, Abebe Bikila venceu a maratona masculina nos Jogos Olímpicos de Roma, em 1960

A maratona masculina dos Jogos Olímpicos de Roma-1960 foi uma das mais marcantes da história olímpica, pois foi nela que o etíope Abebe Bikila venceu. Ele se tornou o primeiro atleta da África sub-Saariana a vencer um ouro olímpico e fez isso correndo descalço pelas ruas da capital italiana com o tempo de 2h15min16s2, estabelecendo o novo recorde mundial da distância. Bikila voltaria ao topo ao vencer o bicampeonato em Tóquio-1964, desta vez correndo calçado, vencendo com o tempo de 2h12min11s2, mais uma vez recorde mundial. Ele voltaria a correr na Cidade do México-1968, mas com uma fratura na fíbula, acabou desistindo após 16km e a vitória ficou com seu compatriota Mamo Wolde, com 2h20min26s.

Nos Jogos Olimpícos de Munique-1972, a vitória da maratona masculina ficou com o americano Frank Shorter (que nasceu na cidade alemã), com 2h12min19s, mas o primeiro a entrar no estádio não foi ele, mas sim um estudante alemão com o uniforme da Alemanha Ocidental, que foi vaiado por invadir e retirado pelos árbitros. Quatro anos mais tarde, numa chuvosa prova em Montreal, Shorter chegou como favorito, mas viu o alemão oriental Waldemar Cierpinski, que vinha da prova de obstáculos, se desgarrar com 30km de prova e vencer com 2h09min55s0, 50s a frente do americano. Cierpinski voltaria a vencer em Moscou-1980 se tornando o segundo bicampeão da história.

O sul-coreano Hwang Yeong-cho obteve uma surpreendente vitória na maratona masculina dos Jogos Olímpicos de Barcelona-1992, numa prova que começou bem tarde, às 18h30, terminando muito pouco antes da cerimônia de encerramento, com 2h13min23s. Quem ultrapassou o tempo limite de 2h45min não entrou no estádio de Montjuic e foi redirecionado para uma segunda chegada, na pista de aquecimento.

Em 96, Josia Thugwane quebrou tabu de 28 anos sem vitória africana na maratona masculina
(Mike Powell / Getty Images)

Foi apenas nos Jogos Olímpicos de Atlanta-1996 que um africano voltou a vencer a maratona masculina, após 28 anos. Sem nenhum grande favorito, o ouro ficou com o sul-africano Josia Thugwane com 2h12min36s. Em Sydney-2000, em mais uma prova sem um grande favorito, o ouro ficou com o etíope Gezahegne Abera, vencendo com 2h10min11s, no primeiro pódio todo africano, com o queniano Erick Wainaina na prata e o também etíope Tesafye Tola no bronze.

De volta às origens, a maratona masculina dos Jogos Olímpicos de Atenas-2004 teve início na cidade de Maratona, até terminar no histórico estádio Panathinaiko, que recebeu os Jogos de 1896. Infelizmente, a prova ficou marcada pelo incidente com o brasileiro Vanderlei Cordeiro de Lima. Ele foi para a liderança com 20 km de prova e, no 35º quilometro, foi atacado pelo padre irlandês Cornelius Horan, que o segurou. Um espectador grego ajudou o brasileiro, que, muito abalado foi ultrapassado pelo italiano Stefano Baldini, ouro com 2h10min55s e pelo americano Mebrahtom Keflezighi, prata com 2h11min29s. Vanderlei foi bronze com 2h12min11s.

Foi apenas nos Jogos Olímpicos em Pequim-2008 que veio o primeiro ouro queniano na maratona masculina com Samuel Wanjiru, campeão com o ótimo tempo de 2h06min32s, recorde olímpico. Stephen Kiprotich, de Uganda, venceu em Londres-2012 com 2h08min01s e, no Rio-2016, a vitória ficou com o queniano atual recordista mundial Eliud Kipchoge com 2h08min44s.

Medalhistas da maratona masculina nos Jogos Olímpicos

JogosOuroPrataBronze
Atenas-1896Spyridon Louis (GRE)Charilaos Vasilakos (GRE)Gyula Kellner (HUN)
Paris-1900Michel Théato (FRA)Émile Champion (FRA)Ernst Fast (SWE)
St. Louis-1904Thomas Hicks (USA)Albert Corey (USA)Arthur Newton (USA)
Londres-1908Johnny Hayes (USA)Charles Hefferon (RSA)Joseph Forshaw (USA)
Estocolmo-1912Ken McArthur (RSA)Christian Gitsham (RSA)Gaston Strobino (USA)
Antuérpia-1920Hannes Kolehmainen (FIN)Jüri Lossmann (EST)Valerio Arri (ITA)
Paris-1924Albin Stenroos (FIN)Romeo Bertini (ITA)Clarence DeMar (USA)
Amstrerdã-1928Boughera El Ouafi (FRA)Manuel Plaza (CHI)Martti Marttelin (FIN)
Los Angeles-1932Juan Carlos Zabala (ARG)Sam Ferris (GBR)Armas Toivonen (FIN)
Berlim-1936Sohn Kee-chung (JPN)Ernest Harper (GBR)Nan Shoryu (JPN)
Londres-1948Delfo Cabrera (ARG)Tom Richards (GBR)Étienne Gailly (BEL)
Helsinque-1952Emil Zátopek (CZE)Reinaldo Gorno (ARG)Gustaf Jansson (SWE)
Melbourne-1956Alain Mimoun (FRA)Franjo Mihalić (YUG)Veikko Karvonen (FIN)
Roma-1960Abebe Bikila (ETH)Rhadi Ben Abdesselam (MAR)Barry Magee (NZL)
Tóquio-1964Abebe Bikila (ETH)Basil Heatley (GBR)Kokichi Tsuburaya (JPN)
Cidade do México-1968Mamo Wolde (ETH)Kenji Kimihara (JPN)Mike Ryan (NZL)
Munique-1972Frank Shorter (USA)Karel Lismont (BEL)Mamo Wolde (ETH)
Montreal-1976Waldemar Cierpinski (FRG)Frank Shorter (USA)Karel Lismont (BEL)
Moscou-1980Waldemar Cierpinski (FRG)Gerard Nijboer (NED)Satymkul Dzhumanazarov (URS)
Los Angeles-1984Carlos Lopes (POR)John Treacy (IRL)Charlie Spedding (GBR)
Seul-1988Gelindo Bordin (ITA)Douglas Wakiihuri (KEN)Ahmed Salah (DJI)
Barcelona-1992Hwang Young-cho (KOR)Koichi Morishita (JPN)Stephan Freigang (GER)
Atlanta-1996Josia Thugwane (RSA)Lee Bong-ju (KOR)Erick Wainaina (KEN)
Sydney-2000Gezahegne Abera (ETH)Erick Wainaina (KEN)Tesfaye Tola (ETH)
Atenas-2004Stefano Baldini (ITA)Mebrahtom Keflezighi (USA)Vanderlei de Lima (BRA)
Pequim-2008Samuel Wanjiru (KEN)Jaouad Gharib (MAR)Tsegay Kebede (ETH)
Londres-2012Stephen Kiprotich (UGA)Abel Kirui (KEN)Wilson Kipsang Kiprotich (KEN)
Rio-2016Eliud Kipchoge (KEN)Feyisa Lelisa (ETH)Galen Rupp (USA)

Quadro de medalhas da maratona masculina nos Jogos Olímpicos

OrdemPaísOuroPrataBronzeTotal
1Etiópia4138
2Estados Unidos33511
3França3104
4Quênia2327
5África do Sul2204
6Itália2114
7Argentina2103
8Finlândia2035
9Alemanha Ocidental2002
10Japão1225
11Coreia do Sul1102
11Grécia1102
13Portugal1001
13Tchéquia1001
13Uganda1001
16Grã-Bretanha0415
17Marrocos0202
18Bélgica0123
19Chile0101
19Estônia0101
19Irlanda0101
19Iugoslávia0101
19Países Baixos0101
24Nova Zelândia0022
24Suécia0022
26Alemanha0011
26Brasil0011
26Djibuti0011
26Hungria0011
26União Soviética0011

A prova

Maratona é uma corrida realizada na distância oficial de 42,195 km, normalmente em ruas e estradas. Única modalidade esportiva que se originou de uma lenda, seu nome foi instituído como uma homenagem à antiga lenda grega do soldado ateniense Fidípides, um mensageiro do exército de Atenas, que teria corrido cerca de 40 km entre o campo de batalha de Maratona até Atenas para anunciar aos cidadãos da cidade a vitória dos exércitos atenienses contra os persas e morreu de exaustão após cumprir a missão.

A Federação Internacional de Atletismo (IAAF – International Association of Athletics Federations) estabelece que a distância oficial da maratona deva ser de exatos 42,195 km (42 mil 195 metros), com um adendo de 42 metros. Os fiscais oficiais e medidores de quilometragem destas provas acrescentam ao final mais um metro por quilômetro percorrido, para reduzir o risco de que alguma falha na medição produza uma distância final inferior à estipulada.

Para eventos sob a égide da IAAF é obrigatório que o percurso tenha marcações intercaladas da distância percorrida, de maneira a que os corredores tenham noção do ponto em que se encontram, e esses marcos devem ser a cada quilômetro. 

Os recordes conquistados, sejam eles mundiais, continentais ou nacionais, só são reconhecidos em provas que cumpram as regras da IAAF, que estabelecem que o percurso precisa ter uma distância máxima entre a partida e a chegada de 50% da distância total da prova – 42,195 km – e um desnível na topografia de no máximo 1/1000 da distância total.

AGENDA DO DIA

abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo B Fortaleza Real Ariquemes abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo F Brasil de Farroupilha Athletico abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo F Chapecoense Toledo/Coritiba abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo F Napoli-SC Fluminense abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo E Goiás Real Brasília abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo E Vasco Vila Nova abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo E Botafogo Atlético-MG abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo D SERC Atlético-GO abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo D América-MG Operário abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo D Juventus-SP Foz Cataratas abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo C Auto Esporte UDA abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo C Náutico Cruzeiro-RN abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo C Bahia Sport abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo B São Valério Atlético-AC abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro de futebol feminino - Primeira Fase Iranduba Corinthians abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo B 3B Sport São Francisco abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo A Tiradentes Oratório abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo A Juventude Timonense Santos Dumont abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro Feminino A-2 - Grupo A Ceará Esmac abr 5 15:00 Liga de Basquete Feminino Pró-Esporte Sorocaba LSB RJ abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro de futebol feminino - Primeira Fase Ponte Preta Kindermann-Avai abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro de futebol feminino - Primeira Fase Minas ICESP Sao José abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro de futebol feminino - Primeira Fase São Paulo Audax abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro de futebol feminino - Primeira Fase Palmeiras Santos abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro de futebol feminino - Primeira Fase Vitória Flamengo abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro de futebol feminino - Primeira Fase Grêmio Internacional abr 5 15:00 Campeonato Brasileiro de futebol feminino - Primeira Fase Cruzeiro Ferroviária